windmills by fy

31/10/2009

Windmills

Filed under: Uncategorized — Fy @ 7:43 AM

 

 

 

 

 

 

 

FOTO WINDMILL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

 

by Fy

43 Comments »

  1. The Windmills Of Your Mind

    Redonda,
    Como um círculo em uma espiral
    Como uma roda dentro de uma roda
    Nunca começando – nunca terminando
    Em um carretel girando
    Como uma bola de neve descendo a montanha
    Ou um balão de carnaval

    Como um carrossel, queimando
    Anéis que correm ao redor da lua

    Como um relógio cujas mãos estão varrendo
    Os minutos que passam pelo seu rosto

    E o mundo é como uma maçã
    Rolando silenciosamente no espaço

    Como os círculos que você encontra
    Nos moinhos de vento de sua mente

    Como um túnel que você segue
    Para seu próprio túnel

    Um buraco para uma caverna
    Onde o sol nunca brilhou

    Como uma porta giratória que mantém
    Um sonho meio esquecido

    São as ondas de uma pedrinha
    Que alguém lança em uma corredeira

    Como um relógio cujas mãos estão varrendo
    Os minutos que passam pelo seu rosto

    E o mundo é como uma maçã
    Rolando silenciosamente no espaço

    Como os círculos que você encontra
    Nos moinhos de vento de sua mente

    Chaves tinindo em seu bolso
    Palavras que dançam em sua cabeça

    Por que o verão se vai tão rapidamente?
    Foi algo que você disse?

    Apaixonados caminham ao longo da costa
    E deixam suas pegadas na areia
    O som do tambor distante
    Era apenas o som dos dedos de sua mão?

    Fotos penduradas em um corredor
    Ou fragmentos desta canção
    Nomes e faces quase esquecidos
    mas a qual acaso eles pertencem?

    Quando foi que voce percebeu
    Que, de repente, as folhas de outono estavam se transformando
    Nas cores do seu cabelo?

    Como um círculo em uma espiral
    Como uma roda dentro de uma roda

    Nunca começando – nunca terminando
    Como um eterno carretel
    desenrolando imagens

    Como os círculos que você encontra
    Nos moinhos de vento de sua mente

    Fy

    Comment by Fy — 31/10/2009 @ 8:12 AM

  2. Uau! Muito bom gosto!

    Parabéns, Fy🙂

    Bjs

    Comment by Coringa — 31/10/2009 @ 1:37 PM

    • Coringa!

      Wellcome,

      É seu também.

      Windmills of FreeMinds!

      Bjs

      Comment by Fy — 01/11/2009 @ 1:17 AM

  3. Fa,
    Oba! Vou poder te ler sempre agora!
    bjo bjo
    Mob.

    Comment by Mob — 31/10/2009 @ 1:53 PM

  4. Oba!

    Voce vai me ler sempre agora!

    Bj Bj

    Fy

    Comment by Fy — 01/11/2009 @ 1:20 AM

  5. Parabéns Fy,
    Adoro-te.

    Comment by Elielson — 01/11/2009 @ 2:59 AM

    • Ah!

      Também adoro vc.

      Tô aguardando!

      Bj

      Comment by Fy — 01/11/2009 @ 5:17 AM

  6. Que bom.

    Agora vou te ver!


    So don’t be afraid to let them show
    Your true colors, true colors
    Are beautiful
    Like a rainbow

    You’re beautiful
    I see your true colors

    Just remember
    If this world makes you crazy

    And you’ve taken all you can bear
    Just call me up because you know I’ll be there

    TocaYo

    Comment by TocaYo — 01/11/2009 @ 3:09 AM

    • Tocayo,

      We have so much colours, man

      All of us

      Wellcome,

      Bjs

      Comment by Fy — 01/11/2009 @ 4:41 AM

  7. Hey You: é aqui🙂 !

    TÔ chegando:

    Beijo meu ;>)

    Jack Dennis

    Comment by Dennis — 01/11/2009 @ 3:14 AM

    • Dennis,

      – All around – and around – the seven seas !!! =

      Sailor Song

      So if we all come together, we know what to do

      We all come together, just to sing we love you

      And if we all come together, we know what to do
      We all come together just for you

      Racing all around the seven seas
      Chasing all the girls and making robberies
      Causing panic everywhere they go

      Party-hardy on Titanic

      Sailing, sailing, jumping off the railing

      Drinking, drinking ’till the ship is sinking

      Gambling, stealing, lots of sex-appealing

      Come, let us sing the sailor-song

      So if we all come together, we know what to do
      We all come together, just to sing we love you
      And if we all come together, we know what to do
      We all come together just for you

      Sailorman, you really turn me on
      Now the guys are gone, come and let us get it on
      Girls like me are pritty hard to find
      So if you go, I’ll kick your Heine

      Sailing, sailing, jumping off the railing
      Drinking, drinking ’till the ship is sinking
      Gambling, stealing, lots of sex-appealing

      Come, let us sing the sailor-song

      So if we all come together, we know what to do
      We all come together, just to sing we love you
      And if we all come together, we know what to do
      We all come together just for you
      Now, let’s fight!
      Ha, that’s not aknife, this is a knife!

      I’m king of the world!

      Wow, this was great!

      Yeah, baby, you can sail my ship !!!

      Bjs

      Comment by Fy — 01/11/2009 @ 3:45 AM

  8. Hey baby,

    Dia lindo no Rio.
    Tudo vibra e cheira a vida,
    a exaltação, a regra, o livro.

    >Down a hollow to a cavern
    Where the sun has never shone

    What if our sun could (should) shine down there?!?
    Lay her/his sweet and wild face on our bare hands,
    evoking all things profane and blessed
    upon the cradle of shared dreams;
    songs unbound inside bodies reborn of words, flesh
    and tender everlasting caressings?

    Whitman:

    Give Me the Splendid Silent Sun
    by: Walt Whitman (1819-1892)

    1
    Give me the splendid silent sun with all his beams full-dazzling,
    Give me autumnal fruit ripe and red from the orchard,
    Give me a field where the unmow’d grass grows,
    Give me an arbor, give me the trellis’d grape,
    Give me fresh corn and wheat, give me serene-moving animals teaching
    content,
    Give me nights perfectly quiet as on high plateaus west of the
    Mississippi, and I looking up at the stars,
    Give me odorous at sunrise a garden of beautiful flowers where I can
    walk undisturb’d,
    Give me for marriage a sweet-breath’d woman of whom I should never tire,
    Give me a perfect child, give me away aside from the noise of the
    world a rural domestic life,
    Give me to warble spontaneous songs recluse by myself, for my own ears only,
    Give me solitude, give me Nature, give me again O Nature your primal
    sanities!

    These demanding to have them, (tired with ceaseless excitement, and
    rack’d by the war-strife,)
    These to procure incessantly asking, rising in cries from my heart,
    While yet incessantly asking still I adhere to my city,
    Day upon day and year upon year O city, walking your streets,
    Where you hold me enchain’d a certain time refusing to give me up,
    Yet giving to make me glutted, enrich’d of soul, you give me forever faces;
    (O I see what I sought to escape, confronting, reversing my cries,
    see my own soul trampling down what it ask’d for.)
    2
    Keep your splendid silent sun,
    Keep your woods O Nature, and the quiet places by the woods,
    Keep your fields of clover and timothy, and your corn-fields and orchards,
    Keep the blossoming buckwheat fields where the Ninth-month bees hum;
    Give me faces and streets–give me these phantoms incessant and
    endless along the trottoirs!
    Give me interminable eyes–give me women–give me comrades and
    lovers by the thousand!
    Let me see new ones every day–let me hold new ones by the hand every day!
    Give me such shows–give me the streets of Manhattan!
    Give me Broadway, with the soldiers marching–give me the sound of
    the trumpets and drums!
    (The soldiers in companies or regiments–some starting away, flush’d
    and reckless,
    Some, their time up, returning with thinn’d ranks, young, yet very
    old, worn, marching, noticing nothing;)
    Give me the shores and wharves heavy-fringed with black ships!
    O such for me! O an intense life, full to repletion and varied!
    The life of the theatre, bar-room, huge hotel, for me!
    The saloon of the steamer! the crowded excursion for me! the
    torchlight procession!
    The dense brigade bound for the war, with high piled military wagons
    following;
    People, endless, streaming, with strong voices, passions, pageants,
    Manhattan streets with their powerful throbs, with beating drums as now,
    The endless and noisy chorus, the rustle and clank of muskets, (even
    the sight of the wounded,)
    Manhattan crowds, with their turbulent musical chorus!
    Manhattan faces and eyes forever for me.

    -x-

    Give me the splendid silent sun with all his beams full-dazzling;
    Give me the splendid silent sun with all his beams full-dazzling;
    Give me the splendid
    Give me the splendid silent
    Give me the splendid silent sun
    Give me the splendid silent sun with all
    Give me the splendid silent sun with all his beams
    Give me the splendid silent sun with all his beams full
    Give me the splendid silent sun with all his beams full-dazzling

    beijo,
    Rodrigo.

    Comment by Mob — 03/11/2009 @ 3:10 AM

  9. Hey baby,

    Give me the splendid
    Give me the splendid silent

    Give me the splendid silent sun –

    […] there, – the sun burns crimson bright,
    And there, – the moon-bird rests from his flight
    To cool in the peppermint wind.
    Shel Silverstein

    […] and walk among long dappled grass,
    And pluck till time and times are done
    The silver apples of the moon,
    The golden apples of the sun.
    Yeats

    For you – again:

    So…

    Keep moving
    Keep changing

    Keep flowing in the sun
    Lovers rise
    Oceans rise

    [and]We rise in the sun

    Bjs Bjs

    Comment by Fy — 03/11/2009 @ 10:19 AM

  10. Hey again,

    >>and walk among long dappled grass,
    And pluck till time and times are done
    The silver apples of the moon,
    The golden apples of the sun.
    Yeats

    de onde é esse sotaque, sabe?

    bjo bjo,
    Mob

    Comment by Mob — 03/11/2009 @ 10:58 AM

  11. off

    I found this article yesterday and thought I would post it here to see what you all think.

    Ancient Human Metropolis Found in Africa

    Something amazing has been discovered in an area of South Africa, about 150 miles inland, west of the port of Maputo. It is the remains of a huge metropolis that measures, in conservative estimates, about 1500 square miles. It’s part of an even larger community that is about 10,000 square miles and appears to have been constructed — are you ready — from 160,000 to 200,000 BCE!

    The area is significant for one striking thing – gold. “The thousands of ancient gold mines discovered over the past 500 years, points to a vanished civilization that lived and dug for gold in this part of the world for thousands of years,” says Tellinger. “And if this is in fact the cradle of humankind, we may be looking at the activities of the oldest civilization on Earth.”

    I’ll be honest with you. This next part of the story is difficult to write. It’s so shocking that the average person will not want to believe it. If you are like me, you’ll want to do the research yourself, then allow some time for the facts to settle in your mind.

    We are often made to believe that the Egyptians — the Pharoahs and pyramids — are where our known history begins. The oldest dynasties go back some 3200 years BP. That’s a long time ago. But the Sumerian civilization, in what is now Iraq, is much older. What’s more, we have translated many of their history tablets, written in cuneiform and earlier scripts so we know a lot about their history and legends…

    I warned that this is difficult to believe, but please keep reading:

    http://www.viewzone.com/adamscalendar.html

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 6:33 AM

  12. Coringa,

    Que louco isto – dava até um post!!!!!!

    Vou colocar a tradução aqui:

    Algo surpreendente foi descoberto em uma área da África do Sul, cerca de 150 milhas para o interior, a oeste do porto de Maputo. É os restos de uma metrópole cujas medidas, ..por baixo…, compreendem cerca de 1500 quilómetros quadrados.
    É parte de uma comunidade ainda maior com cerca de 10.000 quilómetros quadrados e que parece ter sido construída – acredite!!!!!! – de 160.000 para 200.000 aC !!!!!!!

    [ Coringa: haja agostinhos…… incontestáveis…. por aí!!!!]

    A imagem [topo da página] É um close-up de apenas algumas centenas de metros da paisagem extraídos do google-terra.

    A região é um pouco remota e os círculos “têm sido freqüentemente encontrados por agricultores locais que assumiram terem sido feitos por alguns povos indígenas no passado. Mas, estranhamente, nunca ninguém se preocupou em perguntar sobre quem poderia tê-los feito, ou há quantos anos eles foram feitos.

    Isso mudou quando o pesquisador e autor, Michael Tellinger, uniu-se com Johan Heine, um bombeiro e piloto local que havia reparado nestas ruínas nos vários anos em que sobrevoou a região.
    Heine tinha a vantagem única de ver o número e a dimensão dessas fundações de pedra estranhas e sabia que seu significado e origem não estavam sendo observados por ninguém.

    “Quando Johan me mostrou as ruínas de pedras antigas da África do Sul,pela primeira vez,eu não tinha idéia das descobertas incríveis que faria nos próximos dois anos que se seguiram.
    As fotografias, artefatos e evidências que temos acumulado aponta inquestionavelmente para uma civilização perdida e nunca -antes-vista; e que ANTECEDE à todas as outras – não por apenas algumas centenas de anos, ou alguns milhares de anos … mas > MUITOS MILHARES DE ANOS. [!!!]

    Essas descobertas são tão surpreendentes que não serão facilmente digeridas pelo mainstream [público comum] e pela fraternidade arqueológica histórica.

    – Exigirá uma completa mudança de paradigma no modo como vemos a nossa história humana. ” –

    A área é significativa, de forma impressionante, para a extração de ouro.

    “As milhares de antigas minas de ouro descobertas nos últimos 500 anos, apontam para uma civilização desaparecida que viveu e cavou em busca de ouro nesta parte do mundo durante milhares de anos”, diz Tellinger.

    “E se este é de fato o berço da humanidade, podemos estar a olhar para as atividades da mais antiga civilização na Terra.”

    – ————————————–

    160.000 – 200.000 anos antes destes quase 2010 !!!!!!!!

    – Tem continuação?

    Bjs

    Comment by Fy — 04/11/2009 @ 7:55 AM

  13. Oi Fy,

    Tem continuação no link indicado.
    http://www.viewzone.com/adamscalendar.html

    Tb neste mesmo link, o autor apresenta sua teoria sobre as origens da humanidade, com base na história da Suméria.

    Esta é a posição no Google Earth
    25 55′ 53.28″ S / 30 16′ 13.13″ E

    Aqui tem um vídeo onde o ‘descobridor’ do sítio, passa mais algumas informações, relacionando posições de ‘pedras’ no local, com ‘calendário estelar’ (tipo Stonehenge)

    Muito massa…hehe
    🙂

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 8:17 AM

  14. complemento..

    Valeu a tradução!!🙂

    bjs

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 8:20 AM

  15. Hi baby,

    Eu dei uma olhada na Wikipédia; e acho que o sotaque é meio que uma mistura: ele viveu em vários lugares bem marcados por pronuncia diferentes.

    Hey, Poeta: – vc diz que eu pego direitinho no ponto fraco; – mas olha aí:

    – Walt Whitman, que canta a natureza com sotaque-e-tudo; desta forma tão linda, total, … é a minha música; – you know.

    Para quem não conhece este americano (panteísta como Spinoza: deus ou a Natureza : estaria em tudo, em cada manifestação que podemos perceber no universo),

    Mob, o Fernando Pessoa fez um poema pra ele [ acabei de ler isto]; – não sei qual é. Vc sabe?

    Olha só: esta passagem, esta busca … transcende::

    “Cada átomo que há em mim igualmente habita em ti.
    […] É a ânsia central em cada átomo
    […] Para retornar à sua divina fonte e origem, não importa a que distância esteja, potencialmente igual em todos os sujeitos e objetos, sem exceção.”
    – Walt Whitman

    [Esse trecho me lembrou a “sensação oceânica” a que Freud se referiu ao tratar da religião.
    E lembrou também a “will to life” de Schopenhauer, ou a “vontade” de que Nietzsche fala no “Nascimento da Tragédia”, vontade de cada coisa individuada em nosso mundo (apolínea) retornar ao “uno primordial” (dionisíaco)… > Fabio Rocha]

    E no superinesquecível: Sociedade dos Poetas Mortos : “Óh Captain! my Captain!”

    Fui à floresta, porque queria viver profundamente… …e sugar a essência da vida! Eliminar tudo o que não era vida… E não, ao morrer, descobrir, que eu não vivi.
    (Henry David Thoreau)

    Oh Capitain, my Capitain.
    (Walt Whitman, sobre Abraham Lincoln)

    As virgens que fazem muito caso do tempo
    Apanha os botões de rosa enquanto podes
    O tempo voa
    E esta flor que hoje sorri
    Amanhã estará morta.
    (Robert Herrick)

    Duas estradas divergiam em um bosque e eu segui pela menos usada. Isso fez toda a diferença. (Robert Frost) [ – lembra desta?]

    Oh eu, oh vida
    Das perguntas sempre iguais
    Dos interminaveis comboios de descrentes
    Das cidades a abarrotar de idiotas
    O que há de bom no meio disto
    Oh eu, oh vida?
    (Walt Whitman)

    Carpe diem.
    (Horácio)

    Bjs bjs

    Fy

    Comment by Fy — 04/11/2009 @ 8:41 AM

  16. Bah,
    Essa da civilização antiga é intrigante mesmo.
    A cena do planeta dos macacos, da estatua da liberdade soterrada.
    Aquilo é tacada de mestre.

    Comment by Elielson — 04/11/2009 @ 9:00 AM

  17. Mob,

    Coloca aquele vídeo que agente viu, lembra?

    aquele enorme do Pink Floyd > o comment do Elielson me lembrou e eu não acho.

    Bjs Bjs

    Comment by Fy — 04/11/2009 @ 9:07 AM

  18. Coringa:

    Tem continuação no link indicado.

    – Let’s go:

    Que papel será que o Ouro desempenhava nesta população tão densa que viveu aqui?

    O local é apenas cerca de 150 milhas de um porto excelente, onde o comércio marítimo poderia ter ajudado a apoiar uma população tão grande.

    Mas lembre-se – nós estamos falando quase 200.000 anos atrás!

    As ruínas individuais [ vale a pena clikar no site pra ver – vou até colocar de novo:http://www.viewzone.com/adamscalendar.html ] consistem principalmente em círculos de pedra.

    A maioria foi enterrada pela areia e só são observáveis por satélite ou aeronaves.

    Alguns ficaram expostos quando a areia foi removida pela mudança climática; e paredes e fundações puderam então, aparecer.

    – “Eu me acho um cara de mente aberta; mas admito que demorou mais de um ano pra cair a ficha, e sacar que estamos realmente a lidar com as mais velhas estruturas já construídas pelo homem na Terra.

    A principal razão para isso é que nós fomos ensinados que nada de relevante importância teria vindo da África Austral.

    Civilizações poderosas surgiram na Suméria e no Egito e em outros lugares.

    Dizem-nos que até o extermínio do povo Banto do norte, que supostamente deve ter começado em algum momento do século 12, esta parte do mundo foi preenchida apenas por caçadores e os chamados Bushmen, que não fizeram nenhuma grande contribuição em tecnologia ou civilização “.
    – Tellinger

    [este lance dos Bushmen > ficou engraçado! > this part of the world was filled by hunter gatherers and so-called Bushmen, who did not make any major contributions in technology or civilization.”]

    À princípio, quando os exploradores encontraram estas ruínas, imaginaram que eram currais de gado feitos por tribos nômades, tal como o os povos Bantu, que se dirigiram para o sul e se estabeleceram aí, por volta do século 13.

    Não há registro histórico anterior a isto, de qualquer civilização tão antiga e capaz de construir uma comunidade tão povoada.

    E ficou por isto mesmo, nenhum esforço foi feito em relação à descoberta, até porque o seu tamanho [e importância] era desconhecido.

    Ao longo dos últimos 20 anos, pessoas como Cyril Hromnik, Richard Wade, Heine Johan e um punhado de outros cientistas descobriram que estas estruturas de pedra não são o que pareciam ser.

    Na realidade, neste momento, acredita-se que são restos de antigos templos e de observatórios astronômicos de civilizações antigas, perdidas que remontam há “milhares de anos”.

    – Coringa: isto táficandointeressante….

    Estas ruínas circulares estão espalhadas por uma área enorme.

    Só podem ser verdadeiramente vistas pelo ar ou através das imagens de satélite. Muitas delas estão quase totalmente erodidas ou desgastadas pelo movimento do solo, da agricultura e do tempo.

    Algumas sobreviveram o suficiente para revelar seu grande tamanho, revelando algumas paredes com quase 5 metros de altura e mais de um metro de largura em alguns lugares.

    Olhando para toda a cidade, torna-se evidente que era uma comunidade bem planejada, desenvolvida por uma civilização altamente evoluída. [ 200.000 anos?]

    O número de antigas minas de ouro sugere ser esta a razão para a comunidade se localizar neste sítio.

    Encontramos estradas – algumas medindo uma centena de quilómetros – que ligavam a comunidade aos terraços de agricultura, muito semelhantes aos encontrados nos assentamentos dos Incas, no Peru. – [ istoéincrível!]

    Mas uma pergunta implora por uma resposta:

    – Como isso poderia ter sido realizado por seres humanos 200.000 anos atrás?

    —————————————–

    – Isto é bem estonteante mesmo. Xiiiiiiiiiiii, já imaginou a “remodelação” que terá que ser feita? rsrsrsrsrsrsr

    Bjs

    Comment by Fy — 04/11/2009 @ 11:10 AM

  19. Temos como referência/exemplo para ‘orientar’ a compreensão do assunto, e tentar destrinchar a questão da ‘cronologia’ na história, o livro de Michael A. Cremo Richard L. Thompson – A História Secreta da Raça Humana.

    A tese central de Cremo e Thompson é que, infelizmente, o modelo da pré-história humana, cuidadosamente elaborado por estudiosos nos últimos dois séculos, está completamente errado. É preciso que o modelo existente seja jogado pela janela e que recomecemos com a mente aberta, sem quaisquer posições preconcebidas.

    Neste livro, Cremo e Thompson vão muito além, recuando o horizonte de nossa amnésia não apenas doze ou vinte mil anos, mas milhões de anos no passado, mostrando que quase tudo que nos ensinaram sobre as origens e a evolução de nossa espécie se apóia na frágil base da opinião acadêmica e em uma amostra altamente seletiva de resultados de pesquisas. Posteriormente, os dois autores revêem os fatos apresentando todos os outros resultados de pesquisas que foram retirados dos registros nos dois últimos séculos, não porque havia neles algo de errado ou falso, mas apenas porque não se encaixavam na opinião acadêmica da época.

    Dentre as descobertas anômalas e deslocadas relatadas por Cremo e Thompson neste livro, estão evidências convincentes de que seres humanos anatomicamente modernos podem ter estado presentes na Terra não apenas há cem mil anos ou menos (a visão ortodoxa), mas até há milhões de anos, e que objetos metálicos de desenho avançado podem ter sido usados em períodos igualmente antigos.

    A questão do interesse pelo ‘ouro’, vem de longa data. Hoje, o interesse “equivalente” é o chamado ‘ouro puro monoatômico” ou ORME. Na antiguidade, a referência dá-se ao ‘Mfkzt’!

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 12:59 PM

  20. Tanto peritos como teólogos reconhecem na atualidade que os relatos bíblicos da Criação, de Adão e Eva, do Jardim do Éden, do Dilúvio ou da Torre de Babel se apoiaram em textos escritos milênios antes na Mesopotâmia, em especial escritos pelos SUMÉRIOS. E estes, por sua vez, afirmavam com toda claridade que obtiveram seus conhecimentos a respeito do acontecido no passado (muitos deles de uma época anterior ao começo das civilizações, inclusive anterior ao nascimento da Humanidade)dos escritos dos Anunnaki (“Aqueles Que do Céu à Terra Vieram”), os “deuses” da Antigüidade.

    Sabemos agora que a civilização suméria floresceu no que é agora o Iraque quase UM MILÊNIO ANTES dos inícios da época faraônica no Egito, e que ambas seriam seguidas posteriormente pela civilização do Vale do Indo, no subcontinente Índico.Também sabemos agora que os sumérios foram os primeiros em plasmar, por escrito, os anais e os relatos de deuses e homens, dos quais TODOS outros povos, incluídos os hebreus, obtiveram os relatos da Criação, de Adão e Eva, Cain e Abel, o Dilúvio e a Torre de Babel; e das guerras e os amores dos deuses, como se refletiram nas escritas e as lembranças dos gregos, os hititas, os cananeus, os persas e os indo-europeus. Como testemunham todos estes antigos escritos, suas fontes foram ainda mais antigas; algumas descobertas, outras perdidas.

    As tabuletas de argila sumérias e acádias, as bibliotecas dos templos babilônicos e assírios, os “mitos” egípcios, hititas e cananeus, e as narrações bíblicas formam o corpo principal de MEMÓRIAS escritas dos assuntos de deuses e homens. E pela primeira vez na história, este material disperso e fragmentado foi reunido e utilizado, da mão de Zecharia Sitchin, para recriar o relato presencial de Enki, as lembranças autobiográficas e as penetrantes profecias de um ‘deus’ extraterrestre(uau!)…

    …falando curto e grosso, o que está se configurando através da moderna história, antropologia, arqueoastronomia, sociologia, etc, é que O BURACO É BEM MAIS EMBAIXO (rs) em relação ao nosso passado. E realmente, precisa um bom tempo para ‘acostumar-se’ (psiquicamente) com estes indícios (e tb evidências) histórico-literárias ou mesmo científicas.

    A quantidade de material que já existe, não é pouca!

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 1:24 PM

  21. Dois trechos (curtos), como exemplo, de um documentário da Discovery, para dar uma ‘base’ ao que foi dito:

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 1:37 PM

  22. ops..os links não foram.

    Vídeo ref. a descoberta das tábuas mesopotâmicas tb relacionado a história da arca de Noé (documentário da Discovery Channel).

    http://video.google.com/videoplay?docid=3476255476660812916&hl=pt-BR

    http://video.google.com/videoplay?docid=5134825092722483389&hl=pt-BR

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 1:38 PM

  23. Coringa,

    Não veio os videos.

    Pra sair o vídeo vc tem que copiar no – incorporar – assim sai o vídeo.

    Não tenho a menor idéia pq não saiu.

    Do Sitchin, vc tá falando do Gênesis Revisitado? – eu tenho aqui. Vou ler.

    Mas tb tenho um material super legal sobre os Sumerios, vou dar uma olhada.

    Faz o comment de novo, please

    Bjs

    Comment by Fy — 04/11/2009 @ 2:16 PM

  24. Dois trechos (curtos), como exemplo, de um documentário para dar uma ‘base’ ao que foi dito:

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 2:27 PM

  25. Errei tudo, mas acho que agora vai:

    O 1°:

    http://video.google.com/googleplayer.swf?docid=3476255476660812916&hl=pt-BR&fs=true

    – Confere, please

    Comment by Fy — 04/11/2009 @ 2:48 PM

  26. Está abrindo o ‘vídeo 1’ em tela cheia (lá no google). Mas funciona.

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 2:51 PM

  27. Coringa,

    O 2°:

    http://video.google.com/googleplayer.swf?docid=5134825092722483389&hl=pt-BR&fs=true

    Confere também,

    [mto legal]

    Bjs

    Comment by Fy — 04/11/2009 @ 2:51 PM

  28. o segundo vídeo tb está funcionando (em tela cheia)

    bjs

    Comment by Coringa — 04/11/2009 @ 2:52 PM

  29. Fa,
    >Coloca aquele vídeo que agente viu, lembra?

    Comment by Mob — 05/11/2009 @ 5:41 AM

  30. Coringa,

    Hurricanes in our mind!
    Olha só:

    – Fui dar uma lida no Gênesis do Zecharia Sitchin. É estonteante. Não sei se o lugar é exato > mas justamente na região da Áfria, e em razão do “ouro” é que ele baseia toda a criação “in vitro” da raça humana.

    – Dá uma olhada aqui e repara nas Fontes do artigo:

    Passando em revista os textos escritos sobre a Bíblia e a sua fama de se constituir no Livro dos Livros, alguns comentaristas observam que muito raramente as pessoas interessadas no estudo bíblico são informadas a respeito das verdadeiras origens da Bíblia.

    A nossa Bíblia, editada pela ed. Loyola/Paulinas, se exime deste julgamento. Na sua “INTRODUÇÃO” especificaram-se as FONTES de onde jorraram o Gênesis bíblico dos textos do Antigo Testamento.

    “Ao cantarem as origens do mundo e da humanidade, os autores bíblicos não hesitaram em haurir, direta ou indiretamente, das tradições do antigo Oriente Próximo.

    As descobertas arqueológicas de aproximadamente um século para cá mostram que existem muitos pontos comuns para as primeiras páginas do Gênesis e determinados textos líricos, sapienciais ou litúrgicos da Suméria, da Babilônia, de Tebas e de Ugarit.

    Este fato nada tem de estranho quando se sabe que a terra em que Israel se instalou era aberta às influências estrangeiras e que o “povo de Deus” manteve relações com os seus vizinhos”.

    O relacionamento da parte histórica da Bíblia hebraica com as fontes do Gênesis também explica o porque de algumas modificações, cortes e “enxertos” feitos nos textos originais,

    Os escribas bíblicos sem servilismo algum em relação aos originais da Bíblia, adaptaram-se em função das tradições específicas do seu povo “enfatizando a fé javista”.

    No que tange aos antepassados de Israel, os relatos são de origem popular e familiar e ressaltam a cultura vigente na época.

    Retratam o Deus que caminha com eles quando dos sus deslocamentos constantes e lhes promete tudo o que lhes é necessário à vida. [!?!]

    “O Gênesis possibilita à teologia “enraizar a vida dos indivíduos e das nações” na vontade amorosa de Deus que se revelou a Abraão”.

    Abraão nasceu em Ur, capital da Caldéia, situada no território que hoje é denominado Iraque, a antiga Shumer-Suméria. Seu pai provinha de família abastada e exercia funções sacerdotais numa época em que a religião e a ciência andavam de mãos dadas.

    Assinam esta Bíblia:

    D. Luciano Mendes de Almeida
    Presidente da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos Brasileiros)
    Arcebispo de Mariana

    Glauco S. de Lima – Bispo Primaz da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil
    Presidente do Conselho Nacional de Igrejas Cristã

    Visitando o Acervo do Museu Britânico

    Henry Layard, numa expedição arqueológica realizada há mais de um século, descobriu as ruínas da Biblioteca de Assurbanipal em Nínive-Mesopotâmia (Iraque).

    Os arqueólogos franceses haviam conseguido uma série de estrondosas vitórias no campo da arqueologia e a Inglaterra não podia ficar na retaguarda.

    Com o seu sucesso, Layard recebeu o título de Sir. Na tradução das tabulas e barras descobertos por Layard na Biblioteca de Assurbanipal, uma grande surpresa: algumas barras contavam a lenda da criação “quase” que de forma idêntica à do Gênesis bíblico.

    Anteriormente, outros textos mesopotâmicos já descobertos mostravam que havia um gritante paralelo nos textos que “precediam” algumas das partes contidas nas Sagradas Escrituras bíblicas.

    No ano de 1872, Eberhard Schräder escreveu um livro a respeito desta descoberta: Die Keilschriften und das alte testament (Os Escritos à Pena e o Antigo Testamento).

    Uma verdadeira biblioteca de livros respondeu a esta publicação bem como debates, conferências e artigos que preencheram a vida dos estudiosos durante meio século.

    À descoberta de Layard, barras partidas, mas muito legíveis, seguiu-se uma publicação feita por George Smith do Museu Britânico em 1876 – The Chaldean Genesis – (A Gênesis Caldéia) um texto acádio escrito no dialeto babilônico antigo contando a história de um deus que havia criado os céus, a terra, o próprio homem e tudo o que existia no planeta.

    No museu de Londres um folheto para visitantes conta estes fatos e mais, narra a euforia de Smith quando se cientificou a respeito do conteúdo das barras e de que possuía, em mãos, aquelas preciosidades.

    Esquecido da presença dos colegas, Smith arrancou as suas roupas e rodopiou seminu pela sala, como que enlouquecido de alegria e emoção, espantando a provecta assembléia de sábios tradutores presentes.

    Outro funcionário graduado do Museu publicou a sua versão do texto em meio à enxurrada de livros e comentários a respeito da importante descoberta: L. W. King dá o nome de “The Seven Tablets of Criation” (As Sete Barras da Criação) ao seu autorizado texto.

    A sexta barra da criação é dedicada ao descanso de Deus e a sétima “à exaltação da divindade babilônica, Marduk, e de suas realizações”.

    Hoje, estes textos estão denominados como “A Epopéia da Criação”, mas na antiguidade se chamavam Enuma Elish, o texto mais antigo da humanidade, palavras que iniciam a história da criação, segundo as barras: >>> sumério babilônicas.

    Enuma Elish la nabu shamamu.
    Quando nas alturas o céu não fora nomeado.

    Shaplitu ammatum shuma la zakrat
    E embaixo, solo firme (terra) não fora chamado.

    No século 17 James Ucher de Armagh, irlandês e arcebispo. Tomando como base os versos iniciais do Gênesis bíblico, calculou o momento exato da criação aos 23/10 e às 9 horas da manhã do ano de 4004 a.C. Bíblias mais antigas registram esta cronologia nas suas margens embora muitos dos crentes soubessem e pusessem fé em que a terra e o sistema solar, de onde a terra é parte, fossem muito mais velhos.

    O criacionismo surgiu da interpretação, às vezes ao pé da letra, dos versos do Gênesis bíblico e iniciou a sua batalha contra o evolucionismo sem prestar a tenção no acervo que havia sido descoberto há mais de um século pelo arqueólogo inglês Sir Henry
    Layard na Biblioteca de Assurbanipal. Esqueceram-se também dos livros de L. W. King, George Smith do Museu Britânico e de Ebehard Shäder.

    O teólogo Ronald S. Hendel, tido por Hershel Shanks – Presidente da poderosa “Biblical Arqcheological Review/Bar” como brilhante, fazendo a exegese de um dos Manuscritos do Mar Morto/Qumran (Caverna 4) diz textualmente: “Se quisermos um relato ainda mais antigo sobre os Filhos de Deus (texto – Quando os Filhos dos deuses se divertiam com as Filhas dos Homens) devemos procurar fora da Bíblia Hebraica”.

    A origem deste conceito – Filhos de deus – pode ser buscada nas tradições cananitas do século 14 a.C., gravadas em escrita cuneiforme em placas de argila, como acontece com muitos outros elementos das tradições religiosas de Israel.

    “Descobertos em 1928 na antiga cidade de Ugarit, no litoral sírio, esses textos proporcionam uma riqueza de informações sobre a sociedade, a religião e as tradições narrativas de Canaã, no período anterior ao nascimento de Israel.

    No panteão destas tradições, Deus é El, aquele que anulou a imortalidade conquistada pela raça humana antidiluviana, enviando um dilúvio fenomenal sobre a Terra”.

    Os fenícios deixaram inscrições datadas do século 8 a 7 a.C. e numa inscrição amonita do século 9 a.C. recentemente descoberta em Amã-Jordânia, encontramos os “bene Lim” os descendentes de El.

    Alguns dos comentaristas lembrados por nós chegaram então, a mesma pergunta: porque não se aceitam os relatos do Gênesis bíblico, originários da aurora da humanidade, como possíveis relatos científicos transformados em MITOS? Porque não se estuda mais profundamente o legado da antiguidade?

    “Os redatores do Gênesis bíblico usaram as FONTES que a ciência da sua época lhes indicou ouvindo os descendentes de Abraão – nascido de uma família sacerdotal de Ur, então, capital da Suméria”.

    Os mitólogos afirmam que “nos mitos é guardada a sabedoria de cada época”.

    http://www.jornalinfinito.com.br/

    Bibliografia:

    – Ver W.G.Lambert “The Theology of Death” em “death in Mesopotâmia, B. Alsten, ed (Copenhague: A Kademisk, 1980) pp. 54-58.

    – Baseadas as restaurações no épico de Gilgamesh, placa 10, coluna 6, linhas 28-32, onde a sentença divina sobre a mortalidade humana é anulada.

    – Para compreender os Manuscritos do Mar Morto – Hershel Shanks – editora Imago

    – Gênesis Revisitado – Zecharia Sitchin – ed. BestSeller

    – Várias monografias sobre a Mesopotâmia – Internet

    – Folheto ilustrativo para visitantes editado pelo Museu Britânico – Londres, Inglaterra

    – As Quatro Faces de Deus – Joseph Campbell

    Continuo no próximo…

    Comment by Fy — 06/11/2009 @ 7:03 AM

  31. Quando nas alturas o céu não fora nomeado.

    Yes.

    E embaixo, solo firme (terra) não fora chamado.

    Yes.

    Os mitólogos afirmam que “nos mitos é guardada a sabedoria de cada época”.

    Yes.

    Fy, permita-me viajar na maionese aqui no seu espaço.😀

    O que é o chão sem as palavras chão, baixo, gravidade, peso, e a pior de todas… inferno. O que é o céu sem a palavra céu, altura, antigravidade, leveza, e a pior de todas… Paraiso.
    Ache qualquer pedra de roseta, que a nós será util no que diz respeito ao processo civilizatório, mas nada dirá o suficiente, mesmo que fale sobre os elementos primordiais segundo a crença cientifica (rs) dos que legaram a construção cognitiva a posteridade. Pois a posteridade vê no passado um encontro de rios com a cognição atual, como um elo perdido, sendo que a própria idéia de elo é um fragmento temporal, assim como a idéia de posteridade e passado tbm nascem de uma classificação temporal, mesmo que a própria idéia temporal seja exclusividade desse plano. As leituras leem o caos, e as vidas estão adequadas ao conjunto de sensações fornecidas no instante. Os instantes saudosistas buscam na memória as causas das marcas na natureza, a causa vivente acumula a experiência que lembra do fato, podendo esperar ou não o efeito, mas no encontro de causas reina o caos, o efeito é conclusão da vontade, e toda causa é uma vontade, clara ou não, chegando em sua conclusão, pode, perante a motivação, parecer vã.
    Daí que o entrave social esbarra na esperança de encontros miraculosos com culturas resolutivas, isto supõe que nosso potencial esteja adormecido esperando um beijo do principe encantado.
    As contrações independem do sacrificio esteril, muito pelo contrário, elas dependem do ser para estar, dependem do que determina para determinarem.
    Só parece obvio que o curso começa na nominação e termina na concordância quando presenciamos os cultos ilógicos substituirem a real necessidade de união para fortificação de grupos. Mas mesmo a ciência tão bem fundamentada nos numeros, supondo que levada a posteridade através de repasses caóticos, poderá dar falsos motivos de união para longinquos especimes que poderão precisar dela para se unirem, ou serem unidos por algum espertinho do futuro, que transformando em mito tudo que não é facilmente explicavel, dará a ciência de hoje a chance de se adaptar a uma cultura mais aloctone do que a nossa. Mas pode ser que muitos livros estivessem jogados no que é chamado de paraiso, livros em formas de pedra, livros em forma de vento, livros em forma de vontade…

    Comment by Elielson — 06/11/2009 @ 8:38 AM

  32. Elielson:

    Fy, permita-me viajar na maionese aqui no seu espaço.

    Meu nada: nosso!

    e foi feito mesmo pra gente viajar.

    “Mas pode ser que muitos livros estivessem jogados no que é chamado de paraiso, livros em formas de pedra, livros em forma de vento, livros em forma de vontade…”

    “and…What is the use of a book – thought Alice, without pictures or conversations?”
    Alice in Wonderland Lewis Carrol

    …ou serem unidos por algum espertinho do futuro, … > Elielson

    Olha só, que loucura estas conclusões do Zecharia – levando em conta que o cara é um erudito, consultor da Nasa, e blablablá; – dá uma lida aqui: – vou colar pq não consigo linkar lá no Jornal Infinito :

    Vida surgida do barro

    O “Centro Ames de Pesquisas da Nasa” foi o responsável por um pronunciamento dos seus cientistas a respeito desta idéia em abril de 1985 (Mountainview/California). Entretanto, ela só foi pronunciada publicamente em Outubro de 1977 na Conferência do Pacífico sobre química, pelo chefe da equipe de cientistas do Centro Ames, James A. Loweless.
    A idéia dizia respeito ao barro das praias dos mares antigos, tão importantes para o surgimento da vida na terra. “Supondo-se que simples aminoácidos (os componentes químicos de construção das proteínas) e os nucleotídeos (substâncias químicas de construção dos genes) que já tenham se desenvolvido na “sopa prebiótica”, no mar, começarram a se formar em cadeias quando depositados no barro que continha traços de matais como o níquel ou o zinco, secando depois”.
    Os cientistas pesquisadores haviam descoberto o seguinte: “Os traços de níquel eram seletivamente mantidos só para os 20 tipos de aminoácidos comuns a todos os viventes, os traços de zinco, na lama, ajudavam a ligar os nucleotídeos, o que resultou em um composto análogo a uma enzima – DNA polimerase – que une partes de material genético em todas as células vivas”.

    Ano de 1985 – Os cientistas do Centro Ames anunciam descobertas substanciais nesta pesquisa: as duas propriedades básicas da vida, estavam contidas no barro: capacidade de estocagem e a habilidade de transferir energia. Nas condições primevas essa energia podia ter sido proveniente, principalmente, do declínio radioativo.
    A energia estocada no barro o teria transformado em um pseudo-laboratório químico processando as matérias primas inorgânicas em células mais complexas.

    Armim Weiss – Universidade de Glasgow – afirma que experiências haviam demonstrado que os cristais de barro pareciam se reproduzir de um cristal genitor – um fenômeno primitivo de reprodução. Graham Caims Smith – Universidade de Glasgow – faz a sua afirmação de que os proto-organismos inorgânicos no barro foram envolvidos na direção ou realmente atuarem como molde do qual eventualmente se desenvolveram os organismos vivos.

    Foi a vez de Lelia Coyne opinar. Ela chefiava a equipe de pesquisas da Nasa. A sua declaração esclareceu que a capacidade do barro em estocar e transmitir energia era devida a certos erros na formação dos seus cristais; os defeitos, na microestrutura do barro eram usados como depósitos de energia de onde se emitiam os comandos para a formação dos proto-organismos.

    Coyne, química da Nasa, descobriu também, que o barro transmite a radiação promotora da vida como resultado do que ela chamou de “gentler process”. Leila Coyne e a sua colega Noam Lahab – Universidade Hebraica de Israel – demonstraram que a secagem e o umedecimento do barro em vários ciclos eram necessários para que ele pudesse atuar como catalisador na formação das cadeias de aminoácidos.

    A descoberta de que o barro pode estocar e transferir energia – algumas vezes sob a forma de radioatividade – foi demonstrada por Coyne e Lahab durante os seus experimentos, provando que o barro emite luz ultra violeta quando molhado com líquidos orgânicos (usaram parte de kaolin molhada primeiramente e depois, procederam à secagem com um agente químico secante) ou água.
    Leslie Orgel, mesmo diante das novas evidências, ironicamente exclamou: “ A maioria das pessoas que trabalham com a origem da vida, provavelmente, votará na “sopa fora da moda”…..

    O The New York Times comenta:
    “Aparentemente o barro comum possui duas propriedades básicas essenciais à vida. Pode estocar energia e, também, transmiti-la. Portanto, os cientistas concluem que o barro poderia ter atuado como um fator químico para transformar matérias primas inorgânicas em moléculas mais complexas. Dessas últimas surgiu a vida – e um dia, nós. É o que a bíblia afirmou há tanto tempo, e por barro o gênesis se referia à poeira do solo, obviamente do que o homem é formado. O que não é tão óbvio é o fato de frequentemente repetirmos isso uns aos outros sem saber”.

    Bibliografia
    – O Gênesis Revisitado –Zecharia Sitchin, erudito e consultor da Nasa – ed. Best Seller
    – Internet, vários artigos sobre o assunto e sobre os seus pesquisadores.
    – Evolution: A Theory in Crisis – Michael denton – ed. Adler & Adler

    Coringa,

    – olha este pedacinho do Gênesis Revisitado, a reportagem dá descoberta na África q vc colocou – estas notícias aí em cima, teus outros comments – e veja, a Maionese, como bem diz o Elielson:

    – Os orientalistas e estudiosos da bíblia já sabem que a redação e o resumo que os compiladores do livro do Gênesis fizeram foram baseados em textos bem mais antigos e detalhados, primeiro escritos em SUMÉRIO.

    Estes textos, revistos e muito citados em “O 12° Planeta “ –[também do Zecharia Sitchin]- com todas as fontes de informação – relegam a Criação do Homem aos ANUNNAKI.

    Em longas descrições como o Atra Hasis, sabemos que “os soldados rasos astronautas” que vieram à Terra para MINERAR OURO acabaram se rebelando.

    O trabalho estafante de mineração no SUDESTE DA ÁFRICA – tinha ficado insuportável.
    – pg 166 : GÊNESIS REVISITADO – Zecharia Sitchin –

    ————————————————————————

    – poisé… justamente por causa desta dificuldade é que resolveram, através de uma série de experimentos, “produzir” uma espécie que pudesse fazer este trabalho, por eles. – taí, Elielson.

    Isto tudo está descrito no tal : Atra Hasis e em textos sumérios ainda mais antigos.

    – Olha lá: [ voltando p/ o livro:]

    “ Dê vida a um ser, crie trabalhadores!
    Crie um Trabalhador Primitivo
    Para que ele possa suportar o jugo!
    Que ele carregue o jugo imposto por Enlil,
    Que o Trabalhador suporte a fadiga dos deuses.”

    – Até a bíblia começar a relatar a genealogia de Adão como pessoa específica, o livro do Gênesis refere-se a ele apenas como > “o Adão” > mas queria dizer > “o terráqueo” > que é o verdadeiro sentido da palavra: vindo da raiz ADAMAH : a Terra.
    Mas trata-se também de um jogo de palavras: DAM significa especificamente: SANGUE – e reflete, como veremos adiante, o modo de “manufaturar” o Adão.

    O termo SUMÉRIO para designar o homem é “LU”.

    Mas sua raiz não significa: “ser-humano” > mas sim: > “ TRABALHADOR : SERVIDOR” – quando aparece como componente de nomes de animais significa que são “domesticados”.

    Na liguagem ACADIANA do Atra Hasis >>> de onde vieram todos os idiomas semíticos >>>>, o recém-criado chamou-se LULU : que também significava “MISTO” em sentido mais profundo. Era, portanto, outra referência à origem de Adão: o “terráqueo” ou “FEITO DE SANGUE”.

    Muitos textos de argila da Mesopotâmia, encontrados em diferentes estados de conservação e fragmentação, foram revistos depois da edição do “O 12° Planeta” – assim como os “mitos” de criação de outros povos do Velho e do Novo Mundo.

    Todos eles registram um processo envolvendo a mistura de um elemento divino a um terrestre.

    Geralmente o “elemento divino” é descrito como uma “essência” derivada do sangue de um deus, aliada a um elemento terrestre como “argila”, ou barro.

    Não há dúvida que todos tentaram contar a mesma história porque todos falam do Primeiro Casal.

    A origem certamente é SUMÉRIA, e nessas narrativas encontramos descrições elaboradas e detalhadas a respeito do feito maravilhoso: >>> a mistura dos “genes divinos” dos ANUNNAKI aos “genes terrestres” do Homem Macaco.

    Foi a fertlização in vitro, em tubos de ensaio [ tem ilustração!!!!: encontradas….} – como sugere a ilustração de um selo cilíndrico. Como venho repetindo desde que a ciência moderna conseguiu igualar o feito, ::: “Adão” foi o 1° bebê de proveta… – Genêsis Revisitado: pg 169

    ————————————————-

    – são horríveis estas ilustrações encontradas em que eles desenham os primeiros resultados destas experiências…. até chegar no que eles queriam ou precisavam.

    – Hurricanes… sem dúvida.

    Lulu é mto! rsrsrsrsr

    Bjs

    Bjs

    Comment by Fy — 06/11/2009 @ 10:27 AM

  33. Caramba, não é curiosíssimo tudo isto, Fy? E tem mais ‘barro’ na história, rs.

    Popol Vuh, bíblia do povo maia:
    O livro sagrado que sobreviveu ao colonizador espanhol, publicado no Brasil, tb chamada de a ‘Bíblia da América’.
    Mais que o livro sagrado dos maias, o longo poema Popol Vuh passou à história como um precioso documento nativo da Mesoamérica do século 16. A primeira tradução integral do Popol Vuh, ficou a cargo do antropólogo e professor Sérgio Medeiros.

    “Como na Bíblia, também o primeiro homem foi criado de BARRO, a exemplo de Adão. E não deu certo(!). Não podia inclinar a cabeça, andar, reproduzir e, principalmente, falar(!). Para o Popol Vuh, quem não fala está morto e por isso os deuses abandonam o ancestral do homem, partindo para uma nova experiência, igualmente malograda…” (uau!)

    Até na China rola barro na história (rs)

    DOS DEUSES E IMPERADORES CELESTIAIS
    Relatos sobre a mitologia de uma grande enchente(!) que varreu a terra, deixando apenas Fu Xi e sua esposa Nuwa para sobreviver. Eles teriam fugido para as montanhas Kunlun (Tibet)… Os “Senhores dos Céus”, aprovaram que ‘eles’ criassem uma nova civilização. A fim de acelerar a procriação ou a criação de seres humanos, eles encontraram uma maneira de usar o “BARRO” para criar figuras humanas e, por algum processo miraculoso, poder-se-ia fazer estas figuras de barro ganharem vida(!). Fu Xi governou sobre seus descendentes por 115 anos e viveu 197 anos.

    obs: Então, também existe ‘inundação’ global na mitologia chinesa…tipo Noé, etc. Esta história lembra muitas outras “mitologias” de um dilúvio global, especialmente os bíblicos/sumérios. A história da terra, tendo sido ‘inclinada’ e causado inundações, também é encontrada em algumas lendas dos índios das Américas. E para aqueles que acham estranho que a argila tenha desempenhado qualquer papel na criação dos seres humanos, alguns cientistas estão descobrindo, de fato, o papel de barro nas origens da vida.

    É incrível como povos tão distantes, contam histórias tão semelhantes, não?

    Mas que é uma ‘viagem legal’ na história (ou na maionese…rs) é, não é? Pelo menos, pessoalmente, considero super curioso e interessante…abs!
    🙂

    Comment by Coringa — 06/11/2009 @ 1:48 PM

  34. E falando tbm em Cosmos de Carl Sagan, aquela cena em que ele mistura os componentes quimicos humanos em um recipiente é demais. Pq dificilmente um professor teria paciência para apresentar o experimento, levando-o da teoria a pratica. E aquilo me fez pensar no sopro divino e nos encantamentos possiveis para que a vida permeasse aqueles elementos. E a palavra encantamento tbm é uma referência ao mito da sedução que recria o homem, atualmente estão em toda parte, o que por um lado é bom, já que dividindo as tendências fascistas os fascinoras não mandam todo mundo pro precipicio, ou pelo menos para o mesmo precipicio.
    Há uma possibilidade de que a razão humana em completude seja o resquicio de uma outra coisa, que se desenvolveu até virar razão.
    Os primórdios diferiram em sentimentos e dominaram as coisas acessiveis.
    O coração alheio é acessivel.
    A mente alheia é acessivel.
    Mas ao criar o dominio do acessivel perdeu o dominio sobre a verdade, pertencendo então ao impulso, impulsionado conforme impulsionava. A permanência molda, mas a vontade na permanência guia parte da moldagem. E no amorfo as coisas que tendem são a vontade individual que escolhe estar de acordo com a plenitude ou de acordo com outra vontade individual, disfarçando-se na forma inicial do processo de dominio.
    A sugestão tbm dá forma, que o diga o arquetipo biométrico que faz a tendência pré-designar bem e mal. Seria mais ou menos como aceitar definições sociais sobre moda, bom gosto, e modelos desviados para uma retidão tão torta que forma um circulo.
    É como um respeito querendo escravizar, que fazem da liberdade individual um crédito com juros baixos, e no excesso de leis a liberdade a mais, que aprisiona a todos.

    Comment by Elielson — 06/11/2009 @ 10:54 PM

    • Muito legal, Elielson:

      >”É como um respeito querendo escravizar, que fazem da liberdade individual um crédito com juros baixos, e no excesso de leis a liberdade a mais, que aprisiona a todos”.

      Lembrei-me do ESTATUDO DO HOMEM:

      Artigo primeiro
      Fica decretado que agora vale a verdade. Agora vale a vida, e de mãos dadas marcharemos todos pela vida verdadeira.

      Artigo segundo.
      Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais cinzentas, têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

      Artigo terceiro.
      Fica decretado que, a partir deste instante, haverá girassóis em todas as janelas, que os girassóis terão direito a abrir-se dentro da sombra; e que as janelas devem permanecer o dia inteiro, abertas para o verde onde cresce a esperança.

      Artigo quarto.
      Fica decretado que o homem não precisará nunca mais duvidar do homem. Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar, como o ar confia no campo azul do céu.
      Parágrafo único:
      O homem confiará no homem, como um menino confia em outro menino.

      Artigo quinto.
      Fica decretado que os homens estão livres do jugo da mentira. Nunca mais será preciso usar a couraça do silêncio nem a armadura de palavras. O homem se sentará à mesa com seu olhar limpo, porque a verdade passará a ser servida antes da sobremesa.

      Artigo sexto.
      Fica decretado que a maior dor, sempre foi e será sempre, não poder dar amor a quem se ama, e saber que é a água que dá à planta o milagre da flor.

      Artigo sétimo.
      Fica permitido que o pão de cada dia, tenha no homem o sinal de seu suor. Mas que sobretudo, tenha sempre o quente sabor da ternura.

      Artigo oitavo.
      Fica permitido a qualquer pessoa, qualquer hora da vida, uso do traje branco.

      Artigo nono.
      Fica decretado por definição, que o homem é um animal que ama e que por isso é belo, muito mais belo que a estrela da manhã.

      Artigo décimo.
      Decreta-se que nada será obrigado nem proibido, tudo será permitido, inclusive brincar com os rinocerontes e caminhar pelas tardes, com uma imensa begônia na lapela.
      Parágrafo único.
      Só uma coisa fica proibida : amar sem amor.

      Artigo décimo primeiro.
      Fica decretado que dinheiro não poderá nunca mais comprar o sol das manhãs vindouras. Expulso do grande baú do medo, o dinheiro se transformará em uma espada fraternal, para defender o direito de cantar e a festa, do dia que chegou.

      Artigo final.
      Fica proibido o uso da palavra liberdade, a qual será suprimida dos dicionários , do pântano enganoso das bocas. A partir deste instante, a liberdade será algo vivo e transparente como um fogo ou um rio, e a sua morada será sempre o coração do homem.

      (Thiago de Melo)
      Este texto foi escrito em Santigo do Chile, em abril de 1964, e dedicado a Carlos Heitor Cony

      Comment by Coringa — 07/11/2009 @ 6:20 AM

      • Correção:

        ‘Lembrei-me do ESTATUTO DO HOMEM’

        Comment by Coringa — 07/11/2009 @ 6:22 AM

  35. Fy
    Gostei tanto daqui que resolvi começar pelo começo…rs🙂

    E passei a tarde inteira aqui, com o seu primeiro post…
    Um verdadeiro moinho ficou na minha mente.

    “Como os círculos que você encontra
    Nos moinhos de vento de sua mente.”

    Os comentários são igualmente ricos e dá para mergulhar infinitamente em cada um…
    Lembrei-me quando estudei sobre o Homúnculo e sobre os quatro elementos.
    Walt Whitman, Sociedade dos Poetas Mortos…Acho uma delícia poder se permitir entrar nesse moinho…mentes, universos, palavras…e cair nessa espiral eterna.

    Beijos

    Comment by Thaís — 04/04/2010 @ 2:34 PM

  36. é NOSSO,

    e sabe… seja o que e o quanto vc quiser!

    Bjs

    Fy

    Comment by Fy — 05/04/2010 @ 10:31 AM

  37. I have recently started a blog, the info you provide on this website has helped me tremendously. Thank you for all of your time & work. “Men must be taught as if you taught them not, And things unknown proposed as things forgot.” by Alexander Pope.

    Comment by source phoenix review — 25/11/2014 @ 10:18 PM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: