windmills by fy

03/12/2009

JACK : the ego

Filed under: Uncategorized — Fy @ 10:49 AM

 

Eu sou obrigada a dizer que  …  o meu Ego : me persegue.

Me persegue, me percebe, e me encontra aonde for  que eu esteja ou me esconda  !


 

 

Melhor dizendo : não des-gru-da !

– ego pra cá … e  … ego pra lá –




 

Quantas e mais quantas  conclusões conflitantes nos bastidores

deste tão discutido making-off  da ” dissolução do tal do Ego ”   :  à qualquer preço, qualquer divã e à qualquer fé !!!!


–  mesmo as ” conclusões ”  mais  afetadas, rebuscadas, …

aquelas que pertencem aos   mais … privilegiados intelectualmente   >  não-ter-ego :

– simplesmente: –  não-ter-ego –  é  “essencialmente” : sofisticado e  urgente …


– Se voce ainda tem , ou não tem ; ou não sabe se tem …

> anyway :  it’s a completely   fuckedselfsituation , baby. >

– But …  don’t give up !     :



>   no google existem bilhões de sugestões; desde a Opus Dei

até o ultimo lançamento  * delicioso *  da Ego Facto : 50 ml por  59 € : Chez Marionnaud –

e voce com certeza vai encontrar a melhor forma  de esganar seu ego ,

– à escolher:



 

> desde feng-shui , exorcismo , silícios , prosac e derivados , regimes , shoppings ,  despachos , sal grosso aromatizado ,

spas: – entre com ego e saia sem –

e mais trilhões  de técnicas infalíveis de meditação    – olha  só :



Faça um Fengshui em seu armário: e jogue o Ego fora.

Excelente distração pra aquelas tardes chuvosas,  que o namorado tá longe e a TPM pertinho…

….  – claro > para o Ego feminino ; ;

– mas existem métodos masculinos , também:


 

Be Strrrong , Man !

Don ‘ t lose this fight  with your ego !



 

 

 

 

Outras interpretações  caíram no obscuro  proselitismo  religioso , promovendo Jack : the Ego

ao status de :  pecado original > é um tal de pecado ou espécie de estigma*

que algumas seitas consideram ” natas ” no ser – humano  –

e-ou embolaram os outros 7ouseilámaisquantosmil – ” pecados “,

que são capitais e descapitais  e, entruncham tuuuuudinho no Jack .  oh man : – forte > ele !


* [  Goffman (1993, p. 11) faz referência ao uso da palavra “estigma”pelos gregos , definida como :  ”  signos corporales ,

sobre los cuales se intentaba exhibir algomalo y poco habitual en el status moral de quien los presentaba  ” .

O estigma era a marca de um corte ou uma queimadura no corpo e significavaalgo de mal para a convivência social . ]



 

Fiquei mesmo indecisa entre :   Jack The Ego

ou

Ego The Ripper .



 

 

 

Aí então… –  o processo é punk mesmo:


sem  passar pela morbidez  ritualística  da tortura , via crucificação…. do   “ Jack ”  :

não te-re-mos salvação : ou seja : só nos resta a condição de  “ meros-mortais ” :

desiluminados  ….  vitimados por nossa obscura e ínfima condição de humanóides .



 

– oh lord: so dark …  so dark  …



 

 

– Ah …  , mas acaba sendo até  divertido , é ou não é …  –   constatar ,  que   “parecer”   original   é um cacoete  chatinho ,  chatinho .

–  …  até na velha bíblia , o tal do  pecado :  é o-ri-gi-nal .  sempre .


 

 

Bytheway…   : –  for everyone :


 

 

 

 

IF  … you …

believe in Life :

in normal Life :


– Hey ,  can you hear me ? stupid human !

–  save your self  !  you have an ego ! !!!

– Don’t you feel it ?

 

 

and … Be fast !    >  take the red-eye from  the terrible    Slavesofgod City and

let your ego  there …   … in  some  desert [ ? ]

but …  ” don’t forget ” :



First….

Find a  mi-se-ra-ble desert  !

And  then …  you…  can take your boarding pass to Divine Illumination !

 

 

Seja obssessivo ! :  elimine  este  decadente e letal   Ripper  pós moderno .



 

 

Pois é …

certos conceitos  sempre se apresentam como originais , mas esquecem que muitas vezes esta busca pela originalidade

os coloca dentro de outro grupo : a  ” Tribo dos Originais ”  –  que adoram fazer tudinho … igual ;

– dão um toquezinho no  redial …  e esperam alguma voz … diferente …


E , aiaiai –  quanto mais se esforçam em esforços e esforços …  para se estabelecer ,

menos originais se tornam  e mais cópias fazem ; eis então que surgem os clichês ,

… multicoloridos – pra disfarçar o repetido amarelo cansadinho …  malhadinho … e envelhecido .


E nada mais clichê , do que ideias clichês  [ e elas existem aos montes, expulsando toda a originalidade, toda a a criatividade ] .


 

 

Depois de ouvir trocentas mil serventias para o tal do Ego ,

que com certeza é o maior marqueteiro que eu conheci ;

–  Me : my Ego : my Self and I ,  and everything I’m ,  resolvemos bem juntinhos,  dar uma refrescada nesta idéia .



– Mas … uma refrescada ” original ” > no sentido de erudita > real  –  e   ” não-adaptada ” pelo ponto de vista do fregues

ou ” manipulada ” pelas neuroses pessoais de cada um.


 

 

Neste ensaio ,

– meio …. comprido –  também meio amarelado   –   Doutor Jung : [ sómente ele > e escrito pelas suas próprias mãos ]

depois de 25 anos de experiência em Psicanálise , > 25 anos de dedicação praticamente integral ,

doutor Jung – repito –  esclarece  a …

tantas vezes , equivocada … compreensão :    Dr. Jekyll and Mr. Hyde   >   que seus leitores , …devotos  e  “seguidores”

” conseguem ” elaborar através de suas conclusões desvairadas > made – in- bathroom  or  in-Kitchen  .


Devo lembrar também , que ao terminarem a leitura , não há necessidade de gritarem em côro ,

o  tradicional   ALELUIA  – Aleluia !

– e nem espiralarem num histérico e inenarravel  momento de samadi-ilumination.


 

 

Entre vários assuntos < normais >    –  que eu não tive a coragem pretenciosa de dividir   –  em nome da   integridade erudita , mesmo sendo um texto longo,

Jung  fala sobre suas conclusões about Ocidente X Oriente  Philosophies

– além da necessária existência do Ego independente da geografia,

 

 

–  Ahhhh  …    – além do que … e é sempre muito bom , uncle Jung ,

ler o que “Você”  assina .

[ mesmo não sendo preciso concordar com suas opiniões

e  sabendo também ,  que é possível distorcê-las ou espremê-las

até que o caldo se transforme em qualquer clichê – esquizo : de mil e uma utilidades… ]



 

 

 

–  Go on :



 

 

– Um comentário de Jung onde  ele analisa pontos de vista orientais e ocidentais , e enumera algumas das funções do ego :



 

 

A Psicologia trata todos os anseios e reivindicações metafísicos como fenômenos mentais e os considera como enunciados sobre a mente e a sua estrutura ,

derivadas basicamente de algumas disposições inconscientes .


Ela não os considera absolutamente válidos , ou mesmo capazes , de expressar uma verdade metafísica .

Não temos meios intelectuais de averiguar se esta atitude é certa ou errada .

Sabemos apenas que não existe nenhuma evidência bem como nenhuma possibilidade de comprovação da validade de um postulado metafísico como o da

existência de uma Mente Universal .


Se a inteligência afirma a existência de uma Mente Universal , sustentamos que ela está meramente fazendo uma afirmação .

Não supomos que com esta afirmação se estabeleça a existência de uma Mente Universal .

Não existe nenhum argumento contra este raciocínio , mas nenhuma evidência , também , de que a nossa conclusão esteja basicamente correta .

Em outras palavras , é também possível que a nossa mente não seja nada mais do que uma manifestação perceptível da Mente Universal .


No entanto não sabemos , nem mesmo podemos perceber , como seria possível reconhecer se é assim ou não .

 

 

A Psicologia , portanto , sustenta que a mente não pode estabelecer nem afirmar nada além de si mesma .

Portanto , se aceitamos as restrições impostas à capacidade de nossa mente , demonstramos o nosso pensamento comum .

Admito que seja quase um sacrifício , porquanto nos despedimos daquele mundo maravilhoso

no qual as coisas e os seres criados pela mente se movem e vivem .


Este é o mundo do primitivo :

onde até mesmo os objetos inanimados são dotados de vida,

de força curativa e de poder mágico , “ através dos quais eles participam de nós e nós deles . ”

Mais cedo ou mais tarde , tivemos que entender que o seu poder era  , na verdade , >  nosso ,

e que seu significado era uma projeção de nós mesmos .


 

 

A Teoria do Conhecimento é apenas o último passo ao sairmos da infância da humanidade  :

um mundo onde as figuras da mente povoavam um céu e um inferno metafísicos .


Apesar desta inevitável crítica epistemológica , “no entanto”,   persistimos…  ,

na crença religiosa de que o “órgão da fé” capacita o homem a conhecer Deus .


Dessa maneira , o Ocidente desenvolveu uma Nova Doença : a do Conflito entre a Ciência e a Religião .


 

 

 

A filosofia crítica da Ciência tornou-se ,  por conseguinte , metafisicamente negativa   –

em outras palavras : materialista – com base num erro de julgamento :


–  afirmou-se a matéria como sendo uma realidade tangível e reconhecível .  –


No entanto , este é um conceito considerado completamente metafísico pelas mentes não-críticas.


A Matéria é uma hipótese . !

Quando se diz  “Matéria”, na verdade está-se criando um  “símbolo”  para alguma coisa desconhecida ,

que tanto pode ser o  “espírito”  quanto outra coisa qualquer : pode até mesmo ser deus .


 

 

A Fé Religiosa ,  por outro lado ,  recusa-se a abandonar a sua Weltanschauuung* pré-crítica .

* [   Weltanschauung    > é uma palavra de origem alemã que significa literalmente visão do mundo ou cosmovisão . Ela é adotada regularmente em diversas línguas com este significado. Pode ser usada para descrever a maneira como uma pessoa enxerga o mundo , a imagem que ela faz da vida e dos homens .  – Outro sentido no qual é empregada é :  o de uma imagem do mundo que lhe é imposta , isto é :  uma ideologia .   Suas origens etimológicas remetem ao século 18 . ]

Em contradição à pregação de Cristo , os crentes tentam permanecer crianças em vez de se tornarem como as crianças .

Eles se agarram ao mundo da infância.

Um famoso teólogo moderno confessou , em sua autobiografia , que Jesus tem sido o seu bom amigo “ desde a infância ” !

e Jesus é o exemplo perfeito de um homem  que pregou algo diferente da religião de seus antecessores .

Mas a tal imitatio christi…. parece não incluir o sacrifício mental e espiritual que ele

teve de suportar no início de sua carreira e sem o qual jamais teria se transformado em  “ salvador ” .


 

 

 

O conflito entre Ciência e Religião é ,   na realidade  ,  um … desentendimento … entre ambas .


 

 

 

 

 

O materialismo científico introduziu uma  “nova”   hipóstase* …  e isto é …  um ” pecado”   intelectual .

Ele deu outro nome ao princípio supremo da realidade , acreditando que com isto , criava uma coisa nova e destruia a antiga .



 

 

 

 

 

Hipóstase* : designa um equívoco cognitivo que consiste na atribuição de existência concreta a uma realidade fictícia,

abstrata, >  presente apenas na razão humana .


 

 

 

Quer se chame o princípio da existência de deus ,  matéria , energia , ou qualquer outro nome que se queira :

nada se cria : simplesmente muda-se o símbolo .

 

 

O materialista é um místico …  malgrè lui* .   [ * malgrado seu , apesar de si mesmo]


 

 

Por outro lado ,   a fé tenta reter uma condição mental primitiva em bases meramente sentimentais   :


Ela reluta em abandonar a relação primitiva e infantil que mantém com as figuras criadas pela mente e nela hipostasiadas :

 

 

 

 quer continuar a desfrutar da segurança e da confiança de um mundo ainda presidido por pais poderosos …  responsáveis … :


 

quiçá  … bondosos .


 

 

 

 

A fé pode implicar um sacrificium intellectus

– “ contanto que haja um intelecto para sacrificar ” –

mas com certeza não um sacrifício de sentimento.

 

Deste modo [ … ]  , os crentes “ permanecem ” crianças ao invés de   >  “ se tornarem como crianças ”  ,

e ,   “ não ganharam a sua vida : pois … não … a  perderam ” . [ uma alusão à Jesus ]


Além disso , a Fé entra em choque com a Ciência   [ até hoje …]

e , assim :


 

a Fé  :  fica desamparada , pois se recusa a compartilhar da aventura espiritual da nossa época .

[ – Não abre  mão de sua patente: ]

 

 

 

 

 

 

 

Qualquer pensador honesto tem de admitir a insegurança de todas as posições metafísicas e , em particular , de todos os princípios .

Tambem tem de admitir a natureza indefensável de todas as afirmações metafísicas e admitir ainda

que não existe nenhuma evidência , seja lá qual for , para que a habilidade da mente humana possa se deter pelas próprias amarras ,

isto é possa estabelecer qualquer coisa transcendental .


O Materialismo é uma Reação Metafísica contra a súbita percepção de que o Conhecimento é uma faculdade mental e ,

se levado para além do plano humano :  uma Projeção .


 

A reação foi metafísica no que concerne ao homem de educação filosófica média ,

que fracassou em enxergar através das Hipóstases Implícitas ,

sem perceber que a Matéria era apenas outro nome para designar o princípio supremo .


Como contraposição , a atitude da “ fé ” mostra o quanto as pessoas relutaram em aceitar a crítica filosófica .


 

 

 

Isto também demonstra como é Grande o Medo de se soltar o ponto de apoio das seguranças da infância

e mergulhar num mundo estranho e desconhecido :


 

 

regido por forças   [ completamente ] indiferentes ao homem :


 

 

 

Nada muda realmente nos dois casos  –  Ocidente e Oriente  –  : o homem e sua ambivalência permanecem os mesmos .

Ele tem apenas de perceber que está fechado dentro de sua mente e não pode ir além dela  , nem mesmo na loucura ,


 

 

 

 

e que a aparência do seu mundo ou dos seus deuses depende em muito da sua própria condição mental :


Em primeiro lugar  :


a   estrutura da mente é  responsável por qualquer coisa que possamos afirmar sobre assuntos metafísicos , – como eu sempre observei.


 


 

 

 

 

 

 

Também começamos a entender que o Intelecto não é um  ens per se – ou uma faculdade mental independente –

mas uma Função Física , dependente das condições da Psique , de forma geral .


 

Um enunciado filosófico é o Produto de uma determinada personalidade : > que vive em um determinado tempo e em um  espaço ,

e não o Produto de um procedimento puramente lógico e impessoal .


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sob este aspecto , é sobretudo SUBJETIVO :

– ter ou não ter validade objetiva   >  depende do maior números de pessoas que argumentem da mesma forma –  . [ … ]


 

 

 

 

O isolamento do homem no interior da sua mente , como resultado da crítica epistemológica , levou naturalmente à crítica psicológica .

A Psicologia Ocidental reconhece a Mente como função da Psique .

É a “mentalidade” do Indivíduo.

Uma Mente Universal Impessoal ainda está por aparecer na esfera da Filosofia ,

onde parece ser > um “ resquício da alma ” humana original –

Este quadro , do ponto de vista ocidental , pode parecer um tanto drástico , mas não acho que esteja longe da verdade .


 

 

Seja como for, algo parecido se apresenta logo que nos confrontamos com a mentalidade Oriental .


 

 

No Oriente a mente é um Fator Cósmico , a própria essência da existência

 

 

 

 

Enquanto no Ocidente nós apenas acabamos de compreender que ela é

a Condição Essencial de Cognição e , por conseguinte : > da existência cognitiva do mundo.


 

 

 

No Oriente não existe Conflito entre Religião e Ciência :

porque lá não existe nenhuma Ciência baseada na “ paixão pelos fatos ”

e nenhuma Religião “ posta acima da simples fé ”  –

existe o   Conhecimento Religioso   e  a    Religião Cognoscitiva  .

[ neste parágrafo Jung ressalta que está deixando de lado o Oriente modernizado : propositalmente] .


 

 

Entre nós , ocidentais o homem é incomensuravelmente diminuto    …    ….

e a tal da  “graça de deus” é   >  tudo .     [ ? ]


 

 

mas , no Oriente , o homem é deus , e ele se redime a si mesmo .


 

Os deuses do Budismo tibetano pertencem à esfera da ilusão separativa e das projeções criadas pela mente ,

no entanto , eles existem ; mas no que concerne a nós , uma ilusão permanece sempre uma ilusão ,

e , dessa forma , não representa absolutamente nada .


É um paradoxo , muito embora verdadeiro , que entre nós um pensamento não tenha realidade própria ,

nós o tratamos como se nada fosse .


Muito embora o pensamento seja verdadeiro em si mesmo ,

sustentamos que ele existe somente em virtude de certos fatos que se diz formular .


Podemos produzir um fato grandemente devastador , como a bomba atômica ,

com o auxílio desta sempre  “ mutante fantasmagoria ”   de pensamentos  “ virtualmente não existentes ”  mas ,

nos parece absurdo que alguém algum dia possa determinar :  a realidade do próprio pensamento .


 

 

A   “ realidade psíquica ”    é um aspecto controverso  –  assim como a psique ou a “ mente ” .

Nestes termos , alguns entendem a consciência e os seus conteúdos ,

outros consentem na existência de representações   “ obscuras ”   e   “ subconscientes ” .

Alguns incluem os instintos no domínio psíquico , outros os excluem .

A grande maioria considera a psique como resultado dos processos bioquímicos das células cerebrais , etc

Alguns identificam a “Vida” com a Psique .

Mas só uma minoria inexpressiva considera o fenômeno psíquico como uma categoria  per se e chega às necessárias conclusões .

É realmente paradoxal que a categoria da existência ,

o indispensável sine qua non de toda a existência  , isto é ,  a psique ,

devesse ser tratada como se fosse somente uma meia-existência .


 

 

A existência psíquica da qual temos conhecimento imediato ,

pois   Nada   pode ser conhecido a menos que antes apareça como:  Imagem


 

 

Sómente a existência psíquica é imediatamente verificável .

Na medida em que o mundo não assume a forma de uma imagem psíquica ele é virtualmente :  não-existente .


 

 

 

Este é um fato que , com raras exceções ,  – como por ex , na filosofia  de Schopenhauer ,  o Ocidente ainda não compreendeu completamente .

Mas Schopenhauer foi influenciado pelo Budismo e pelos Upanishads .

 

 

 

Qualquer pessoa que tenha um conhecimento prático da depreciação de mutuados valores existentes entre

Introversão e Extroversão entenderá o conflito emocional entre o ponto de vista do Ocidental e o Oriental .

Para quem conhece um pouco da Historia da Filosofia Européia , a amarga disputa acerca dos  “ universais ” ,

que começou com Platão ,  proverá um exemplo  instrutivo .

Não pretendo entrar em todas as ramificações desse conflito entre Introversão e Extroversão .


 

 

– Mas devo mencionar os aspectos religiosos do problema :


 

 

– O Ocidente Cristão considera o homem como totalmente dependente da graça de  “Deus”  ou, pelo menos,

considera a Igreja, como:  instrumento terreno excusivo e divinamente sancionado da  “ redenção  [ ? ]  do homem ”  .


 

 

– O Oriente , no entanto ,  insiste que o Homem é a causa única do seu elevado desenvolvimento , pois acredita na  Auto-Liberação .


 

 

O ponto de vista religioso sempre expressa a formula e atitude psicológica essencial e seus preconceitos específicos

até mesmo em pessoas que esqueceram detalhes de sua religião .


 

 

 

O   Ocidente é completamente cristão no que concerne à sua psicologia.

É válida a máxima de Tertuliano – anima naturaliter christiana – para todo o Ocidente –

não , como ele pensou , no sentido religioso , mas : no sentido psicológico .

” A Graça ”   vem de   “ alhures ”     –

de qualquer forma : vem de  “ fora ”  .

Qualquer outro ponto de vista é pura   “ Heresia ” .


 

 

 

Em consequência  , é totalmente compreensível o motivo pelo qual a psique humana suporta   a  :  Subestimação .


 


 

 

 

Qualquer um que ouse estabelecer uma Conexão entre a psique e a idéia de Deus

é imediatamente acusado de “ psicologismo ”

ou suspeito de um “ misticismo doentio ” . [ ou seja : afirmar que  psique e a idéia de deus > são a mesma coisa ]


 

 

 

 

O   Oriente , pelo contrário, tolera   com compaixão  esses   “ estágios espirituais inferiores ”  , onde o homem ,

ainda se preocupa com o Pecado e Tortura sua própria  imaginação com uma crença em deuses absolutos,

os quais , se ele pudesse olhar mais profundamente , nada mais são do que véus ilusórios tecidos pela sua própria mente inculta .


 

 

 

A psique ,  para tanto , é de grande importância ;


> é o Sopro que-a-tudo-penetra , a essência de Buda ; é a Mente de Buda , o único  –  o Dharma-Kaya .

Toda a existência imana dele e todas as formas separadas nele se dissolvem , de novo.

 

 

Esta é a condição psicológica básica que permeia o homem oriental em todos os seus pensamentos ,

sentimentos e atos , seja lá qual for o seu credo .


 

 

Da mesma maneira :


 

 

o homem ocidental é cristão , seja lá qual for a denominação de sua cristandade :


 

 

Para ele o homem   [ ele mesmo ]   é pequeno no seu íntimo  :   é quase nada …


 

 

 

 

…   além disso , como diz Kierkegaard ,   “ diante de deus ”   : o homem está SEMPRE errado .

? ]

!

 

 

Por medo

arrependimento,

promessas,

submissão,

humilhação própria,

bons atos e louvores;

ele  “ ganha

as boas graças dessa  “ grande força ” :

que   Não   é ele mesmo ,  mas um Totaliter Aliter   –   o Outro Absoluto :

“ Fora de nós ” e  Perfeito  !   : ao mesmo tempo : a Única Realidade .


 

 

 

 

Mudando-se um pouco a fórmula e trocando-se a palavra  Deus por alguma outra força  > ou palavra  –  por ex :


o  “ Poder ”  ou , o   “ Dinheiro ”     [  ou  Ditadura  >  ou ….. ]

tem-se um quadro completo do homem  [condicionado]  ocidental :


diligente – temeroso – devoto – humilde – empreendedor – cobiçoso –

violento na procura dos bens ….deste mundo: riquezas – saúdes – conhecimento –

domínio técnico – bem estar público – poder político –

conquistas e assim por diante .


 

 

Quais são os grandes movimentos populares do nosso tempo ?


Tentativas de se apoderar do dinheiro ou das propriedades dos outros e de proteger o que é nosso .

A mente é empregada principalmente em tramar :   “ismos”   convenientes para esconder os motivos reais ou providenciar mais pilhagens .

 

 

[– Será que alguém , em sã consciência pode discordar destes fatos ?

enumere: cristianismo –  feudalismo – islamismo – judaísmo – comunismo – nazismo – castrismo – lulismo – etc – que eu não lembro agora ]


 

 

 

Abstenho-me de descrever o que aconteceria ao oriental se ele se  esquecesse do seu ideal de Budidade ,

pois não desejo ter uma prerrogativa assim tão desleal para os meus preconceitos ocidentais .

Mas não posso deixar de levantar esta questão :


A diferença entre ambos é tão grande que não se pode perceber nenhuma possibilidade razoável de que tal coisa aconteça ,

menos ainda recomendá-la .

Não se pode misturar Fogo e Água .


 

 

 

A atitude oriental refuta a ocidental e vice versa .

Não se pode ser um bom cristão e se redimir ,

nem se pode ser um Buda e adorar a Deus .


 

 

Através de um inevitável decreto do destino , o Ocidente está se inteirando dos fatos peculiares da Espiritualidade Oriental .

 

É igualmente   ” útil ”   subestimar estes fatos ou criar pontes falsas ou traiçoeiras sobre divergências tão profundas .


 

 

Em lugar da aprendizagem decorada das técnicas espirituais do  Oriente ,

imitando-as de uma forma completamente cristã:   – à la: – imitatio Christi! – com uma força de atitude correspondente,

seria bem mais apropriado  “ descobrir”   se existe na  tendência inconsciente e introvertida

” esse ”  >  [ Cristo ]  que se tornou o “ princípio espiritual orientador ” do Oriente  –


Deveríamos então,  estar na posição de criar em nosso próprio terreno e com nossos próprios méritos.

 

 

Se arrebatamos tais coisas diretamente do Oriente ,

simplesmente satisfazemos a nossa ganância ocidental :

confirmando uma vez mais que “  tudo o que é bom está fora de nós ” ;

… por esta razão é que isto tem que ser procurado e bombeado para dentro das …  nossas almas estéreis. …


[  this is : Jung  > made by  his mind and written by his own hands.]


 

 

 

Parece-me  que nós , na verdade ,

aprendemos  alguma coisa do Oriente quando entendemos que a Psique contém riquezas suficientes sem necessitar de provisões externas

e   quando nos sentimos capazes de nos expandir com ou sem a graça divina .


 

 

A atitude oriental viola os valores especificamente cristãos e é inútil ignorar este fato .

“Se”  a nossa atitude for genuína …, isto é :  crescida na nossa própria história ,

ela deve ser adquirida com a total consciência dos valores cristãos … e do conflito entre eles e a atitude introvertida do Oriente .

Devemos alcançar os valores do Oriente por inclusão e não por exclusão , procurando-os em nós mesmos , no inconsciente .


 

 

 

Descobriremos , então , como é grande o nosso Medo do Inconsciente e como são tremendas as nossas resistências .


 

 

Por causa destas resistências , duvidamos exatamente do que parece óbvio para o Oriente , isto é :


 

 

do poder auto – liberador da mente introvertida .


 

 

Esse aspecto da mente é praticamente desconhecido do Ocidente, embora constitua um dos mais importantes componentes do inconsciente.


 

 

Muitas pessoas negam de forma categórica a existência do inconsciente   ou então  :

dizem   [ e ” pregam ” ! ]    que ele consiste apenas em:  

instintos  ou conteúdos reprimidos ou esquecidos que antes já fizeram parte de mente consciente .

[ sombras – abismos – terrores – : massacrante ]


 

 

É certo supor que aquilo que o Oriente chama de  “mente”  tem mais a ver com o nosso “ Inconsciente”

do que com a mente como nós a entendemos, que é , mais ou menos , como semelhante ao Consciente:


 

Para nós o Consciente é inconcebível sem um Ego :  é igualado à relação de conteúdos de um Ego .

Se não existe nenhum Ego , não existe ninguém para ter consciência de alguma coisa .

 

 

Por conseguinte ,   >  o Ego é indispensável ao processo consciente .


 

 

A mente oriental , no entanto , não tem nenhuma dificuldade em conceber uma Consciência sem Ego .

A mente oriental , no entanto , é considerada capaz de transcender a sua condição de Ego ;

na verdade  nas suas formas  mais elevadas , o Ego desaparece por … completo .


 

 

Para nós , uma tal condição mental , desprovida de Ego ,  > só pode ser Inconsciente

pela simples razão de que não haveria ninguém para testemunhá-la .


 

 

Eu não duvido da existência de estados mentais que transcendem o consciente .

Mas eles devem a sua consciência exatamente ao mesmo grau que transcendem o consciente .

[ aqui , ele deve ter se sentido óbvio – ahahah – pensocácomigo ]

.

 

Não posso imaginar um estado mental consciente que não se refira a um sujeito , >  isto é : a um Ego .

 

O Ego pode ser despotencializado  –  despido , por exemplo , da sua consciência do corpo  –

mas …  , conquanto exista consciência de alguma coisa ,

deve existir alguém que dela tem consciência .

 

 

 

O Inconsciente , no entanto , é uma condição mental da qual nenhum Ego tem Consciência .

Somente por intermédio de modos imediatos , e ,

indiretamente ,

de forma contigente nós nos tornamos Conscientes da existência de um Inconsciente .


 

 

 

Podemos observar a manifestação de fragmentos inconscientes da personalidade ,

destacados da Consciência do paciente durante a : Loucura .


 

 

Mas não há nenhuma evidência de que os conteúdos inconscientes

sejam relacionados a um centro inconsciente análogo a um Ego ;

na verdade ,

existem bons motivos para que um tal centro nem mesmo seja provável .


 

 

Em comparação com outras raças  –  os chineses , por exemplo  –

o equilíbrio mental do Homem Branco ou , para dizer claramente :  o seu cérebro , parece ser o seu ponto fraco .


Naturalmente nós tentamos nos afastar tanto quanto possível da nossa fraqueza ,

um fato que pode explicar a espécie de extroversão que sempre está à procura de segurança pelo domínio do seu meio .


A extroversão anda de mãos dadas com a desconfiança da interioridade do homem ,

se realmente existe alguma consciência dela .

Além do mais , nós todos tendemos a subestimar as coisas das quais temos medo .

Deve haver uma razão qualquer para a nossa convicção absoluta

de que nihil sit in intellectu quod non antea fuerit in sensu , que é o lema da extroversão ocidental .

Mas , como enfatizamos , esta extroversão é psicologicamente justificada

pelo fato VITAL de que a compensação inconsciente está : além do controle do homem .


 

 

Sei que a ioga vangloria-se de ser capaz de controlar até mesmo os processos inconscientes ,

de forma que nada pode acontecer na psique , como um todo , que não seja regulado por uma consciência suprema .

Não tenho a menor duvida de que tal condição é mais ou menos possível .

 

Mas é apenas possível ao preço de se tornar idêntica ao inconsciente.

 

Tal identidade é o equivalente oriental do nosso fetiche ocidental da  “ objetividade completa ”  :


 

>  a subserviência maquinal a um objetivo , a uma “idéia” ou a uma “causa”    –  [ entenda-se religião tb ]  – ,

a custo de perder todos os traços de vida interior.

Do ponto de vista oriental , essa objetividade completa é aterradora , pois sugere completar a identidade com o Sangsãra ,


Para o Ocidente ,  por outro lado , o Samãdhi nada mais é que um insignificante estado de sonho .


 

 

No Oriente, a interioridade do homem sempre teve o firme controle do homem externo:


–  de forma que o Mundo não teve chance nenhuma de separá-lo das suas raízes internas –


 

 

No Ocidente , o homem externo ganhou ascendência de tal forma que foi alienado do seu ser mais íntimo .


A Mente Única, a Unidade, o Ilimitado, e a Eternidade permanecem como PRERROGATIVAS do : Deus Único :

[ e …:]

O   HOMEM tornou-se   PEQUENO   –   FÚTIL    e    ESSENCIALMENTE    ERRADO .


 

 

 

” Acho ” que está ficando claro, pelo meu argumento, que os dois pontos de vista, embora contraditórios, têm cada um , a sua justificação psicológica  …


 

 

 

O resultado é que : nos seus extremismos ,   ambos perdem uma metade do Universo :

suas vidas são desligadas da realidade total e estão prontas a se tornarem artificiais e desumanas .


 

 

 

No Ocidente  > há uma mania de “ objetividade ” ,

o ascetismo do cientista ou do corretor de valores ,

que põem de lado a beleza e a universalidade da vida por um ideal : nem tão ideal assim ,

mas pelo objetivo a alcançar.

–  [  the heaven : anyway ] –


 

 

No Oriente  > há a sabedoria , a paz , o desligamento e a inércia de uma psique que retornou às suas origens obscuras ,

deixando para trás todo o sofrimento e a alegria da existência tal como ela é e ,

presumivelmente , … deveria ser .


 

 

Não é de admirar que a unilateridade produza formas muito similares do Monasticismo

em

AMBOS OS CASOS ,

garantindo ao eremita , ao homem santo , ao monge ou ao cientista uma inabalável singularidade de propósito .


 

 

 

Não tenho nada contra a unilateridade como tal .

O homem, o grande experimento da natureza, ou o seu próprio grande experimento,

está evidentemente autorizado a fazer todos estes empreendimentos :  >  se puder suportá – los !

[ !!! ]


 

 

 

Sem a unilateridade o espírito do homem não poderia se  > desdobrar em toda a sua DIVERSIDADE .


 

 

Mas … ,  não creio que exista qualquer mal em  “ tentar entender ”  ambos os lados ….

 

A tendência extrovertida do Ocidente

e

A tendência introvertida do Oriente

têm um importante propósito em comum :

ambas empreendem esforços ‘desesperados’

[ de – ses – pe – ra – dos ]

….

para conquistar :

a  Simples Naturalidade  da  Vida .

Carl Gustav Jung


 

Comentário de C. G. Jung em:

THE TIBETAN BOOK OF THE GREAT LIBERATION

W.Y.EVANS-WENTZ

Este livro foi publicado em 1954, época em que Jung comemorava  ”  54 anos de carreira

desde que se tornou interno  na Clínica Psiquiátrica Burgholzli , em Zurique .

Para maiores esclarecimentos, ler também: aqui e  aqui .

Eu acho muito importante  – e muito muito bom frisar e frisar – que isto foi escrito por Jung : e está fielmente  exposto … sem adaptações ou interpretações neuróticas.

E … com todo o sarcasmo que a paciência do óbvio lhe permitiu , me pareceu bem clara , a sua sábia conclusão de quanto são vazias de sentido   estas buscas estranhíssimas e desvairadas do ser-humano, em busca de apenas : ser humano.

 

 

I take my hat for

YOU

uncle Jung !

by Fy

10 Comments »

  1. Gostei muito do texto, Fy!! Faz pensar, e muito, sobre toda esta “bagagem cultural” que, por vezes ou muitas vezes, tornam-se ‘obsessões’ indecifráveis/irreconciliáveis/intermináveis…verdadeira masturbação mental…e ainda sem gozo…rs

    obs: dei boas risadas com esta passagem:
    “– Se voce ainda tem, ou não tem; ou não sabe se tem … > anyway: it’s a completely fuckedselfsituation, baby.”
    kkkk

    Bjs

    Big Lion😛

    Comment by Coringa — 03/12/2009 @ 2:34 PM

  2. Hi Coringa,

    Olha , desde que eu lí aquela reportagem que você me indicou no NY times; grande parte dos absurdos que eu tenho ouvido, se esclareceram.

    Eu acho, que nesta fase da vida, praticamente 10 anos antes de morrer, Jung já tava um pouco cansado de tanta exploração no Inconsciente e com um pouco de saudade da Vida.

    “Os mortos olharam com desprezo e disseram:

    – Pára de nos falar de deuses, de demónios e de almas.
    Sabemos há muito a essência de todas essas coisas”
    Carl Gustav Jung
    Sete Sermões aos Mortos

    “Não posso lhe dizer como é um homem que goza de uma
    completa auto-realização, NUNCA VI
    NENHUM…
    …Antes de buscar a perfeição, devemos
    viver o HOMEM COMUM, sem mutilação”
    Jung

    Que insensato eu fui!
    Como me esforcei para forçar todas as coisas a harmonizarem-se com o que eu pensava que devia ser…
    Carl Gustav Jung

    e pra nós, BigLion, que participamos daquela guerra santa i-na-cre-di-tá-vel, este terrorismo psicológico em torno do ego ou do inconsciente, ou de nossa “pequenês” ocidental, tornou-se,creio eu, não só repulsivo, como perfeitamente reconhecível.

    Nossa, até lembrei do Fellini – qdo disse que tinha um filho de 4 anos e que aquilo tudo tava fazendo mal pra ele. – Lembra?

    Enfim, ditadura é ditadura; seja religiosa, psicológica, ou moral.

    E neste comentário, eu acho que Jung coloca bem nítidamente sua crítica ao excesso de materialismo ocidental e ao excesso de abstração oriental.

    Eu nem acreditei quando achei este livro aqui em casa: coisas da minha mãe.

    … eu peguei, há um tempo atrás, um comment do Guako, que ainda quero fazer um post: – olha só:

    – Mob, lembra também ? – foi lá no Anoitan:

    Filósofos querem corpos sem órgãos.

    Religiosos querem espíritos sem corpos.

    Cientistas querem probabilidades em detrimento de possibilidades.

    Se há uma coisa que todo monista, gnóstico, filósofo, religioso merecia nesse nosso período de transição é terem as pernas e braços cortados, pois vivem na e pela mente apenas.

    Isto é negar a vida integral por temor ao tempo.
    Don Guakito

    Bjs

    Comment by Fy — 04/12/2009 @ 12:44 AM

    • Coringa,

      esqueci: eu estou completamente fascinada por aqueles sites que voce postou no SDM sobre indução mental.

      O Guako começou e voce arrematou, sabe quais são?

      Eu fui dar uma olhada e um me levou a outro … e mais outro… – sério aquilo.

      Tô traduzindo e quero fazer um post.

      Se vc tiver mais alguma coisa, me ajuda.

      Bjs

      Comment by Fy — 04/12/2009 @ 12:48 AM

  3. “Jung já tava um pouco cansado de tanta exploração no Inconsciente e com um pouco de saudade da Vida.”

    “Enfim, ditadura é ditadura; seja religiosa, psicológica, ou moral.”

    “..excesso de materialismo ocidental e ao excesso de abstração oriental.”

    “Isto é negar a VIDA integral por temor ….”

    É isso aí, Fy!!🙂

    bjs

    Comment by Coringa — 04/12/2009 @ 2:46 AM

  4. Fa,

    O galo cantando de galo consigo mesmo é uma imagem perfeita.
    Repara que no final o espelho se estilhaça.

    bj bj,
    Mob.

    Comment by Mob — 04/12/2009 @ 1:14 PM

  5. Qualquer pensador honesto tem de admitir a insegurança de todas as posições metafísicas e, em particular, de todos os princípios.
    …………………………………………………………………

    Bom😀

    Tipo, baseando-se no risco de ser ou não ser, é ou não é.

    Comment by Elielson — 05/12/2009 @ 12:57 AM

    • Elielson,

      Tipo, baseando-se no risco de ser ou não ser, é ou não é.

      E pobre de quem não se arrisca!

      e de quem não sabe da insegurança de que é feita a segurança.

      Bjs

      Comment by Fy — 08/12/2009 @ 3:55 AM

  6. Oi Fy e cia….! demorei uns dias pra ler esse seu post… hehe

    Nao ia nem comentar nada, porque só estou aprendendo aqui c/ vocês…!

    bj

    Comment by Caio — 10/12/2009 @ 9:59 AM

  7. I take my hat for YOU uncle Jung !

    e eu, pra você, Fy.

    passei por aqui.

    Comment by passeiporaqui — 03/05/2010 @ 7:40 AM

  8. Free Japan

    You made some decent points there. I regarded on the internet for the difficulty and located most people will go together with together with your website….

    Trackback by Free Japan — 19/09/2014 @ 7:08 AM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: