windmills by fy

19/03/2010

Jesus … lost in time

Filed under: Uncategorized — Fy @ 4:11 PM

 

 

 

 

Sobre Glauco

 

por Marcia  Tiburi

 

 

Ceres Almeida é psicóloga e frequenta a oficina de escrita criativa que tenho junto com o Evandro Affonso Ferreira.

Ontem, a propósito de um exercício envolvendo o autor Giorgio Manganelli, ela nos trouxe este texto que, a meu ver, é uma visão radiografada do evento da morte de Glauco que perturba a nós todos.

Quem curtia a arte de suas tiras e charges ficou mal, quem não sabia que ele era um artista bacaníssimo também ficou triste demais, afinal era um homem de bem tentando melhorar o mundo em que vivia.

Eu achei tão lúcido o que a Ceres escreveu; é como se ela tivesse percebido uma espécie de mito que estruturou o acontecimento infeliz de sua morte.

Como psicóloga – e uma escritora de talento real – ela percebeu o lugar do assassino e sua dor que, nós mesmos, pessoas-aí, não podemos compreender nem com todo o esforço de nossas interpretações.

 

 

Eis o texto da Ceres:

 

 

O rapaz vestido com jeans, olho arregalado, arma na mão, precisa fazer anunciação à mãe, que é ele, seu filho, o próprio Jesus, que nasceu grande, barbudo, de Maria distante.

Ninguém lhe diz quem é, só que não é quem pensa que é.

 Quem é, pouco se sabe, pouco se sabe se faz milagres, se cura gente, se faz defunto levantar.

Jesus das Travas e das Trevas busca três magos e estrela guia prá nascer grande na Santa Igreja do Céu de Maria.

 Proclama em voz alta Eu sou a Mentira, o Descaminho, a Morte, quem me perseguir, morrerá, nascendo se morre para a morte eterna, amém.  

 

 

 

 

 

 

 

De todos os magos da Santa Igreja, o primeiro lhe chegou como quem quer conversar, o segundo lhe chegou como quem quer brigar, o terceiro foi aquele que com ele compactuou.

 Fez milagre, meteu bala em dois magos, mostrou seu poder, Maria haveria de saber.

 Foi perseguido, preso e acusado e está sentado do lado esquerdo de deus pai, Juiz de direito, por quem há de ser julgado entre vivos e mortos.

 Em seu martírio, Judas-Jesus, o rapaz de jeans, profere solene sua oração.

 Mãe minha que estás não-sei-onde, beatificado seja seu filho, criador de céus e infernos, olhai por mim, o renegado, agora e na hora do meu julgamento. Aquém.

 

 

 

 

 

 

Segundo relato das testemunhas o rapaz de jeans estava transtornado e delirava.

Ele estava armado com pistola automática e faca na mão.

 Um homem tentou negociar com ele e chegou a ser agredido.

De acordo com alguns, este homem não reagiu.

No meio da discussão, porém, o filho deste homem chegou ao local. Em seguida, o rapaz de jeans atirou contra pai e filho, mas os motivos ainda não foram esclarecidos.

Os dois chegaram a ser atendidos no hospital, mas não resistiram e morreram.

O rapaz de jeans sorri atrás das grades, em nome do Pai e Filho mortos,

 ele a Encarnação do Espírito Santo.

Amém.

 

 

****************************************************************

 

 

Como o próprio Jung ressaltou, é necessário afastarmo-nos dos arquétipos,

diferenciarmo-nos deles, livrarmo-nos do seu poder.

Ele chamou esse processo de individuação.

E, novamente, concordo inteiramente com ele sobre esse ponto.

Devemos nos afastar dos arquétipos junguianos.

Ken Wilber

Excertos da entrevista de Ken Wilber à jornalista alemã Edith Zundel (do livro Grace and Grit – Graça e Determinação)

Tradução de Ari Raynsford

 

 

 

 

Para completar, por enquanto, hoje até um daimista já sabe que não pode dar daime a quem teve problemas psiquiátricos.

Não sabem apenas que não podem também áqueles propensos a ter, ainda sem saber.

Pois bem, então eles dizem que não pode misturar remédio psiquiátrico com daime…

E os “espertos” então simplesmente PARAM seus remédios psiquiátricos.

Então, na roda do daime, como na do Glauco, você pode ter gente bem biruta que ainda por cima está sem medicação, esperando a cura do daime.

Maluco sem controle, sem remédio.

E a esses, em vez de medicar, o padrinho dá um chá alucinógeno.

Depois leva um tiro e nãõ sabe porquê…

Lázaro Freire

em:    Saindo da Matrix

 

Fy

 

 

19 Comments »

  1. Forte.

    Eu acho a Marcia uma das poucas e das mais inteligentes cabeças da televisão.

    e tambem acho que depois que tiraram o daime do seu devido lugar e começaram com este lance viral de igreja pra cá e pra lá,a coisa virou punk-panicum sim.cara bom,o Glauco.coisa louca!triste.

    beijos procês,
    Ju

    Comment by Juliana — 20/03/2010 @ 4:20 AM

    • Coisa louca e triste.

      E eu que queria tanto tomar Daime…. quebrou o encanto.

      Depois te passo o blog dela. Genial de bom.

      Bj

      Fy

      Comment by Fy — 20/03/2010 @ 10:50 AM

  2. Fy
    To dando espaço:mas num sei porque sai apertado assim.
    Beijo

    Comment by Juliana — 20/03/2010 @ 4:22 AM

  3. Instituto de Glauco vai à Justiça contra acusações de xamanista
    Publicidade
    RICARDO FELTRIN
    Secretário de Redação da Folha Online

    O Cefluris, instituto ambiental daimista ao qual pertence a igreja Céu de Maria, fundada por Glauco, decidiu mover ação criminal contra Emiliano Dias Linhares, 46, ex-PM, conhecido como Gideon Lakota. Ele mantém uma comunidade xamânica em Pariquera-Açu (litoral sul de SP), é inimigo declarado do Cefluris e publicou em seu site uma mensagem com o título “Glauco e Filho -Queima de Arquivo!”.

    Em mensagem, vídeos postados no YouTube e em um livro, Linhares afirma que o Cefluris e seus líderes são “narcotraficantes” e que utilizam drogas como crack e cocaína em seus rituais. Ele aponta a Céu de Maria como um desses locais. Em entrevista gravada, de Brasília, Linhares, 46, reafirmou todas as denúncias e disse que estava “fornecendo provas para a Polícia Federal sobre os negócios” da ONG daimista.

    Em nota, o Cefluris anunciou ações civis e criminais contra Linhares. O centro é presidido pelo jornalista e escritor Alex Polari de Alverga. Enio Staub, secretário do Cefluris, diz que o centro já estava acompanhando o site agressor, da comunidade Céu Nossa Senhora da Conceição.

    “Sempre tivemos por princípio não responder nada a essa pessoa, mas agora ele desrespeita não só a todos nós mas principalmente a imensa dor da família de Glauco. Vamos entrar com todas as ações civis e criminais possíveis”, declara Staub. “Essa pessoa é doente.”

    Staub disse que a entidade vai divulgar hoje um comunicado oficial sobre as medidas que pretende tomar contra Linhares e como deve agir, “de forma a preservar a memória e a obra de Glauco, bem como a fé de todos os nossos filiados”.

    Entre igrejas no Brasil e no exterior, incluindo a Céu de Maria, são cerca de cem unidades ligadas ao Cefluris –abreviação de Culto Eclético da Fluente Luz Universal. Para o Cefluris, o ataque de Linhares pode ter outro objetivo: ele teria interesse em “monopolizar” a distribuição de daime na região Sudeste –na Amazônia, o litro custa de R$ 18 a R$ 100.

    Na internet, além de divulgar uma tese conspiratória de que o Cefluris estaria envolvido na morte de Glauco, Linhares ataca o uso ritualístico de maconha em igrejas daimistas ligadas ao Cefluris.

    Em seu ataque, não poupa mortos: chama Sebastião de Mota Melo (1920-1990), fundador da vila de Mapiá, na Amazônia, de “bandido” e “pitador de maconha” e acusa Alfredo, filho de Mota Melo, atual líder do Céu de Mapiá, de “traficante de pasta de cocaína”.

    Ex-PM exonerado da corporação, Linhares se recusou a falar sobre seu passado, bem como de sua relação com a maçonaria (que tem um link-tópico em seu site). “Se quiser falar sobre minha vida pessoal, a conversa acabou”, disse.

    Este Lázaro Freire é outro impostor.

    “Tudo que ele fala é um delírio, mas não vai ficar sem resposta”, diz Staub. “Não há um único ritual oficial das igrejas ligadas a nós que faça uso da erva de Santa Maria (maconha)”.

    Comment by rapidoerasteiro — 20/03/2010 @ 4:50 AM

    • oooops! seja bem vindo Rápido e Rasteiro, legal teu nick.

      É sim, é uma confusão só. Mas todo mundo tem o direito de se defender.

      Eu gosto muito do Lázaro Freire; mesmo não concordando com algumas coisas; – mas neste lance, ele foi perfeito. É uma questão delicada e ele fez uma observação clínica. O resultado desta loucura fala por si só.

      Fy

      Comment by Fy — 20/03/2010 @ 10:54 AM

  4. Ju

    e tambem acho que depois que tiraram o daime do seu devido lugar e começaram com este lance viral de igreja pra cá e pra lá,a coisa virou punk-panicum sim.cara bom,o Glauco.coisa louca!triste.

    De acordo,Ju. Assunto polêmico e muito triste.E muito pano pra manga,como demonstra o comentario acima.Eu,como médico,o que não significa que seja um cinquentão careta nem que eu quizesse,só discordo da opinião do amigo em relação à opinião deste Lázaro Freire. Não o conheço, mas depois com calma vou dar uma olhada em seu site,e corroboro enfaticamente com cada uma de suas palavras.E ainda lhes concedo o raro privilégio do óbvio.

    Abraços
    Vítor Simmonsen

    Comment by Vítor — 20/03/2010 @ 5:15 AM

    • qui cinquentão careta!!!!!!! – qui nada! Careta nasce careta.

      Bj

      Fy

      Comment by Fy — 20/03/2010 @ 10:56 AM

  5. A minha experiência com o Daime foi a mais funesta possível.

    Além de uma seção horripilante de vômito e mal estar só ví e ouvi ignorâncias. Valeu a experiencia pra nunca mais.

    Não sei se fui infeliz na escolha do local, mas não aconselho pra ninguem.

    Dani

    Comment by Daniela — 20/03/2010 @ 10:07 AM

    • Dani,

      Eu tenho um relato de Daime tão engraçado, depois eu acho e coloco.

      É isto aí: igrejou : acabou. – 100 “real” a garrafa !!!!!!! – fora o alucination – dízimo….

      Bj

      Fy

      Comment by Fy — 20/03/2010 @ 11:10 AM

  6. Taí, nunca tomei daime. Mas tô com a Ju: igrejou ferrou.
    Acho que ninguem nunca vai saber o que realmente aconteceu por lá.
    Acho que o alerta do camarada Lázaro Freire foi dado,o Vítor corroborou com cabedal pra tanto,e a Ceres Ameida deu o recado como se deve. Furioso o texto, Fy.

    Esta nota finalíssima do KWilber foi grande, de assombração jung-panicum chega. Valeu esta Ju: punk-panicum.

    Juliana, depois da vírgula dá 2 espaços. Eu acho q o WordPress tá comendo um.

    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    Fy,

    assombração jung-panicum já era.Tá?

    Beijo aê

    TocaYo

    Comment by TocaYo — 20/03/2010 @ 10:21 AM

    • Fy,

      assombração jung-panicum já era.Tá?

      Braghhhhhhhhhhhhhh ! que show de baixaria, né?

      qto cinismo. coisa mais feia.

      tá. Claro q tá.

      Bj

      Fy

      Comment by Fy — 20/03/2010 @ 10:58 AM

  7. Aí Rubens, cinquentão com certeza mas caretão jamais.

    Eu sei lá quem é este Lázaro Freire, mas merece atenção sim, é mais do que correto o que ele disse.

    Sabe lá o que estava ocorrendo, o que realmente estavam tomando. O próprio rapaz poderia estar misturando alguma coisa na bebida.

    Belíssimo texto da Ceres e mais uma demonstração de requinte em matéria de sensibilidade desta moça, Márcia Tiburi. E sua também, querida, parabéns pela escolha.

    Tio Gus

    Comment by Gustavo — 20/03/2010 @ 10:44 AM

  8. Fy // quaquaquaquaqua ///////

    Vê se é este que voce passou pra mim:

    Eu precisava de uma resposta pra minha depressão, já fiz terapia, frequentei a SEICHO-NO-IE, fui ao psiquiatra, consultei o Google, tomei banho de folha e sal grosso.

    Fiz de tudo pra fechar um diagnóstico e achei mil opções: Distimia, TPM, Transtorno bipolar do humor, chatice crônica, encosto… Enfim, há tempos desapeguei do sobrenatural, incluindo Deus e seus comparsas (santos, anjos, entidades, assombrações, etc.).

    Já tinha ouvido falar da União do Vegetal, uma religião semelhante ao Santo Daime, ambos bebem uma mistura de ervas e cipós que dão origem ao chá Oaska.

    Bebida sagrada que, segundo seus seguidores abre a percepção e proporciona uma viagem interior mais potente que qualquer terapia, uma espécie de Freud líquido.

    Durante essa viagem Astral os mais sortudos podem até encontrar algumas personalidades divinas, como Nossa Senhora, Sant’Ana (avó de Jesus) entre outros. Quem sabe não era minha oportunidade de perguntar a Deus se realmente cuspi na Santa Ceia?

    Não tinha nada a perder, meu único medo era ficar muito alucinada a ponto de não ir com a minha própria cara quando me encontrasse tête-à-tête, pois sou implicante e implicar comigo mesma só iria piorar meu estado depressivo. Outra coisa que não gostaria que acontecesse eram os vômitos, comuns durante as sessões.

    Tomei coragem, queria ir a fundo ao meu subconsciente e me livrar dessa insatisfação crônica que me persegue ao longo da vida.

    Feitos todos os trâmites necessários ao meu ingresso no Núcleo (nome dado ao local das reuniões) fui para minha primeira sessão na União do Vegetal.

    Confesso que antes de sair de casa pensei em tomar um Plasil, pra evitar náuseas e vômitos, mas desisti, diz que faz parte do processo de cura, você vomita e literalmente põe pra fora todo o mal.

    Iniciada a sessão, chá devidamente deglutido, todos em seus locais, prontos para uma viagem divina.

    Sentamos nas nossas cadeiras que ficam dispostas em forma de círculo com uma grande mesa retangular no centro.

    Sentado a essa mesa, estava o Mestre que é quem conduz a sessão. Nesse dia em especial o Guru era um visitante de outro núcleo, veio de longe com a família, do sertão de Pernambuco.

    Pois bem, começou a tocar músicas, até agradáveis, parecia um tipo de música Andina, depois tocou forró, e outras que não me lembro mais. Minha prima, a responsável por me levar lá, já uma associada assídua, sentou-se ao meu lado, ela tinha a função de me ajudar, caso precisasse.

    Quarenta minutos se passaram e comecei a ouvir urros de gente vomitando, um horror. Muitas pessoas vomitando. Pensei: já deve estar batendo a onda. Abri os olhos e percebi que estava um pouco tonta. Nada mais.

    De repente o Mestre se levantou e foi perguntando: está tudo bem? Tem borracheira? (borracheira é o que eles chamam a espécie de transe, ou alucinação). É de luz?

    Eu disse que não tive borracheira, me mandaram elevar meu pensamento ao mestre. Fechei os olhos e tentei me concentrar, nada, branco, barulho de vômito, não conseguia elevar meu pensamento. Só me restou assistir aquilo tudo sóbria, de cara!

    O que vi não tinha nada de divino, as pessoas perguntavam questões sem sentido, pelo menos pra mim que não estava com o pensamento suficientemente elevado.

    O Mestre, aquele cabra da peste da caatinga, sem nenhuma instrução tinha que ter uma resposta pra tudo. Afinal ele é o Mestre.

    -Mestre, posso fazer uma pergunta?
    -Sim.
    -Mestre o que é consciência?
    -Como o nome já diz: cons-ci-ên-cia, consciência!

    De repente outro sem noção pedia licença para uma nova pergunta:

    -Mestre o que é estrela cadente?

    -Estrela cadente… (pausa de 2 minutos) uns chamam assim… (pausa de 3 minutos) outros não.

    Quando eu pensei que essa fosse a resposta definitiva, depois de uns 5 minutos o mestre respondeu:

    -É um espírito de luz chegando à Terra.

    É, foram quatro longas horas assistindo aquele ritual sem pé nem cabeça, oh fuck!

    Precisava elevar meu pensamento! Mas só vinham pensamentos práticos, tipo: amanhã vou à praia, depois preciso estudar um pouco, talvez cinema à noite… Cadê Nossa Senhora? E meu Ego, meu Alter ego?

    No final de tudo, à meia noite, tudo acabado, o baile encerrado… Rolaram uns comes e bebes (nada alcoólico, lógico) percebi que tinham vomitado no meu tênis da New Order que eu adoro!
    Merda, mil vezes merda!
    Minha prima me perguntou: e aí, gostou?
    Eu respondi: achei o mestre burro pra caralho.

    POSTADO POR ANA LUIZA
    http://voubuscarocarrasco.blogspot.com/2009_02_01_archive.html

    to tentando Caíto //// I Can !!!!!!!

    beijos

    Comment by Juliana — 20/03/2010 @ 11:16 AM

  9. ahahahahahahahahah !!!

    é este sim. Muito engraçado.

    Olha aí Dani, não deve ter sido pior que a sua.

    Bjs

    Comment by Fy — 20/03/2010 @ 11:25 AM

  10. Ai que horror. Ficar rindo num post tão triste!

    Mad world!

    Vou colocar outro post.

    Bjs
    Fy

    Comment by Fy — 20/03/2010 @ 11:27 AM

  11. Oi Fy! como tá querida?
    ha tempos que nao comento por aqui…. mas é por pura falta de tempo…(vc deve ter visto um poouco de furia a este respeito no meu ultimo post do psiqueativa….rs)

    Acho q o post a respeito do glauco q vc fez foi preciso em seu objetivo….

    A inserção a respeito do Jung tbem foi oportuna…. Jung considerava um perigo o “povoamento” de conteúdos do inconsciente coleitvo de forma elevada sobre a psique do individuo, resultando em megalomania….´E é curioso o fato de que qualquer caso de Delírio de grandeza de um psicótico é sempre um delírio de ser alguem “Big”, um Jesus, alguma outra divindade, alguma personalidade famosa,um Rei,…..etc.. mas é curioso que (até onde eu sei) ele nunca se torna uma “Banana de Pijama”, um catador de papelão excêntrico…..
    Por issso, Jung foi preciso ao relatar sobre essa confusão que opera na mente delirante, de confluência com Deus, ou perosnalidade divina…..

    No livro “O Eu e o Inconsciente” Jung fala:

    “…Um sentimento de superioridade surge, que pode muito bem expressar-se como “semelhança a Deus”. Entretanto, esta justaposição do bem e do mal pode provocar o sofrimento do conflito cósmico, despertando o Deus sofredor. Esta seria a outra forma de semelhança a Deus.”

    Até mais, Fy

    Bjs

    Comment by Caio — 21/03/2010 @ 12:47 PM

  12. Obrigado pela recepção windmills

    Abusando ainda do direito de defesa e esclarecendo que o mesmo na verdade não passa de um esclarecimento sobre a utilização correta da Ayahuasca e sua real utilidade na vivência de um verdadeiro buscador que lhe utiliza como um de seus recursos:

    Trecho:

    Réplica – Saindo da Matrix
    Artigo-Réplica ao artigo de Acid Zero, na página “Saindo da Matrix”. O Artigo é intitulado “O Contexto da Ayahuasca”, e se pretende “esclarecedor” deste contexto, um esclarecimento de uma pessoa que certamente não conhece o contexto.

    “Sim, sim, Lázaro Freire. Eu tenho escrito artigos sobre as coisas que ele escreve, e incrivelmente ele não os responde. Vou transcrever aqui uma coisa que escrevi num dos artigos pra ele, a respeito desse afogamento no inconsciente.

    “A consciência, quando evolui, se expande. Quem negar isso nega o cerne das principais escolas sobre esta terra.
    Então, essa forma subliminar de colocar nas pessoas medos tenebrosos do inconsciente é também uma forma velada de inibição da expansão da consciência. Não estou aqui me referindo ao uso de plantas de poder, mas a certas táticas de dominância de mentes que, por temerem, não dão nenhum passo no sentido de re-conhecer outras nuances de realidade, de percepção do que chamamos “mundo consciente”. Por conta disso grande parte de nossa humanidade passa a vida trabalhando e estudando e se casando e mantendo estruturas, mas ao final, não sabe a que veio. Assim passam a ver o mundo com o foco na racionalidade, forçando a diminuição de nossa capacidade natural de conceber a existência de planos sutis através da intuição. Esse processo opressivo e maciço de imposição de “uma” realidade é de certo modo, discutido na boa psicologia, mas bem esclarecido por Jane Roberts, quando fala da descoberta do inconsciente, e por Dom Juan Matus, Xamã Tolteca, quando fala sobre o processo de nos tornarmos “sócios” de uma visão específica, quando passamos da infância à vida adulta, aceitando os pressupostos do mundo como é visto pela maioria O intuitivo, na grande maioria das vezes, é superior ao racional. Ele pode conter todo o racional, e ainda ser maior do que este. Podemos traduzir a intuição para filtros racionais, mas estes só são capazes de explicar parte das coisas, uma pequena parte. Assim como, até a própria física moderna corrobora, nosso mundo “real” ainda é uma incógnita (vide colisor de hádrons – LHC). Portanto, nosso mundo consciente, o que chamamos de coisas que estão disponíveis através de formas reconhecíveis na consciência, são, já se sabe pela mais fina ciência (e pelos mais antigos filósofos – vide Platão), só a ponta do iceberg. Para não me ater aos enteógenos, a cinqüenta anos atrás, falar em projeciologia seria, para o grande público, motivo de riso e piada. Hoje, já muitos aceitam o tema como parte de nosso campo sutil, coisas que não vemos com os olhos físicos, mas, mesmo assim, estão, em alguma freqüência de energia.

    http://ayahuascaverdadeira.blogspot.com/

    Rapidoerasteiro

    Comment by rapidoerasteiro — 22/03/2010 @ 7:03 AM

  13. i have never heard anything like this before, it is beautiful. best of luck with your posts.

    Comment by carlito — 23/01/2013 @ 10:51 PM

    • Welcome, Carlito!

      I hope you enjoy !
      thank you !

      Fy

      Comment by Fy — 24/01/2013 @ 3:17 AM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: