windmills by fy

29/03/2010

The Fiddle and the Drum

Filed under: Uncategorized — Fy @ 5:46 PM

 

 

 

 

 

 a dança modifica o corpo,

que normalmente pesa sobre a terra

e recebe interferência das forças do mundo.

 

A dança se utiliza justamente do peso para gerar o impulso

 que fará o corpo leve e fluido mover-se num espaço

onde o corpo passa a ser não mais uma unidade,

mas um elo entre os corpos,

entre os espaços e os movimentos,

de modo a se criarem corpos virtuais,

extensões do corpo físico.

 

 

 

 

o  fluxo lida com uma conexão com a natureza, com uma noção de fluxo e variação de energias,

de forças,

de vibrações

e isso tem a ver com o modo como os corpos visíveis ou invisíveis da natureza são estimulados,

como eles sofrem interferência do meio.

neste  fluxo, o mundo age como corrente e impulso sobre o corpo

e uma harmonia entre ambos é vislumbrada mais facilmente.

 

 

 

 

 

The Fiddle and the Drum, é um espetáculo de dança com canções de   Joni Mitchell

que numa colaboração sem precedentes com   Jean Bernard Grand-Maître ,

coreógrafo e diretor artístico do  Alberta Ballet ,

[ Ballet Alberta  – CANADÁ ]

 expressa apaixonadamente sua preocupação com as questões de conflito,

violência e devastação contínua da humanidade e  do meio ambiente.

 

 

 

 

 

 

 

 

Realizada pelo Ballet de Alberta, –  Ballet Nacional do Canadá –

esta crítica severa torna-se puro movimento nesta coreografia de Jean Grand-Maître,

que explora, inspirada nas canções,

reflexões que partem do mundo em que vivemos, apontando o desiquilíbrio histórico das relações entre o homem e o ambiente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 São preocupações que encontramos desde muito cedo na obra de Joni Mitchell,  

e que aqui ganham corpo, movimento e espaço,

 

 

 

num espetáculo que  combina música, dança  e artes visuais

resultando no encanto de uma coreografia quase abstrata.

 

 

 

 

 

 

corpos 

 em consonância com algo que os cerca  

um fluxo

sem abrir mão do ser errante 

 da inquietude

 da inconformidade

 requer frontalidade em seu fazer : a respeito de sua matéria .

Luisa Marques

 

 

 

The Fiddle and the Drum não se esgota contudo nesta lógica “verde”,

abrindo também espaço a quadros motivados pela guerra

que era  o tema central de uma exposição de pintura que a cantora estava a preparar

quando Jean Grand-Maître a convidou para este desafio.

 

 

 

 

 

 

 

 

T h e    F i d d l e    a n d    t h e   D r u m

Exposição  – by  Joni  Mitchell –

[ e como é lindo e bom ! o sorriso de gente que FAZ ! ]

 

 

 

 

e muito mais :

 

 

 

 

 

Links:

 

 

Textos:

José Gil

Luisa Marques

Fy

Ilustrações:

Alberta  Ballet

 

by :  Fy – Carol e Bia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

29 Comments »

  1. [ e como é lindo e bom ! o sorriso de gente que FAZ ! ]

    ôooooH! se é!

    lindo e bom.

    Maravilhoso mesmo. Senti uma paz enorme.

    Voltamos pra nossa terra.nosso lugar.

    beijos p/s tres.

    dance the song of sorrow

    when your spirit weeps,

    feel the lilt of sadness

    as through you it seeps.

    dance until you feel

    the air beneath your feet,

    ‘til the walls withdraw

    and the tears retreat.

    escape into the senses
    of an enchanting trance,
    forget the tears of sorrow,

    just dance

    and dance

    and dance.

    TocaYo

    Comment by TocaYo — 30/03/2010 @ 4:17 AM

    • Aloha TocaYo,

      [ e como é lindo e bom ! o sorriso de gente que FAZ ! ]

      ôooooH! se é!

      lindo e bom.

      … até que agente – nós todos – temos um sorriso bem legal, nãoénão?

      Ó só:

      on the edge of a cusp between dark and light,
      prevailing allure, this singular might,
      breathe in the silence of oceans refrain,
      whispering words, a hypnotic quatrain.

      as the sun and the moon ride the earth astride,
      perfectly balanced in the divide,
      the centre that’s constant and defrays
      plunging darkness and scorching rays.

      —————————-

      Dancing and dancing and ….

      Bjs

      Fy

      Comment by Fy — 30/03/2010 @ 6:09 AM

      • Tocayo,

        Me lembra de postar um texto lindo que eu achei neste site, eu ia colocar aqui, mas é mto grande.

        E é bom sim, estar em paz. > : de nós tres : Bia – Carol e eu.

        Bjs

        Fy

        Comment by Fy — 01/04/2010 @ 10:50 AM

  2. Oi Terra Mágica,

    Fy

    Comprei o dvd, é só esperar chegar. Deu água na boca.

    Salve Alberta, Calgary, Canadian people!

    Só pra provocar:

    Beijos

    Comment by Juliana — 30/03/2010 @ 10:38 AM

    • Ah é lindo !

      Salve Alberta, Calgary, Canadian people!

      Bjs

      Fy

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 10:51 AM

  3. Fy,

    Este cara, Jean Grand Maître é fera sim, deve tá entrando, senão entrou com uma tournê mundial sobre a vida do Elton John: Love Lies Bleeding.

    Love Lies Bleeding is described as a contemporary semi-abstract ballet set to 14 classic songs by Elton John and Bernie Taupin. The theatrical dances portray the narrative of the performer’s life, from a young boy outside London to a man never meant to be a superstar.

    Grand-Maître, the Quebec-born artistic director of Alberta Ballet, has worked for a year on the project with a design team as well as John, who approached the company on Mitchell’s recommendation.

    Set in a vast, dark and abandoned theater littered with mementos, artifacts and the remembrances, the ballet depicts dramatic landscapes from Elton’s cycle. The choreographer blended Bob Fosse-inspired jazz-style dancing with classical ballet en pointe, urban hip-hop, rollerblading, and Cirque du Soleil-style acrobatics.

    The “Bennie and the Jets” number, features dancers in sequinned baseball uniforms and a spinning record that serves as a revolving stage depicting John’s 1975 mega-concert at Dodger Stadium. “Have Mercy on the Criminal” views John’s struggles with drug addiction and coming out. “Goodbye Yellow Brick Road” shows John battling his demons with a soft-shoe tap sequence with men in heels.

    Elton John plans to attend the May premiere and a worldwide tour is expected to follow.

    Dá uma olhada:

    http://www.independent.co.uk/arts-entertainment/music/news/elton-johnrsquos-music-and-life-inspire-ballet-1908655.html

    Abraço

    João Pedro

    Comment by João Pedro — 30/03/2010 @ 11:07 AM

  4. The “Bennie and the Jets” number, features dancers in sequinned baseball uniforms and….

    legal ver a Cher:

    – o post da Cruel ficou muito bom! Lí agora com a Ju. Se servirem as carapuças, estamos aqui.

    Beijo

    João Pedro

    Comment by João Pedro — 30/03/2010 @ 11:24 AM

    • Que legal Pedro.

      Vamolá?

      Não deve ser simples, o Elton John teve uma vida complicada….“Goodbye Yellow Brick Road” shows John battling his demons …

      Alguem acredita que eu não gosto desta música?

      Bj

      Fy

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 10:56 AM

      • aiaiai …

        que pretensão né?

        Comment by Fy — 01/04/2010 @ 10:58 AM

  5. Em portugues…

    A vida e a obra de Elton John levaram a companhia de balé The Alberta Ballet of Calgary a criar um espetáculo em sua homenagem. O coreógrafo Jean Grand-Maître é o responsável pela idealização de “Love Lies Bleeding”, que será exibido em Calgary de 6 a 8 de maio e depois segue para Edmonton, onde será apresentado nos dias 11 e 12 do mesmo mês. Os ingressos começam a ser vendidos no dia 1º de março.

    “Love Lies Bleeding” será um espetáculo de balé contemporâneo, “semi-abstrato” – como está na sua descrição – com 14 canções de Elton John e Bernie Taupin no repertório. A vida do músico será contada desde os tempos em que ele era um garotinho até se tornar um popstar.

    Para Elton John, Jesus Cristo foi um ‘gay superinteligente’

    Grand-Maître, que nasceu em Quebec, trabalhou por um ano no projeto com a ajuda de um time de design. O show deve mostrar momentos dramáticos da vida do músico, misturando jazz, balé clássico, hip hop e até acrobacias do Cirque du Soleil.

    O número de “Have Mercy on the Criminal”, por exemplo, vai retratar a batalha de Elton John para se livrar do vício nas drogas. Já “Bennie and the Jets” lembrará a apresentação do cantor no Dodger Stadium, em 1975.

    Elton John planeja assistir ao espetáculo na sua première em maio. Depois, a companhia deve fazer uma turnê mundial.

    Ju

    Comment by Juliana — 30/03/2010 @ 11:30 AM

  6. Ju, nós vimos ontem, MuItO BoM : mesmo.
    ~

    Miss Mitchell, aos 63 anos, anda animada mesmo. Em um vídeo promocional do disco, fumando sem parar, contou que está superprodutiva. “De certa forma, este é o ano mais excitante de toda minha carreira, é o fim de um ciclo, ao trazer juntas todas as artes.” Além de Shine, ela se refere a “The Fiddle and the Drum”, espetáculo do Alberta Ballet baseado em suas composições, e a uma exposição de quadros e fotografias de forte conteúdo político que vai ser exibida em breve em Nova York.

    A música, por sua vez, também continua forte, munida de um espírito contestatório e idealista tão fresco quanto o que sustentava em seus primeiros álbuns, ainda na onda da filosofia flower power. O otimismo, contudo, deu lugar a sentimentos sombrios e de desapontamento com o mundo, em especial quanto ao meio ambiente. “Racionalmente, não tenho nenhuma esperança. Irracionalmente, acredito em milagres”, sentencia.

    O tom do disco segue por essa seara, com arranjos apostando forte em sopros (flautas, saxofone), percussão do carioca Paulinho da Costa e violão, sem esquecer o ótimo piano de Mitchell. “Se tivesse um coração, eu choraria”, canta ela na triste “If I Had a Heart”, ao lamentar guerras santas, bombas e genocídio. A decepção dá lugar à ironia na jazzística “Bad Dreams”, dos versos “quem vai salvar o dia? Supermouse? Super-homem?”.

    O flerte com o jazz começou a fazer parte da vida de Joni desde a metade dos anos 1970, e desde então o folk nunca mais foi a marca registrada de seus discos. Prova cabal é “Big Yellow Taxi”: a faixa do clássico Ladies of the Canyon (1970) e um de seus maiores sucessos até hoje foi retrabalhada em Shine. No lugar do pandeiro, coro e voz inocente da original, entraram acordeom, violão percussivo e uma voz grave, totalmente transformada pelos muitos anos de tabagismo. Se perdeu o tom pop, ganhou em interpretação, sem, no entanto, esmaecer a atualidade na letra, contra o DDT e o desmatamento.

    Apesar de Shine ser propositalmente engajado, quando a compositora deixa o protesto de lado surgem momentos brilhantes. “Hana” traz beats, guitarra e cítara, mostrando um frescor muito bem-vindo. De espírito latino, “Night of the Iguana” (que, assim como “Hana”, foi inspirada num filme) é uma viagem divertida e fantasiosa pelo México.

    O único porém das duas canções, e que ecoa por todo o disco, é a opção de utilizar arranjos de sax e sintetizadores que soam datados, na contramão do álbum. Sem eles, a audição de Shine seria muito mais prazerosa do que já é. E é uma honra poder ouvir Joni Mitchell novamente – a música carecia de sua lendária força e elegância.

    “quem vai salvar o dia? Supermouse? Super-homem?”.

    SUPER MOUSE – !

    Beijo aê
    Dennis

    Comment by Dennis — 30/03/2010 @ 12:14 PM

  7. Dennis eu ia escrever um lance aqui pra Carol, mas reparei que voce esqueceu um ~ no seu comentário. … é algum código… alguma coisa….?´´e só enfeite brother? >>> ???

    #56%$7*¨#$ : lá… é assim né?

    Vamo lá

    Carol, coisa braba esta coreografia, hein?

    Olha, tiro o chapéu, sister,coreografar os olhos,os corpos, os objetos, espaços e,permitir existências, captá-las,reconhecer a importância de cada corpo em cena,gestualizar cada idéia,é como fazer as canções viverem, em cada corpo e ao mesmo tempo.

    Acontecer isto em UM corpo,é viver a música, mas fazer com que todos interajam contando a “mesma” história, deve ser um estado alterado de harmonia comum, não é? por mais que se decore os passos. é musica na veia mesmo.

    TocaYo

    Comment by TocaYo — 30/03/2010 @ 12:30 PM

    • “If you can feel, think and move, then you can dance”…

      Acontecer isto em UM corpo,: … then > You can dance.

      Houve um tempo em que eu pensei que todos podiam.

      Como é estranho… alguém não poder… nãoénão?

      Fy

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 11:15 AM

      • Hakers:

        Não copiem o meu: “nãoénão” > a g a i n .

        Fy

        Comment by Fy — 01/04/2010 @ 11:21 AM

  8. mas reparei que voce esqueceu um ~ no seu comentário. … é algum código… alguma coisa….?´´e só enfeite brother? >>> ???

    êeeeeeê >>> ??? – que qué isso, irmão?

    Código é código, til é til, esqueceu é esqueceu…. ´´ >>> ??? é que é eNfEiTiNhO, TGancho vê lá….

    faz mal não:

    The Fiddle and the Drum

    (by Us)

    Beijos

    Dennis ~

    Comment by Dennis — 30/03/2010 @ 1:17 PM

    • hahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahahahahahah !!!!!

      – direitinho!

      Bjs

      Fy

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 11:10 AM

  9. Se ainda há
    O milagre dos tambores
    E ressuscitam os mitos
    Das florestas
    E as almas antigas
    E despertam os homens milenares
    Na festa dos sentidos.

    Se ainda há
    O toque febril dos dedos
    Na pele dos tambores,
    A canção dos desejos
    Mais ínfimos.
    E os segredos
    Correm dispersos
    No rio dos ventos.

    Se ainda há
    Música
    Em fragmentos,
    No galope furioso
    Dos tambores,
    E as almas sem rumo
    Sem etnias,
    Sem encontram
    Na dança do acasalamento.

    Se ainda há
    A magia dos tambores
    Enredando
    O encontro dos amantes,
    No apogeu de um bolero
    Alucinante.
    Se ainda há canção
    No ritual dos prazeres,
    Nos gemidos
    Na escuridão,
    E os corpos já não são corpos
    Em união,
    Em sua convulsão,
    Já são tambores!

    Lindo teu post!

    Marianne

    Comment by Marianne — 30/03/2010 @ 2:30 PM

    • Marianne,

      Que lindo !

      Qta magia tem a dança, a música, a pulsação do som em cada veia, – como vibra !:

      Se ainda há
      O toque febril dos dedos
      Na pele dos tambores,
      A canção dos desejos
      Mais ínfimos.
      E os segredos
      Correm dispersos
      No rio dos ventos.

      Bj

      Lindo teu Poema!

      Fy

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 11:08 AM

  10. Muito lindo seu blog.

    Olhei vários posts e estou admirada. The Fiddle and the Drum é um espetáculo inesquecível, além da mensagem. Post, palavras, parabéns pela composição.

    Sofia

    Comment by Sofia — 30/03/2010 @ 3:49 PM

    • Viu, Sophia?

      A Carol já deu as boas vindas : a casa é nossa.

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 11:00 AM

  11. Windmills

    Todos os posts relacionados à música e sua conexão com o corpo estão fabulosos.

    Talvez, o site abaixo lhes seja interessante, uma nova maneira de explorar o contato entre seres humanos:

    Tinku es un vocablo que proviene de la lengua quechua, autóctona de los Andes donde yo vivo. Originalmente en Bolivia fue una ceremonia guerrera con gran derramamiento de sangre como ofrenda a la Pachamama (Madre Tierra). Hoy es un ritmo muy popular y una danza tradicional andina. Es el nombre que le di al primer encuentro que realizamos en Tilcara en 1996, para celebrar la vida, el estar juntos, y bailar. De ahí en mas, quedó como una oportunidad de seguir reuniéndonos a estar juntos, convivir y danzar.

    Danzar en ronda y reunirse en círculo para celebraciones y rituales es una costumbre tan antigua como el hombre, que hemos casi perdido en la carrera de la vida moderna por emplear el tiempo en “cosas importantes y útiles”. Recuperar esta tradición es parte del privilegio de practicarlas.

    http://www.tinkudanzas.com/pablo/

    Abraço

    Diego

    Comment by Diego — 31/03/2010 @ 2:30 AM

  12. Tocayo,

    Voce tá falando sobre um tema que eu adoro.A Fy vai responder também, rsss.

    O Coreógrafo, Caíto é um poeta. O que voces, poetas traduzem com palavras, nós coreógrafos e bailarinos também, sem dúvida, traduzimos com o corpo. Isto sem contar com todos os recursos na montagem do quadros, cenários, etc… e harmonizá-los com o tema, a interpretação do mesmo, a sensibilidade pessoal dos dançarinos,tantas coisas, tanto material, do melhor que existe:o sentimento maestrando tudo: é arte; amor e sensibilidade acima de tudo.

    Coreografar é interessante sob muitos aspectos, é assim que eu entendo, é criar usando a infinidade de elementos que se criam a partir de sua criação.Ou de um primeiro movimento em direção à criação.Cada gesto,cada nuance inspira e altera todo um contexto.

    É o que eu amo fazer e o que eu faço.

    Mas, isto também tem sua História, sua própria evolução.
    Hoje em dia, outras vertentes também trazem sua contribuição. A filosofia,a tecnologia,etc…Mas sobretudo a arte em suas infindáveis,livres manifestações.

    Vou deixar aqui procê,Caíto,e pra quem se interessar também: (bem didático..)

    http://www.emdiv.com.br/pt/arte/enciclopediadaarte/986-historia-da-coreografia-danca.html

    Um lance interessante relacionado tambem à coreografia:

    Superprodução nacional do diretor João Daniel Tikhomiroff sobre Besouro, o lendário herói da capoeira.

    O filme, que conta a história do lendário capoeirista Besouro Mangangá, trouxe da China o coreógrafo de ação Hiuen Chiu Ku, responsável pelos efeitos especiais e lutas de “Matrix, O tigre e o dragão e Kill Bill. Diante das câmeras, Hiuen Chiu fez capoeiristas voarem e subirem paredes enquanto lutam, bem ao estilo desses três sucessos de Hollywood.

    Com certeza vai ser bom demais.

    Bjinhos Carol

    http://www.emdiv.com.br/pt/arte/enciclopediadaarte/986-historia-da-coreografia-danca.html

    Comment by Carol — 31/03/2010 @ 4:02 AM

  13. Saiu o link 2 vezes…num sei porrrrquê.

    Esqueci de comentar o lance do DIEGO: muito legal! Eu tenho um trabalho super interessante sobre Danças Circulares, vou falar com a Fy aí agente faz um post sobre isso. Quem sabe o Pablo (bonitão,meninas!!)vem dar um pitaco aqui no Windmills?

    Muito legal, Diego, vamos papear sobre isso de montão.

    Bjinhos da Carol

    Comment by Carol — 31/03/2010 @ 4:21 AM

  14. Boa tarde a todos,

    Ando ocupadíssimo mas com saudades de todos.Não tenho perdido nenhuma publicação.Belíssimo este último.O dvd é fácil de encontrar ou só na Amazon?
    um abraço,
    Vítor Simmonsen

    Comment by Vítor — 31/03/2010 @ 4:55 AM

    • Saudades também, Vítor!

      Dá uma olhada no Google, acho q tem sim.

      Bj

      Fy

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 11:01 AM

  15. Oi Vítor, saudades de voce,muita sirurgia?
    Eu encomendei na Amazon, se já tem por aqui, não sei.

    http://www.amazon.com/Joni-Mitchells-Fiddle-Drum-Mitchell/dp/B001NJ916Q

    Beijo
    Ju

    Comment by Juliana — 31/03/2010 @ 10:03 AM

  16. Sofia, welcome aboard, como diz a Fy, we are sailing together.

    Marianne, que linda esta poesia, é sua?

    Bjinhos da Carol

    Dennis,rssssssssss quase morri de rir,é “nóis” mesmo..quem filmou?

    Comment by Carol — 31/03/2010 @ 10:09 AM

    • Assim… eu até ficava mais uns dias….

      We are.

      Bjs

      Fy

      Comment by Fy — 01/04/2010 @ 11:02 AM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: