windmills by fy

21/07/2010

a thousand and one night II

Filed under: Uncategorized — Fy @ 10:57 AM

Eu  me surpreendi  com o número de acessos  às 1001 noites .

Que muito bom saber que a fantasia , o sonho , o amor despertam tanta atenção .

 Em consideração ao interesse , o Renato e o TocaYo  fizeram  uma compilação de dados simples ,

mas mais detalhada , sobre mais esta viagem  tão linda pelo misterioso mundo da imaginação dos homens .

 

 

 

 

A tua beleza desprendeu-se de minha alma

.

Segui teu amor como água ,

como fogo

e como vento .

Rumi

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                    do TocaYo .

 

 

 

 

 

As mil e uma noites  – Alf layla u layl –  são uma coletânea de contos orientais , de procedência diversa e autoria desconhecida .

As mil e uma noites devem seu êxito e atualidade ao entretenimento que proporcionam :

a magia , a aventura , o sobrenatural e o fantástico , a intervenção de gênios ,

gigantes e duendes fazem de muitos de seus contos clássicos da literatura universal .

Sua trama central é bem conhecida :

Desiludido das mulheres porque sua esposa o traíra ,

o rei Xariar ordena ao vizir que todas as noites lhe traga uma donzela .

Após possuí-la , manda matá-la na manhã seguinte .

Por fim , cabe a vez a Cherazade, linda e inteligente  filha do vizir .

Esta , porém , concebe um estratagema .

Noite após noite conta ao rei uma história , mas  . . .

interrompendo-a habilmente ao clarear o dia e retomando-a ao cair da noite ,

consegue manter sempre vivo o interesse do monarca , até ele resolver poupar sua vida .

 

Esse fio condutor é de origem indiana e chegou aos árabes pelos persas .

Os contos que a ele se ligam , contêm elementos sobretudo árabes , persas e indostânicos .

Supõe-se que tenham aparecido pela primeira vez , em língua árabe , no século VII ,

talvez adaptados de uma coletânea persa chamada :

–  Hazar afsaneh – : Mil narrativas , conhecida por referências em obras de autores árabes do século X .

Outros contos foram incorporando-se ao longo dos séculos ao relato central ,

até a versão definitiva da obra se completar no início do século XVI .

As histórias variam em sensibilidade e tipo .

                                                                                                 Em geral são de fadas , feiticeiros e ” djins ”  –

 

 

 

 

                                                                                                                            gênios  – 

 

 

Aladdin

 

 

 

                                                                                                                          de amor cortesão –

 

 

 

                                                                                                           

                                                                                                                  de viagens ou aventuras –

 

 

 

Sinbad  the  Sailor

 

 

 

 

 

                                                                                                            de animais  – fábulas – 

 

 

 

Roc   Bird

 

 

 

 de fundo didático-moral –  histórico – religioso , humorístico e erótico .

Entre as mais conhecidas estão Aladim e a lâmpada maravilhosa ,

As aventuras de Simbá o marujo ,

Ali-Babá e os quarenta ladrões , A história do pescador e do gênio ,

A história dos sete vizires  e  O cavalo mágico .

 

 

 

A obra existe em diferentes versões , conforme foi decalcada , alternativamente ,

em cada uma das três tradições dos manuscritos   – duas egípcias e uma asiática –   .

Compiladores e tradutores orientais e ocidentais adaptaram-na ou acrescentaram-lhe trechos e novos contos .

 

 

 

Talvez no século XVIII tenha sido revista com base numa das versões egípcias e em 1853 impressa na forma árabe definitiva .

Entre  1704  e  1712 apareceram na Europa os 12 volumes da tradução francesa de Antoine Galland ,

Les Mille et une nuits , contes arabes traduits en français  : As mil e uma noites , contos árabes traduzidos para o francês –  ,

que ficou também conhecida como Os contos das mil e uma noites para crianças .

 

 

 

Foi a primeira versão européia publicada , realizada a partir de dois manuscritos incompletos

e das histórias fornecidas por um sírio . Serviu de base a numerosas traduções e ao acréscimo de fontes manuscritas

ou orais que se realizaram durante a primeira metade do século XIX

e que foram recompiladas por  Maximilian Habicht  na variante conhecida como edição  Breslau  – 1825 – 1843 .

 

 

 

Uma edição publicada em 1835 , no Cairo , constituiu outra fonte importante para as traduções posteriores ,

a mais famosa das quais foi a inglesa The Thousand Nights and a Night   – 1885-1888 – , de Sir Richard Burton .

Outras traduções foram a alemã de Enno Littmann , a inglesa de John Payne e a francesa de Joseph Charles Mardruss .

Em português , há uma edição em seis volumes prefaciada por Aquilino Ribeiro e traduzida por vários escritores , publicada em 1958 .

O aparecimento de As mil e uma noites foi ponto de partida de uma onda de interesse pelas coisas orientais no século   XVIII   e começo do século   XIX .

A obra foi imitada na forma e nos motivos : Robert L. Stevenson escreveu as New Arabian Nights  – 1882 : Novas noites árabes  –

e More New Arabian Nights  : Mais novas noites árabes .

 

 

 

As mil e uma noites também inspirou a visão transfigurada do Oriente de Les Orientales  – 1829 –  :   As orientais , de Victor Hugo ,

e de Die Abbassiden  – 1834 : Os abássidas – de August von Platen  –

e influenciou de diversas maneiras os escritores , como Voltaire em Zadig .

 

É sabido também que a suntuosidade oriental das versões européias de As mil e uma noites influiu,

provavelmente , em poemas de Coleridge e outros .

Sem contar que em 1850, o autor norte-americano , Edgar Allen Poe ,

escreveu    The Thousand-and-Second Tale of Scheherazade   ( não deixem de ver ! )   ,

uma conclusão satírica da história , em que Sherazade é finalmente executada.

Não foi bem recebido pela crítica  . . .

Imagens :

Audrey Kawasaki

Genzo Man

Mr. Phil Collins    –  One More Night  – Dallas – 1985  –   (by Biablue)

Renato  –  TocaYo  –  Biablue   –  Fy

15 Comments »

  1. Meus parabéns, ficou muito bom.
    Como é gostoso lembrar destes contos, o Simbad me fez pensar até em Ulisses.
    Djins, fadas, deuses, encantamentos, gravuras lindas, e pra você Biablue, um presente também (eu gosto muito):

    beijos
    Tio Gus

    Comment by Gustavo — 21/07/2010 @ 1:23 PM

    • Gustavo, esta musica é linda, linda.

      Super letra verdadeira!

      Triste , mas verdadeira.

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 22/07/2010 @ 2:02 PM

  2. Ficou muito lindo!

    Comment by Lu — 21/07/2010 @ 1:45 PM

    • Ficou sim , Lu , parabéns pra eles.

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 22/07/2010 @ 2:03 PM

  3. Tocayo!!!!!

    Voce devia ser feiooooo > pelo menos !!!!! ????? !!!!!!!!!

    Eu estou indo praí, fantasiada, de Sherazade, de carona com o gênio do Aladim, no navio do Simbad…..e o pássaro roca vem atrás tocando flauta,violino,qualquer coisa….

    ÕOOO terrinha mágica!
    Bia,Renato:eu já gastei o Phil Collins.
    Beijos mil
    e um só pra voce Cayto!

    Ju

    Comment by Juliana — 22/07/2010 @ 1:19 AM

  4. huahuhahuhauhuahhauuha!

    Vem sim, menina, vem sim.

    Quanto mais encanto, melhor.

    TocaYo

    Comment by TocaYo — 22/07/2010 @ 2:04 AM

    • Eu já gastei o Phil Collins –

      é d e m a i s este show, será que tem pra vender inteiro?

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 22/07/2010 @ 2:06 PM

  5. Parabéns crianças, ficou demais.

    Mas não é Biablue coisa nenhuma, é Bia A gata!

    Bia dei umas voltas nos 80, e esta aqui também tem tudo a ver – Just //// another //// night:::

    depois eu volto

    Dennis

    um beijo pra todos
    especial pras meninas

    Comment by Dennis — 22/07/2010 @ 6:11 AM

    • Nossa – imagine a Sherazade num embalo este ! ! ! Que sultão que nada !

      ahahahahahahah

      bj

      Fy

      Comment by Fy — 22/07/2010 @ 2:08 PM

  6. Gustavo, é qualquer coisa de maravilhoso desfrutar desta magia.
    Quantas recordações,!

    One, é uma das minhas musicas preferidas, e eu não conhecia esta versão nem o vídeo.
    Anos 80…. quanta coisa boa.

    Adorei o presente.
    Estou tentando pensar em alguma bem maravilhosa pra retribuir.
    Eu vou pegar emprestado a musica da Fy, ou uma delas, rsrsrsrs ela é louca por esta música: e eu também:

    Beijo, obrigado.
    Bia Neal

    Comment by Bia — 22/07/2010 @ 8:08 AM

    • linda linda linda!!!!!!

      Biablue, arrasando !

      Renato e Gustavo , ela , a Mélinha e a Ju adoram a Carly Simon.

      eu também.

      Bjs

      Comment by Fy — 22/07/2010 @ 2:11 PM

  7. Dennis, querido, eu dancei tanto mas tanto esta musica, que voce nem imagina! Aliás , voce deveria ter no máximo 2 ou 3 anos.

    beijo
    Bia Neal

    Comment by Bia — 22/07/2010 @ 8:10 AM

    • Dançou e dança, ainda.

      bjs
      Fy

      Comment by Fy — 22/07/2010 @ 2:11 PM

  8. Bia Bia Biablue – recordações?

    que nada….

    o tempo é uma invenção da morte:
    não o conhece a vida – a verdadeira –
    em que basta um momento de poesia
    para nos dar a eternidade inteira.”

    Mário Quintana

    beijo querida,
    Renato

    Comment by Renato — 22/07/2010 @ 8:53 AM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: