windmills by fy

29/11/2010

pra hoje .

Filed under: Uncategorized — Fy @ 12:08 PM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Tráfico , após 8 anos de acordos , permissividade e investimentos ,  estima-se , emprega 16 mil pessoas só no Rio de Janeiro .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

STATELESS  – ‘ARIEL’ 

With their latest single ‘Ariel’ and first for Ninja Tune, Stateless explore the eternal struggle within all of us, the battle between good and bad,

imagined here as a fight between the protagonist, the titular Ariel, and the Devil.  

For the video, design studio FIELD recorded an improvised dance interpretation of Ariel’s battle using motion capture technology,

and digitally animated a stunning visual accompaniment to the original track’s futuristic electronic soundscape.

‘Ariel’ is released on 22nd November as an MP3/WAV download, and also features a stunning ‘resmak’ from Scottish producer Rustie.  

Available to pre-order now from the Ninjashop: http://bit.ly/Stateless_Ariel.

Get a free download of ‘Ariel’ (Dark Sky Remix) at http://www.ninjatune.net/stateless

‘Ariel’ is taken from the second Stateless album ‘Matilda’ which is released on Ninja Tune in February 2011.

Video produced by FIELD: http://www.field.io
Motion Capture by Audiomotion Studios

POEMA:

Roberto Piva

GRAVURA :

Antony Mattox

 

 

 

Renato e Fy 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

16 Comments »

  1. “No ritmo das oferendas sepulcrais.”

    Foi isto mesmo.

    Os manda-chuvas do tráfico ofereceram umas vidas ou outras pra este bang-bang descarado, que não resolveu foi nada.

    Quem quer apostar?

    (té eu to dando uns bicos no Reinaldo Azevedo, huahuahuah)

    Destaco um trecho que demonstra que se pode fazer jornalismo maiúsculo, saudando a determinação do Estado de restaurar a ordem no Rio, mas sem cair no oba-oba, na patriotada e… no ridículo! E, sobretudo, sem fugir aos fatos:
    (…)
    Ninguém de bom-senso discorda de que a iniciativa de libertar territórios controlados por criminosos seja um avanço e tanto. A experiência internacional mostra que eliminar a presença de traficantes armados, que impõem suas regras na base da coerção e da violência, é o primeiro movimento a ser feito no combate ao crime organizado. Nas colombianas Bogotá, Medellín e Cali, essa estratégia funcionou bem. As UPPs seguiram o modelo da Colômbia, mas guardam uma diferença em relação a ele. Nas cidades daquele país, os quartéis-generais dos chefões do tráfico foram tomados logo nas primeiras operações, a partir de 2002, e os criminosos acabaram presos. No Rio, as principais trincheiras dos facínoras ficaram intocadas, enquanto o estado empreendia a ocupação de favelas menores e periféricas no mercado de entorpecentes. Com isso, os chefões seguiram fazendo negócios – agora auxiliados pelos bandidos das favelas tomadas que se refugiaram em seus domínios. Para se ter uma idéia, só no ultimo ano, o número de criminosos alojados no Complexo do Alemão triplicou.

    Essa cambada perdeu o território, mas contínua a comandar o tráfico em seus antigos domínios. O comércio passou a ser mais velado e, quem sabe, um pouco menos lucrativo. Carregamentos de entorpecentes, que antes desembarcavam nos morros em enormes lotes à luz do dia, passaram a ingressar nas favelas ocupadas por UPPs por um exército de formigas, que transporta a droga aos poucos. Afirmam a VEJA dois agentes do departamento de inteligência da polícia: “Sabemos que, em onze das treze favelas pacificadas, o comércio de drogas praticamente não foi afetado”. É uma razão para explicar a falta de resistência às investidas da polícia: as ações oficiais não haviam atingido um reduto verdadeiramente lucrativo para o tráfico. Nesse sentido, a tomada de Vila Cruzeiro, do Complexo do Alemão e, posteriormente, do Vidigal e da Rocinha dará uma visão mais realista acerca da eficiência das UPPs.

    Encerro
    Acho que o trecho é bastante eloqüente, não?

    Por Reinaldo Azevedo

    e a turma do gargarejo tá curtindo na tv….

    abraço aê
    Gabriel

    Comment by Gabriel — 29/11/2010 @ 1:35 PM

    • e a turma do gargarejo tá curtindo na tv….

      blllllagh…….

      /

      bj pra Karina/ e pro baby!
      Fy

      Comment by Fy — 30/11/2010 @ 11:52 PM

  2. Bom Dia Windmills,
    Não tenho comentado por causa da correria de final de ano. Mas tenho acompanhado. Excelente como sempre.
    Ao Gabriel e a todos, só posso dizer que descaradamente a vida continua. E que ao invés de hastear bandeira e cantar nosso hino, só podemos mesmo cantar Do you wanna dance pra esta porcalhada toda.
    Do you wanna dance?
    Abraços
    Vitor Simmonsen

    O Roberto Piva é um grande poeta urbano.

    Comment by Vitor Simmonsen — 29/11/2010 @ 11:55 PM

    • Hi doctor,

      saudadesssss.

      O Roberto Piva é um grande poeta urbano.
      Muito bom não ?

      Eu fiz um trabalho de facul pra o meu vizinho, o ano passado sobre o R.Piva.
      Tem muito mais q eu quero colocar, vamos indo.
      bjs
      … boa correria.
      We are … just dancing, baby, dancing.
      Fy

      Comment by Fy — 30/11/2010 @ 11:50 PM

  3. A notinha fim de página com anuncio da compra do avião, foi um toque de classe!

    E a macacada agradece.

    “Sem alarde para evitar a repetição da polêmica que envolveu a compra do Aerolula, o governo negocia a aquisição de um avião maior e mais caro que poderá servir à presidente eleita, Dilma Rousseff, e a seus sucessores.”

    dêem uma olhada na Folha.
    É divertido.
    Wilson

    Comment by Wilson — 30/11/2010 @ 3:18 AM

    • Ahhhhh – e o Lulinha ????

      Estudou tanto, tão informado, inteligente, esforçado, porque não “só” mais este brinquedinho pra distrair a criança, enquanto o papai continua a fazer “laranjada” ?

      bjs
      Fy

      Comment by Fy — 30/11/2010 @ 11:43 PM

  4. Esta aqui tá mais escancarada :

    A Guerra do Rio – A farsa e a geopolítica do crime
    José Cláudio Souza Alves – 25/11/2010

    Nós que sabemos que o “inimigo é outro”, na expressão padilhesca, não podemos acreditar na farsa que a mídia e a estrutura de poder dominante no Rio querem nos empurrar.

    Achar que as várias operações criminosas que vem se abatendo sobre a Região Metropolitana nos últimos dias, fazem parte de uma guerra entre o bem, representado pelas forças publicas de segurança, e o mal, personificado pelos traficantes, é ignorar que nem mesmo a ficção do Tropa de Elite 2 consegue sustentar tal versão.

    O processo de reconfiguração da geopolítica do crime no Rio de Janeiro vem ocorrendo nos últimos 5 anos.

    De um lado Milícias, aliadas a uma das facções criminosas, do outro a facção criminosa que agora reage à perda da hegemonia.

    Exemplifico. Em Vigário Geral a polícia sempre atuou matando membros de uma facção criminosa e, assim, favorecendo a invasão da facção rival de Parada de Lucas. Há 4 anos, o mesmo processo se deu. Unificadas, as duas favelas se pacificaram pela ausência de disputas. Posteriormente, o líder da facção hegemônica foi assassinado pela Milícia. Hoje, a Milícia aluga as duas favelas para a facção criminosa hegemônica.

    Processos semelhantes a estes foram ocorrendo em várias favelas. Sabemos que as milícias não interromperam o tráfico de drogas, apenas o incluíram na listas dos seus negócios juntamente com gato net, transporte clandestino, distribuição de terras, venda de bujões de gás, venda de voto e venda de “segurança”.

    Sabemos igualmente que as UPPs não terminaram com o tráfico e sim com os conflitos. O tráfico passa a ser operado por outros grupos: milicianos, facção hegemônica ou mesmo a facção que agora tenta impedir sua derrocada, dependendo dos acordos.

    Estes acordos passam por miríades de variáveis: grupos políticos hegemônica na comunidade, acordos com associações de moradores, voto, montante de dinheiro destinado ao aparado que ocupa militarmente, etc.

    Assim, ao invés de imitarmos a população estadunidense que deu apoio às tropas que invadiram o Iraque contra o inimigo Sadan Husein, e depois, viu a farsa da inexistência de nenhum dos motivos que levaram Bush a fazer tal atrocidade, devemos nos perguntar: qual é a verdadeira guerra que está ocorrendo?

    Ela é simplesmente uma guerra pela hegemonia no cenário geopolítico do crime na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

    As ações ocorrem no eixo ferroviário Central do Brasil e Leopoldina, expressão da compressão de uma das facções criminosas para fora da Zona Sul, que vem sendo saneada, ao menos na imagem, para as Olimpíadas.

    Justificar massacres, como o de 2007, nas vésperas dos Jogos Pan Americanos, no complexo do Alemão, no qual ficou comprovada, pelo laudo da equipe da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, a existência de várias execuções sumárias é apenas uma cortina de fumaça que nos faz sustentar uma guerra ao terror em nome de um terror maior ainda, porque oculto e hegemônico.

    Ônibus e carros queimados, com pouquíssimas vítimas, são expressões simbólicas do desagrado da facção que perde sua hegemonia buscando um novo acordo, que permita sua sobrevivência, afinal, eles não querem destruir a relação com o mercado que o sustenta.

    A farça da operação de guerra e seus inevitáveis mortos, muitos dos quais sem qualquer envolvimento com os blocos que disputam a hegemonia do crime no tabuleiro geopolítico do Grande Rio, serve apenas para nos fazer acreditar que ausência de conflitos é igual à paz e ausência de crime, sem perceber que a hegemonização do crime pela aliança de grupos criminosos, muitos diretamente envolvidos com o aparato policial, como a CPI das Milícias provou, perpetua nossa eterna desgraça: a de acreditar que o mal são os outros.

    Deixamos de fazer assim as velhas e relevantes perguntas: qual é a atual política de segurança do Rio de Janeiro que convive com milicianos, facções criminosas hegemônicas e área pacificadas que permanecem operando o crime? Quem são os nomes por trás de toda esta cortina de fumaça, que faturam alto com bilhões gerados pelo tráfico, roubo, outras formas de crime, controles milicianos de áreas, venda de votos e pacificações para as Olimpíadas? Quem está por trás da produção midiática, suportando as tropas da execução sumária de pobres em favelas distantes da Zona Sul? Até quando seremos tratados como estadunidenses suportando a tropa do bem na farsa de uma guerra, na qual já estamos há tanto tempo, que nos faz esquecer que ela tem outra finalidade e não a hegemonia no controle do mercado do crime no Rio de Janeiro?

    Mas não se preocupem, quando restar o Iraque arrasado sempre surgirá o mercado financeiro, as empreiteiras e os grupos imobiliários a vender condomínios seguros nos Portos Maravilha da cidade.

    Sempre sobrará a massa arrebanhada pela lógica da guerra ao terror, reduzida a baixos níveis de escolaridade e de renda que, somadas à classe média em desespero, elegerão seus algozes e o aplaudirão no desfile de 7 de setembro, quando o caveirão e o Bope passarem

    http://www.chicoalencar.com.br/_portal/artigos_do.php?codigo=842

    xxxxxxxxxxxxxxxxx

    O nível de corrupçÃO é descarado aqui.Longe de ser patenteado pelo Lula e cia.Eles só fazem parte.

    Comment by Alexandre Golaiv — 30/11/2010 @ 4:14 AM

    • Deixamos de fazer assim as velhas e relevantes perguntas: qual é a atual política de segurança do Rio de Janeiro que convive com milicianos, facções criminosas hegemônicas e área pacificadas que permanecem operando o crime? Quem são os nomes por trás de toda esta cortina de fumaça, que faturam alto com bilhões gerados pelo tráfico, roubo, outras formas de crime, controles milicianos de áreas, venda de votos e pacificações para as Olimpíadas? Quem está por trás da produção midiática, suportando as tropas da execução sumária de pobres em favelas distantes da Zona Sul? Até quando seremos tratados como estadunidenses suportando a tropa do bem na farsa de uma guerra, na qual já estamos há tanto tempo, que nos faz esquecer que ela tem outra finalidade e não a hegemonia no controle do mercado do crime no Rio de Janeiro?

      oh yeah!

      bjs
      Fy

      Comment by Fy — 30/11/2010 @ 11:39 PM

  5. Oi todos,
    Alexandre, gostei deste Chico Alencar.
    Além do que este É o país da farsa.Quer mais que o avião da Dilma? Queridos, nem ela sabe que vai ganhar um avião. Nós sabemos, ela não.
    O aerolula vai ficar pro Lulinha brincar… – ou quem sabe, como a esperança é o trabalho do brasileiro, tá reservado pra FUGA, caso algo dê errado. Quem sabe?

    Abraços
    (tio) Renato

    Comment by Renato — 30/11/2010 @ 6:28 AM

    • Oi você !

      Oh my…..

      benditas palavras, Renato!
      Who Knows ?

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 30/11/2010 @ 11:35 PM

  6. Boa Tarde Windmills, Fy,
    Como sempre voce antenada em tudo.
    Me tornei uma mulher antenada, graças a voce, a voces.
    Pode parecer até uma insanidade, mas aqui me sinto tão à vontade que posso confessar, tenho pena de todos. Pena de nós mesmos, como brasileiros, pena dos traficantes, como pessoas, cada um, vítima à sua maneira.
    Me horroriza pensar no que está acontecendo, há tanto tempo.
    Me horroriza ler o comentário do Alexandre.
    Que mundo é este?
    Respiramos corrupção.
    Ainda por cima, vi hoje cedo no jornal, que o Papa está muito chateado com o que está acontecendo aqui. Como?
    Ele, chateado, faça-me o favor!
    É corrupção pra todo lado.Estamos rodeados por uma máfia.E é geral.
    beijo e boa-tarde,
    Sofia

    Comment by Sofia — 30/11/2010 @ 6:38 AM

    • É Sofia, o Br tá ficando um lugar difícel pra se viver.

      Sabe, no ramo em q eu trabalho, muito embora independa do Br, vc percebe cada vez mais um acentuado recato, pra não dizer “cuidado” em transações comerciais que incluam investimentos.
      Como diz o TocaYo: a turma do gargarejo [ é isso?] sorrí, encantada, dizendo q não.
      [ isto é pq nunca – antes – a roubalheira se espalhou e se disseminou tanto como nesta época em que o Safado do governo faz vista grossa e finge q não vê – ou seja : Engana : dá e dá corda [kms] cada vez +, a mesma corda com a qual o brasileiro vai se Enforcar, já – já.
      Na minha opinião : já se enforcou.
      Mas…

      Qto à Corrupção, olha, eu até ando me perguntando….
      Porque não ?
      O brasileiro “deve” ter um senso de valores corrompido.
      O Governo Lula , pensando nestes termos, tem até se comportado, … , porque, na real, tá no Paraíso!

      A vitória da Terrorista, que até então, ninguém sabia quem é – e que é absolutamente idêntica , em valores , à do Tiririca , provou para o mundo inteiro , e pra cada um de nós mesmos , que o brasileiro, é no mínimo, um “povo moralmente corrompido” .

      Tá bom pra mim ? – que se dane o resto.

      Ah – isto vai custar caro, e , incrível … o brasileiro não percebe.

      bjs
      Fy

      O papa ?
      huahuahuahuahuahauhauah!

      Comment by Fy — 30/11/2010 @ 11:24 PM

  7. Já que estamos falando de Tráfico, é preciso especificar que se trata do Tráfico de Drogas.
    Este é o governo mais repleto de tráficos de que já se ouviu falar.
    A Sofia foi feliz em sua lembrança: aqui, tá “quase” igual ao Vaticano, o que aliás merece um BIG post e até pode ser um bom assunto e um convite pra um almoço aqui em casa no próximo sábado, moçada. Ou um jantarzinho no meio da semana. E tomara que o Gab, a Karina e o bebê… estejam lendo, mas de qualquer forma eu ligo.

    Tráfico de tudo : influência, direinhada, roubalheira, planos de dominação mundial , tráfico megalomano de loucos varridos golpes, dá nojo, dá nojo.
    /
    /
    /
    /
    /

    Campanha de Dilma fecha com buraco de R$ 27,7 mi, o triplo da dívida de Serra
    Publicidade
    RANIER BRAGON
    DE BRASÍLIA

    A campanha da presidente eleita, Dilma Rousseff, fechou as contas no vermelho, com buraco de R$ 27,7 milhões, o triplo do verificado nas contas do seu principal adversário na disputa, José Serra (PSDB).

    Campanha de Serra à Presidência tem dívida de R$ 9,6 milhões
    Acompanhe a Folha Poder no Twitter
    Comente reportagens em nossa página no Facebook

    A contabilidade petista, que será entregue por volta das 15h desta terça-feira ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), mostrará gasto total de R$ 177 milhões (mais cerca de R$ 6 milhões em bens estimáveis), sendo que os R$ 27,7 milhões representam um buraco total de 16%.

    Proporcionalmente, o deficit é maior do que Lula registrou na disputa à reeleição, em 2006, cerca de 10% do que havia arrecadado.

    Segundo o tesoureiro do PT, José de Filippi Jr., as contas da campanha, refeitas, mostraram que o rombo estava em torno de R$ 40 milhões no dia da eleição, em 3 de outubro (o próprio tesoureiro havia informado valor menor na ocasião, entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões), débito que teria sido diminuído graças a cartas enviadas a empresários em nome de Dilma e a um mutirão de dirigentes petistas que buscaram novas doações.

    A dívida será assumida pelo PT, que afirmará à Justiça a intenção de quitá-la em 12 parcelas. Serra acumulou dívida de R$ 9,65 milhões, para um total de gasto em torno de R$ 120 milhões.

    A assinatura de Dilma na prestação de contas foi colhida na manhã desta terça-feira por Filippi Jr. Hoje é o prazo final para a apresentação das contas dos candidatos que disputaram o segundo turno das eleições.

    FINANCIADORES

    Hoje também será possível saber quem foram os maiores financiadores das campanhas presidenciais. Tradicionalmente, bancos e empreiteiras lideram as doações.

    Segundo Filippi, o maior doador de Dilma foi o PT, que repassou a ela cerca de R$ 20 milhões dos cerca de R$ 130 milhões que arrecadou por conta própria. Excluído o valor sobreposto, a campanha de Dilma e o PT arrecadaram quase R$ 300 milhões na campanha.

    Entre as empresas que figuram como maiores financiadoras da campanha de Dilma estão a Camargo Corrêa, UTC, Andrade Gutierrez, CSN e Friboi.

    O custo total desta eleição, que deve ultrapassar R$ 3 bilhões em valores declarados pelos candidatos (média de R$ 20 por eleitor) já é 42% maior se comparado ao de 2006, mesmo sem as contas finais de Dilma, Serra e dos 18 candidatos a governador que disputaram o segundo turno.

    Em 2006, os candidatos gastaram cerca de R$ 1,9 bilhão e, em 2002, as despesas ficaram em R$ 1,1 bilhão, valores corrigidos pelo IPCA.
    /
    /
    /
    /
    /

    HA-HA-HA-HA-HA-HA-HA-HA-HA-AHH
    E a macacada aqui: é que paga.E paga sorrindo, sem perceber que irá chorar lágrimas de sangue.

    /
    /
    /
    /

    Mais uma vez, a Sofia me fez lembrar uma frase. Célebre frase :

    “Há algo de podre no reino da Dinamarca”

    Neste célebre romance de Shakespeare, Hamlet, após perceber e afirmar que havia “ ALGO DE PODRE NO REINO DA DINAMARCA”,

    passou a fingir-se de louco incapaz de compreender o que se passava ao seu redor,

    no intuito de meramente NÃO SER ELIMINADO E PODER SOBREVIVER.

    No final do romance, Hamlet consegue eliminar o seu cruel algoz, embora não tenha sido capaz de sobreviver porque seu algoz foi capaz de, antes de morrer,

    feri-lo de raspão com uma espada embebida em veneno mortal.
    /
    /
    /

    fica este meu devaneio, pra um pouco de reflexão.

    bj a todos
    Fy, ficou excelente o updating no : Não fale por mim sr. presidente.

    tio Gus

    Comment by Gustavo — 01/12/2010 @ 6:29 AM

  8. Eu devia colocar no post ” Não fale por mim, sr presidente”, mas…

    TRÁFICO MUITO MAIS PERIGOSO:(por extenso)

    Andrei Netto CORRESPONDENTE / PARIS – O Estado de S.Paulo
    Os documentos secretos revelados pelo site WikiLeaks comprovam como era tratada nos bastidores a preocupação crescente da comunidade internacional com as relações entre Brasil e Irã entre 2009 e 2010. Em um diálogo com o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, em Teerã, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, argumentou que seu país “não estava fazendo nada diferente do Brasil na esfera nuclear”.

    Mikhail Klimentyev/AFP
    Encontro. Ahmadinejad (D) recebe Putin em Teerã: líder russo rejeita argumento do Irã e diz que ‘Brasil não fica no Oriente Médio’
    Putin teria retrucado afirmando que o Brasil “não se localiza no Oriente Médio”.
    Em Washington, Paris, Berlim e Moscou, diplomatas defenderam o aumento da pressão contra Ahmadinejad e manifestaram preocupação com a atuação do governo brasileiro. Em diferentes mensagens, a política externa brasileira foi criticada por atrapalhar os planos de sanções. O Brasil é tido como líder emergente que precisa ser atraído.
    Segundo pesquisas nos documentos confidenciais ou secretos revelados até aqui, o Brasil entra na lista de preocupações das potências internacionais a partir do início 2009. Segundo relato do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, ao embaixador americano em Moscou em abril do ano passado, o Brasil era usado como álibi por Ahmadinejad quando o assunto era o programa nuclear.

    E VERDADEIRO.

    beijo a todos
    tio Gus

    Comment by Gustavo — 01/12/2010 @ 6:38 AM

  9. E o lado dos traficantes ? Ninguem se preocupa?Como resolver isto?O problema sócio – cultural, o desprezo pela educação?
    Tudo isto não é um resultado?
    Muito legal teu blog.

    Comment by zach — 01/12/2010 @ 12:49 PM

  10. A tal “guerra do Rio” parece um grande filme B. Tudo nela é precário e mal-acabado.

    Dos atentados nas ruas às reações das autoridades, nada é o que parece ser. E o noticiário costura a coisa toda produzindo a antológica novela mexicana do Capitão Nascimento.

    Mocinhos e bandidos revezam-se nas trapalhadas. A ofensiva do crime, como é a tradição carioca, se dá através de um arrastão de pés-rapados ensaiando maldades desconexas.

    Uma tosca epidemia de garrafas pet cheias de gasolina nas mãos de moleques imberbes – como aquele que, alguns anos atrás, fugiu apavorado quando a juíza Denise Frossard gritou com ele no meio da rua. Essa é a ponta-de-lança do “crime organizado”.

    Uma horda de traficantes indolentes, chateados com a perda de algumas bocas de fumo, simulam uma escalada terrorista – que mataria a al-Qaeda de vergonha. Espalham boatos arrepiantes, prometem um Sábado Negro – que amanhece ensolarado e com as praias lotadas.

    O pessoal só vai embora da praia para não perder a guerra na TV.

    Melhor, só lendo tudo.

    http://colunas.epoca.globo.com/guilhermefiuza/

    beijo e adoreeeeeei a musica, o vídeo…o Bem , o Mal…, desculpem minha burrice, mas alguem sabe…quem sabe, qual é qual?

    Comment by Adriana — 02/12/2010 @ 4:06 AM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: