windmills by fy

21/11/2011

Filosofia ? – 2

Filed under: Uncategorized — Fy @ 10:39 AM

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

Este mundo :

uma monstruosidade de forças , sem início , sem fim ,

uma Firme , brônzea grandeza de força , que não se torna maior , nem menor ,

que não se consome , mas apenas se transmuda , inalteravelmente grande

em seu todo , uma economia sem despesas e perdas , mas também sem

acréscimo , ou rendimento , cercada de   “ nada ” como de seu limite , nada de

evanescente , de desperdiçado , nada de infinitamente extenso ,

                                                                                                                     mas como força determinada posta em um determinado espaço , e não em um espaço

                                                                                                                     que em alguma parte estivesse   “ vazio ” ,

                                                                                                                     mas antes como força por toda a parte

                                                                                                                     como um jogo de forças e ondas de força ao mesmo tempo um e múltiplo ,

                                                                                                                    aqui acumulando-se e ao mesmo tempo ali minguando ,

                                                                                                                   um mar de forças tempestuando e ondulando em si próprias ,

Vodpod videos no longer available.

                                                                                                                 eternamente mudando , eternamente recorrentes , com descomunais anos de retorno ,

                                                                                                                 com uma vazante e enchente de suas configurações ,

                                                                                                                 partindo das mais simples às mais múltiplas ,

                                                                                                                 do mais quieto , mais rígido , mais frio

                                                                                                                 ao mais ardente , mais selvagem , mais contraditório consigo mesmo ,

                                                                                                                 e depois outra vez voltando da plenitude ao simples ,

                                                                                                                 do jogo de contradições de volta ao prazer da consonância ,

Vodpod videos no longer available.

                                                                                                                afirmando ainda a si próprio ,

                                                                                                                nessa igualdade de suas trilhas e anos ,

                                                                                                                abençoando a si próprio como aquilo que eternamente tem que retornar ,

                                                                                                                como um vir-a-ser que não conhece nenhuma saciedade , nenhum fastio , nenhum cansaço  ( … )

                                                                                                                Quereis um nome para esse mundo ?

                                                                                                                Uma solução para todos os seus enigmas ?

                                                                                                                Uma luz para todos nós , vós , os mais escondidos , os mais fortes , os mais intrépidos ,

                                                                                                                os mais da meia-noite ?

                                                                                                                – Esse mundo é vontade de potência – e nada além disso !

                                                                                                                E também vós próprios sois essa vontade de potência – e nada além disso!

                                                                                                                 – NIETZSCHE –

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

A hora é de avaliar e buscar perspectivas .

 

 

E nesse sentido a primeira constatação a ser evocada é que a  Dança [ e a Vida ]  

ainda  está  sob  a  égide  da  colonização .

 

 

Apesar  de  atrelada  aos  padrões  do  clássico  europeu  ou  do  moderno  norte  americano , 

conseguiu  no  entanto  se  libertar  do  discurso  narrativo  e  linear.

 

Enredo  e  tema  passaram  a  ser  desnecessários 

e  a  dança  assumiu  o  movimento  como  elemento  suficiente 

para  criação  coreográfica e revelação do espetáculo . 

 

 

O  fenômeno  “ mover-se ”  fala  a  despeito  do  dançarino . 

Esse  mover  re-significa  sua  sensibilidade ,  fisicalidade , história de vida , herança cultural e genética

que : somadas ao seu preparo profissional e artístico

resultam num discurso corporal pessoal e intransferível que promove a dança .

 

 

O mundo  contemporâneo  rompeu  com  a precisão  e a  certeza .

Assumiu o  risco ,  a  fragmentação  e  a  incoerência .

 

 

O virtuosismo baseado na perfeição e na aproximação máxima ao padrão estético estabelecido  caiu por  terra .

 

 

O novo desafio não está  em  aparecer  ao outro ,

mas no  reconhecimento de  si próprio ao  se  apresentar para o outro .

 

 

A proposta é um corpo que dança sua presença singular .

 

 

O processo coreográfico busca as possibilidades criativas geradas

a partir de competências corporais territorializadas .

Não  se  trata mais do  corpo universal ,

mas de um  corpo produzido por  funções  e  saberes  locais

e que por isso se reconhece sujeito capaz de uma performance que é única ,

pois responsável por sua única e insubstituível Vida .

 

 

Tudo está em questão:

Quais os elementos que definem uma coreografia ? Qual o papel do coreógrafo ?

É  possível  falar  de  uma  dramaturgia  da  dança ? 

Há  uma  técnica  eficiente  e  segura  para  preparação  do  dançarino ?

 

 

São infinitas as perguntas e não menos infinitos os caminhos

para os pesquisadores da dança se  debruçarem em investigações .

 

 

Certo é que a dança não quer mais se alienar numa estética estéril .

 

 

Para tanto redimensiona o papel  da técnica e do virtuosismo que tanto lhe promoveu

em outros momentos , para traduzir o estranhamento , o  risco e o  acaso .

 

 

Trata de  rever  as dimensões do  corpo ,  sua  expressão ,  limites  e potenciais .

O produto  e o  processo coreográfico  também  foram  reconsiderados .

O papel do coreógrafo , o  sentido da  improvisação , a  formação do dançarino , tudo está em questão .

 

 

Felizmente  a  dança  não  está  mais  segura  e  timidamente  tenta  afrouxar-se  do  sistema  rígido  de  referência .

Está  “ desconstruindo , ou seja , se deslocando do logocentrismo* , no caso o eurocentrismo* .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Repetindo >  Está  “ desconstruindo , ou seja , se deslocando do logocentrismo* , no caso o eurocentrismo* .

Busca  novas conexões com outros conhecimentos , reconhecendo um mundo sem hierarquias estéticas ou culturais .

 

 

Mergulhados  nessas  questões ,  os  pesquisadores  Lúcia Lobato  e  Sérgio Andrade , 

selecionados  pelo  Programa  PIBIC/2006  da  Universidade  Federal  da  Bahia , 

estão  desenvolvendo  a  pesquisa    intitulada :

 “ Identificação  do Princípio  da Desconstrução de  Jacques Derrida  na  coreografia  contemporânea ” 

que  tem  como  campo  de  observação  o  espetáculo  desconstrucionista 

intitulado   “ Obras  de  uma  carta  anônima ”  do

grupo baiano   CoMteMpu´s .

 

 

– Por que Derrida ?

 

 

Porque esse estranhamento que desafia a atual produção coreográfica poderá melhor

ser absorvido à luz do princípio da   “ desconstrução ”   de Derrida e através de alguns de seus indicadores :

como  o deslocamento da cultura de  referência , o diálogo crítico , a ampliação de conexões com outros  saberes ,

a  revelação que questiona a estrutura interna , o fenômeno do afrouxamento ao sistema rígido , o conseqüente

processo de descolonização , o  respeito às diferenças ,

a alteridade e o  reconhecimento do  inconsciente que  fala  “ a despeito de ” .

 

 

Jacques Derrida  foi um dos fundadores do Pós-Estruturalismo

que reuniu pensadores como Bataille ,  Deleuze , Foucault , entre outros .

 

 

O movimento Pós-Estruturalista  inaugura  com Derrida uma  filosofia que ,  

embora atrelada à tradição do pensamento ocidental ,

propõe a ruptura com esta dependência ,

principalmente  no  que  concerne  à  lógica  da  identidade  herdada  de  Aristóteles . 

 

Por    meio  do  princípio  batizado  como  “ desconstrução ” ,

Derrida deu  início  a uma  inovadora  investigação  sobre  a natureza da  tradição metafísica  ocidental .

 

 

Essa  tradição  fundamentava  seu  argumento  em  três  leis :

 

 

1 –  a  lei  da  Identidade  considerando  que  aquilo que é , simplesmente é ;

2 – a da Contradição definindo que nada pode ser e não ser ao mesmo tempo ;

3 – e a  do Excluído determinando que tudo deve ser ou então não ser .

 

 

É obvio que essas leis não admitem que haja  nos fenômenos características como ,

por exemplo :   a complexidade , a auto-presença e a diferença .   

 

 

Esses três princípios sustentaram o positivismo e o espírito da modernidade .

Mas o movimento Pós- Estruturalista  já não  se  contentava em pensar  as  transformações do mundo 

e das  sociedades  em bases  tão  dicotômicas .

 

 

Afinal  “ ser ou não ser ”   já não era uma questão ,

pois os fenômenos já se apresentavam podendo  ser e não ser ao mesmo tempo .

Foram as idéias dos pós-estruturalistas que apontaram para o que viria a ser

um pensamento pós-moderno . 

Nesse  processo ,  as  investigações  de  Derrida  revelaram  que  a  tradição  era  cheia  de  paradoxos . 

 

 

O  interessante ,  no  entanto ,  é  que ,  apesar  desses  resultados ,  Derrida  não  almejou , 

com  a  apresentação  do  princípio  da  desconstrução , 

apontá-lo  como  um  instrumento  eficaz  para  acabar  com  as  contradições .

 

 

Tampouco  se  colocou  imune  e  capaz  de  fugir  às  exigências  da  tradição  a  partir  de  um  sistema  próprio  e  autônomo . 

Ao  contrário ,  reconheceu  que  é  necessário  não  abandonar , 

pelo  menos  temporariamente ,  os  mesmos conceitos considerados insustentáveis .

Não propôs a ruptura , mas redimensionou a função da metafísica tradicional no processo de  descolonização .

 

 

Apontou a necessidade de desconsiderar a cultura de referência ,

introduzindo o valor do  diferente e o discurso do   “ deslocamento ”

Com esse propósito define o princípio da Desconstrução .

 

 

A compreensão dessa categoria filosófica  passa pelo esclarecimento de que não significa ,

nem é empregada pelo autor como sinônimo de destruição ou

demolição de um dado fenômeno ou argumento em sua totalidade .

 

 

Ao contrário, trata-se de desvelar os  reflexos conceituais ,

as seqüências e associações de idéias que precedem e condicionam os pensamentos ,  

operando > como o inconsciente que fala >  “ a despeito de ”  . 

 

 

Podemos inferir que a desconstrução , tal qual proposta ,

é um processo de revelação que questiona a   “ estrutura  interna ”  do  discurso , 

descobrindo  o  sintoma  do  campo  cognitivo  que  ele  chama  de  “ logocentrismo ” .

 

 

Ou seja, a desconstrução seria uma forma de diálogo crítico .

Mas não seria uma crítica para  reverter  à  oposição ,  mas  sim  para  deslocá-la  do  “ logocentrismo ” , 

afrouxando-a  do  sistema  rígido  de  referência  que  restringe  a  compreensão 

e  não  amplia  novas  conexões  de  conhecimento .

 

 

A  desconstrução  propõe um olhar ampliado e contínuo ,

ao  invés da observação do  fenômeno  localizado e  isolado .

Por essa  razão  não  se  limitou  aos  instrumentos  disponíveis  na  filosofia  tradicional , 

pois  busca  a  pluralização  e  a  adjetivação dos atributos em vez da fixação e substantivação . 

 

 

Trazendo  o  argumento  exposto  para  o  nosso  campo  de  reflexão , 

é  possível  inferir  que  o  principal  desafio da dança contemporânea

que nas diferentes conjunturas históricas  sempre esteve homogeneizada e

modelada  nas  estéticas  dominantes  das  hierarquias  do  poder  tradicional  é  :

exatamente  distender-se  desses  códigos  encarnados

através  da  expansão  e  absorção  de  suas  próprias  realidades 

e  diversidades  étnicas  e  culturais , embora ainda distantes .

 

 

Trata-se  de  enfrentar  as  históricas  estruturas  de  poder . 

Vencer este desafio exige enfrentar os preconceitos

e o caráter elitista de nossa colonização de origem  escravista que 

sempre desprezou  e  inferiorizou   nossas práticas  espetaculares .

 

 

Só vencendo nossos medos  civilizatórios e desconstruindo a estética colonizadora , 

imposta como ” padrão de valor  superior ”  ,

poderemos  vir a descobrir a riqueza e diversidade de nossas danças .  – e de nossas Vidas  – 

 

 

 

 

 

 

 

Bibliografia:

 

Derrida , Jacques- Gramatologia

Geertz , Clifford – O Saber Local , Novos Ensaios em Antropologia Interpretativa .

Johnson , Christopher – Derrida , A cena da escritura , São Paulo , UNESP , 2001 .

Lechte , John – Cinqüenta pensadores contemporâneos essenciais : do estruturalismo à pós-modernidade .

 Eliana Rodrigues Silva  – Dança e Pós Modernidade . Salvador , editora da Universidade Federal da Bahia –  EDUFBA , 2005 .

 

 

 

Ilustração:

STEVEN  MEISEL :

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Vodpod videos no longer available.

 

 

 

 

Fy

 

 

 

 

 

72 Comments »

  1. Fy,

    Essa postagem foi muito além de qualquer desarmonia idiossincrática, essa leitura é alquimia pura em seu estado entendimento mais simples,e por assim ser, o mais verdadeiro (ou válido, ao asco da palavra ambigua VERDADE). Aqui em palavras e formas está desnudo um dos ditames da alquimia – Solve et Coagula – e nesse processo estamos dançando como a bailarina enquadrada por sinais querúbicos…

    Abraços,

    Marques Patrocínio

    Comment by Marques Patrocínio — 21/11/2011 @ 1:53 PM

    • Ah, vindo de alguem q escreve como vc, é um elogio q vai ficar bem guardado. Como disse o Guz : um Alquimista.

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 7:06 AM

  2. Bom dia amigo Marques, é uma satisfação crescente ler seus textos, e sua participação é mais do que bem-vinda, afinal estamos lendo um grande Alquimista, um mago de palavras certeiras, palavras que conseguem exprimir um máximo de reversão ao sistematicamente clichê , calculadamente broxante e tão cinicamente escamoteado nestes discursos estagnados .

    A desconstrução , na minha opinião, Fy, deveria se chamar A Arte do Pensar .

    ( e antes que comecem as referências ao nazismo, aqui, no “caso Heidegger” não se trata de provar, ou não, se Heidegger era nazista. A filosofia de Heidegger, queiramos ou não, não se resume a isso; obviamente não se pode negar seu imperdoável e miserável envolvimento com o nazismo, como qualquer outra coisa que neste pesadelo se envolva. No entanto permanece, sua filosofia, como um desafio, e o autor de Sein un Zeit como um dos pensadores mais influentes do século XX (o que não significa que seja o “melhor”). Vale o conselho de Franco Volpi (falecido prematuramente este ano) que falava da possibilidade de ler Sein und Zeit de várias maneiras, como uma antropologia filosófica, uma filosofia da existência. – um paradoxo extremo , mas é sobre isto que estamos falando, não ? )

    Simplesmente porque desconstruir, nos termos de Derrida , sem esquecer Heidegger, é simplesmente respeitar o próprio pensamento. Pensar é uma das únicas coisas que desconhecem limites . Respeitar as atribuições do Pensar é automaticamente: desconstruir.

    Desconstruir até mesmo o engessado conceito de Pensar.

    Volto daqui a pouco, pra falar um pouco deste outro possível e urgente conceito que nos lembra como Pensar com o olhar, com o calor e frio de nossos corpos, com cada uma das células que vivem em nós este fantástico evento chamado vida.

    Beijo a todos,
    tio Guz

    Comment by Gustavo — 22/11/2011 @ 2:35 AM

    • Volto daqui a pouco, pra falar um pouco deste outro possível e urgente conceito que nos lembra como Pensar com o olhar, com o calor e frio de nossos corpos, com cada uma das células que vivem em nós este fantástico evento chamado vida.

      tá bem, eu espero, sim.

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 7:05 AM

    • Volto daqui a pouco, pra falar um pouco deste outro possível e urgente conceito que nos lembra como Pensar com o olhar, com o calor e frio de nossos corpos, com cada uma das células que vivem em nós este fantástico evento chamado vida.

      Aloha Gustavo,

      Vou te dizer uma coisa amigo, uma das coisas mais bonitas do Wind é o fato declarado de voce só ter dito isto por aqui. E de tantas formas voce disse, de tantas formas voce provou que o gosto da vida é este mesmo, que eu trouxe uma, das que eu não esqueci:

      A pele – a alma : Vida: alma da pele – pele da alma

      um espaço para expressar , conhecer e refletir as mais altas , fundas e amplas experiências e possibilidades humanas , onde os limites se convertem em limiares .

      Sofrimento , mal e morte , iniciação , poesia e revolução , sexo , erotismo e amor , transe , êxtase e loucura , espiritualidade , imanência .

      Tudo o que altera , transmuta e liberta .

      Tudo o que desencobre um Esplendor nas cinzas opacas da vida falsa .

      – Gustavo

      abraçoaê
      TocaYo

      Comment by TocaYo — 23/11/2011 @ 12:34 PM

  3. Boa tarde pessoal, neste chegando no fim do ano que quase fecha uma segunda braba, cansada, com o lombo carregado até aqui com quase todas as segundas 2011.

    Fy, vais fazer uma revista. Tenho tudo na cabeça. Despejo as idéias, voce junta com as tuas, tempera de Fy e eu publico. Não aceito nãos nem nões, HuaAhuaHua !

    É, filosofar é brabo. Mas tô com o Gustavo, a desconstrução é um fato. É hilário quando metem o pau no Derrida. E vou dizer mais, mesmo que soe como elitismo, coisa que sinceramente tô fora, mas certos assuntos, assim como temas tem ( e tem que ter ) um público correto. Eu amo esta liberdade que nos permite, nos aproximar da tribo correta ou incorreta, do livro que fala com agente e daquele que nos xinga, comprar em magazines embucetados ou em brechós fedorentos e mágicos. Ficar perto da gente que agente escolher, aquela com a qual falamos nosso idioma íntimo, verdadeiro, aquelas tiradas que vem de dentro e não fazem força pra serem entendidas. São momentos livres do receio das errôneas interpretações.
    Eu, percebo por aí, ao contrário do que vocifera o mainstream, um desejo latente de aprofundamento. Uma geração sedenta de significações e buscas. Um movimento forte, bem contra-corrente e contra-roteiro.
    Teu post tem frases perfeitas em relação a isto.
    Uma coisa meio sessentista, meio beat but not – zen , uma revolução ainda subterrânea, que engorda meio que perdida em si mesma, e adquire forças e poderes por ela mesma desconhecidos. Eu acredito em muitas e surpreendentes mudanças explodindo repentinamente pelo planeta a fora. Inesperadas. Estranhas. Fortes. Libertadoras. Deconstruction for Survaving.

    Êta que eu ia falar um monte mas a 2ª feira histérica me solicita. Eu e minhas segundas. Daqui pra frente, todas psicóticas.

    abraço témanhã
    João Pedro

    Comment by João Pedro — 22/11/2011 @ 8:06 AM

    • Gostei do comentário, Jp, tás inspirado!

      Claro.

      Eu acho que sempre houve esta necessidade de significações e buscas. É que em outros tempos as contra-correntes ou o Pensar, simplesmente, eram tidos como apócrifos, hehehe.E, não há diferenças, nos absolutismos, entre “apocrifar” o que um safado disse daqui ou o que um safado “divinamente inspirado” disse de lá. Tem até : deus que disse. Hehehe, aqui e lá.

      O “tal” do Descontrucionismo só tem por novidade ter passado a ser conceito.

      A desconstrução foi enquadrada no chamado pós-estruturalismo, primeiro movimento de auto-crítica e depois movimento de ruptura com o estruturalismo, e divulgou-se de forma mais insistente nos meios universitários norte-americanos, onde conheceu amplos debates nas décadas de setenta e oitenta, sobretudo.

      Desconstruir um texto seja ele qual for, é fazer com que as suas palavras-charneira subvertam as próprias suposições desse texto, reconstituindo os movimentos paradoxais dentro da sua própria linguagem.

      Derrida fez repensar a forma como a linguagem opera. Repensar ou óbviamente conceituar!

      Desconjuntando os valores de verdade, significado inequívoco e presença, a desconstrução aponta para a possibilidade de escrever não mais como representação de qualquer coisa, mas como a infinitude do seu próprio “jogo”.

      Desconstruir um texto não é procurar o seu sentido, mas seguir os trilhos em que a escrita ao mesmo tempo se estabelece e transgride os seus próprios termos, produzindo então um desvio [dérive] assemântico de différance.

      Todo o signo só significa na medida em que se opõe a outro signo, por isso se pode dizer que é essa condição da linguagem que constantemente diferencia e adia os seus componentes que concede significância ao signo.

      Estas teses foram consolidadas por Roland Barthes numa fase já pós-estruturalista, que começa com o artigo “A morte do autor” (1968) e continua nos livros S/Z (1970) e O Prazer do Texto (1973).

      A teoria de Barthes aproxima-se da de Derrida: a leitura crítica de um texto literário não objetiva um sentido único mas a descoberta da sua pluralidade de sentidos.

      abraço aê, lindo post, Fy, adorei o swing da Filosofia por aqui.
      (tio) Renato

      Comment by Renato — 22/11/2011 @ 10:58 AM

      • hahaha , quem disse q ela não dança ?

        Swingando com vc, a proposta de desconstrução do texto introduzida por Derrida foi particularmente bem recebida nos Estados Unidos. A Escola de Yale, onde Derrida ensinou, revelou nos anos 70 alguns dos principais teóricos da literatura de hoje: Paul de Man, Harold Bloom, J. Hillis Miller e Geoffrey Hartman. A Escola de Yale desenvolveu não só a filosofia desconstrucionista mas também os estudos freudianos aplicados à literatura. Duas obras iniciais marcaram a atividade e afirmação dos críticos de Yale: Blindness and Insight, de Paul de Man, e The Anxiety of Influence, de Harold Bloom.

        Quem sabe falar legal destes autores é o JP.Mas tb, nada mais descontrucionista q a arte da Propaganda. É meio q apaixonante, tudo isto.

        bj
        Fy

        Comment by Fy — 23/11/2011 @ 6:57 AM

    • JP, detesto estas 2ªs histéricas! Teu comment tá genial!

      Continua…

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 7:03 AM

    • Uma coisa meio sessentista, meio beat but not – zen , uma revolução ainda subterrânea, que engorda meio que perdida em si mesma, e adquire forças e poderes por ela mesma desconhecidos.

      Aloha, JP, bonito….

      Sessentista e subterraneo, numa levada meio Bukowski , Samuel Beckett, Umberto eco, os beats, e aí vai sequenciando uma pitada leve de artivismo (mistura de arte com ativismo político) na balada do Luther Blissett Project … – e agente … nascendo… bem depois.

      É isto véio, nós nascemos girando nestas revoluções.

      to aguardando teu retorno, no mesmo embalo.

      TocaYo

      Comment by TocaYo — 23/11/2011 @ 12:47 PM

      • Aloha Caíto,

        Voce esqueceu a The Wu Ming Foundation, huAHauha, sucessora da Luther.
        Isto porque voces não pegaram o Pasquim!

        O Pasquim foi um semanário brasileiro editado entre 26 de junho de 1969 e 11 de novembro de 1991, reconhecido por seu papel de oposição ao regime militar.

        De uma tiragem inicial de 20 mil exemplares, que a princípio parecia exagerada, o semanário (que sempre se definia como um hebdomadário) atingiu a marca de mais de 200 mil em seu auge, em meados dos anos 1970, se tornando um dos maiores fenômenos do mercado editorial brasileiro.

        (tio ‘mesmo’) Renato

        Comment by Renato — 23/11/2011 @ 12:59 PM

      • Êeba TocaYo, este blog consegue fazer agente abrir os porões do improvável! Dá-lhe Yale…. TocaYo véio.

        Bukowski , Samuel Beckett, Umberto eco, os beats ,emendando Blindness and Insight de Paul de Man e The Anxiety of Influence , de Harold Bloom que “tatuaram” a atividade determinaram a total afirmação dos críticos de Yale. Recomendo de olhos fechados. Paul de Man estraçalha, se a desconstrução do Derrida já era um samba , o cara desce o morro com um maracatú carioca chacoalhando New Haven, irmão. O Paul de Man toma o texto literário como um conjunto de potenciais oposições internas que inclusive justificam a criação do Teaser, (literamente: incitador) que é uma peça publicitária que incita a curiosidade das pessoas sem revelar totalmente o objeto que está sendo divulgado, constituindo uma técnica para chamar a atenção para um anúncio subsequente, por intermédio de informação enigmática.

        Um teaser é, geralmente, uma pequena peça, que oferece nenhuma ou parte da informação sobre o produto em publicitação, levando o público a interrogar-se sobre o significado da peça e despertando- lhe curiosidade pela explicação. Esta chega só algum tempo depois, desencadeando as mais diversas reações.

        Um outro livro de Paul de Man, Allegories of Reading , dá melhor conta desta engrenagem técnica, assumindo que toda a leitura é necessariamente retórica, por isso sujeita a diferentes interpretações.

        Um exemplo sensacional totalmente Bukowiskiano, que eu curto pracaramba, numa das melhores tiradas da Levis:

        abraço
        João Pedro

        Comment by João Pedro — 24/11/2011 @ 3:24 AM

        • Pronto taí o vídeo.

          JP > eu te modifquei e não troquei o endereço > hahahaha > vc acabou de comentar do blog do Anarco , hahaha

          mto bom este post novo !

          bj
          Fy

          Comment by Fy — 24/11/2011 @ 4:43 AM

          • Xiii agora saiu nos 2 !

            que confusão.

            Comment by Fy — 24/11/2011 @ 4:49 AM

          • Eu ví.

            Ou melhor eu me ví, hehehe.
            Vou fazer uma visita lá depois. Já que eu fui de penetra.
            João Pedro

            Comment by João Pedro — 24/11/2011 @ 11:32 AM

            • Bom dia pessoas que não devem estar na 23 de maio paradas no trânsito,

              Fy, eu dei uma olhada no post do Anarcoplayba, e lí as explicações sobre astrologia.
              Eu tenho uma dúvida de identidade, hehehe porque nasci entre 2 signos, segundo alguns astrólogos. O Anarcoplayba falou sobre os signos de água, e eu sou à priori de Escorpião, e me identifico pacas com o perfil. Trabalho com arte e os nativos de água “são” esta tendência. Mas em alguns mapas que eu mandei fazer, sim porque aí fiquei curioso, alguns astrólogos me colocam como sagitariano. Outros como uma mistura dos dois o que vira uma confusão indefinível.Já um outro, me diz que isto não existe em astrologia, ou voce é um ou outro. Conclusão? não sei.

              A Ju dá uma super importância pra este lance da lua, e voces me disseram que ela influencia o emocional, e o meu “perfil” de lua como fica?

              abraço
              João Pedro

              Comment by João Pedro — 25/11/2011 @ 12:19 AM

              • Bom, com certeza sua lua deve ser bukowskiana, hahahahahah, submundica…. nem aqui, nem lá.

                Eu quero saber a minha, tb achei legal a explicação do scorpion. Adoro scorpions. Tem uma banda, não tem? vou ver e já volto, aqui na Babilônia aconteceu uma calmaria hoje… só pode ser sinistra….

                bjinhos da Ju sem lua, chama o Anarco aqui!

                Comment by Juliana — 25/11/2011 @ 12:30 AM

                • Como ficou sem lua? O Anarco falou da sua lua, sim: ela tá em áries:

                  Claro!

                  27 de outubro de 1985 – São Paulo – SP Br – às 3 e 35 da manhã, segundo minha mãe e a certidão.

                  milhões de beijões

                  Ju

                  Comment by Juliana — 14/10/2011 @ 8:17 AM

                  Reply

                  Lua em Áries. Emocional volátil. Explosivo. Reativo. Muito intenso e muito variável. Explode fácil e reage quase sem pensar. Vale lembrar que isso é o seu aspecto emocional… se você externaliza isso ou não envolve um monte de coisa.

                  Mas aposto que emocionalmente vc sente de forma muito intensa.

                  Comment by Anarcoplayba — 14/10/2011 @ 8:23 AM

                  huahhahhauuahhaha
                  bj
                  Fy

                  Comment by Fy — 25/11/2011 @ 12:42 AM

                  • Claro que eu fiquei sem, uma lua com 3 linhas, não é lua,é luinha, a sua tem parágrafos.

                    Olha só: A Lua :

                    O Sol cria, mas a Lua é que dá forma à sua criação. O sol [ signo solar] é a semente que precisa ser fecundada na Lua para se manifestar.

                    São as mudanças de humor e atitudes, o flutuar das emoções simbolizado nas fases da Lua. É o subir e baixar das marés, encontrado também nas pessoas. É a capacidade de reprodução de ambos, como assimilar o que aprendeu e reagir da maneira que achar mais confiante nas oportunidades que surgirem. Uma espécie de persona.

                    Seu lugar no mapa indica onde se reage emocional e automaticamente, onde se multiplica ou se matrnaliza. E onde sente-se necessidade de uma resposta.

                    A Lua, muitas vezes mostra o que as pessoas sentem a respeito de si proprias.

                    O significado da Lua só é compreensível para aqueles que percebem a polaridade feminina dentro de si, já que a Lua é tudo que é passivo, receptivo e emocional, são as impressões, os sentimentos, a memória. A Lua é tambem o princípio da maternidade. Portanto, tem uma função alquímica de transmutar o lado destrutivo, egoísta, dominador, etc…

                    Como é que a minha cabe em 3 linhas?

                    Dá lá uma olhada na sua, hahahahaha

                    Comment by Juliana — 25/11/2011 @ 1:09 AM

                  • Juliana, o Anarcoplayba foi educado. É claro que expandiu sua lua em 3 linhas. Ele poderia ter dito apenas: bipolar.

                    Isto é astrologia com civilidade.

                    Reconheçamos que não é fácil se comunicar em termos babilônicos. É preciso estudar as tendências celestes, as conveniencias solares…

                    Eu vou escrever um tratado sobre a sua lua, pode deixar.

                    um beijo,

                    João Pedro

                    Comment by João Pedro — 25/11/2011 @ 1:36 AM

                  • Eu não vou responder, tive outra ideia, vou reunir uma porção de ex-JPedro e tomar nota dos depoimentos sobre a sua lua.
                    bjinhos da Ju

                    Comment by Juliana — 25/11/2011 @ 1:43 AM

                • Pronto Ju, só pra voce.
                  todinha.

                  o resto é com o Anarco.

                  beijo
                  TocaYo

                  Comment by TocaYo — 25/11/2011 @ 2:53 AM

                  • Nossa que delícia! Tocayo, Ce, quero mais!

                    Ganhei meu dia! Quem não chora… não mama.
                    bjinhos da Ju queésólua!

                    Comment by Juliana — 25/11/2011 @ 8:19 AM

                  • Ju,

                    A Lua, o Sol, Flores…. pra Vc. Bj, Linda

                    Comment by Ce — 25/11/2011 @ 10:13 AM

                • Pra vc JU🙂

                  Comment by Ce — 25/11/2011 @ 3:31 AM

                  • Ah…. vou ter q pedir mais Lua pro Anarco!

                    Ju! vc ganhou um montão!

                    bj, Ce e seja bem vindo.

                    Nossa hj eu to escrevendo em uma lingua desconhecida, tudo errado. …. final de mes… final de ano….

                    Comment by Fy — 25/11/2011 @ 4:37 AM

              • João, eu nunca tinha pensado nisto. Mas deve ser confuso mesmo uma misturada de escorpião com sagitário.

                Que dia voce nasceu ?

                bj
                Fy

                A Ju nunca foi bipolar, nada! hahahahaha

                Comment by Fy — 25/11/2011 @ 1:55 AM

                • Não aguentei esta moçada:

                  A Lua está em Escorpião (23 a 25/nov). Segundo a tradição, é a QUEDA da Lua, a sua depressão. A que se sente num covil de degradação desde sempre. E, para piorar, a de hoje, na chamada Via Combusta (15 de Libra a 15 de Escorpião). Então, em suma, hoje, se possível, nas próximas horas esconde-se, antecipe a bala perdida, movimente-se sem fazer alarme. E toca a vida.
                  Um olho no peixe outro na cobra.
                  Com a Lua em Escorpião antecipe os acontecimentos. O que esta Lua não suporta é se sentir encurralada. Aí o ódio brota. Deixe a Lua Cascavel chegar, deixe a Lua Cascavel passar nesta quarta-feira.

                  Mas porque ela é Lua, e é sempre linda:

                  beijo a todos
                  tio Guz

                  Comment by Gustavo — 25/11/2011 @ 5:11 AM

        • Sensacional João Pedro, submundo total, Bukowski na veia. Taí um cara que vale a pena postar, Fy.
          Alexandre Golaiv

          Comment by Alexandre Golaiv — 24/11/2011 @ 10:09 AM

          • Bom mesmo, Alê, mas foi censurado.

            Este submundo do Bukowsky é amplamente explorado, em todos estes seriados Law&Order e derivados, Hqs, o cara é cenário pra lá de abusado. Sem créditos.

            abraço
            João Pedro

            Comment by João Pedro — 24/11/2011 @ 11:36 AM

            • Sin City…

              Comment by TocaYo — 26/11/2011 @ 6:22 AM

  4. Only Breath

    Not Christian or Jew or Muslim, not Hindu,
    Buddhist, sufi, or zen. Not any religion

    or cultural system. I am not from the East
    or the West, not out of the ocean or up

    from the ground, not natural or ethereal, not
    composed of elements at all. I do not exist,

    am not an entity in this world or in the next,
    did not descend from Adam and Eve or any

    origin story. My place is placeless, a trace
    of the traceless. Neither body or soul.

    I belong to me.

    BEIJO e obrigado, é libertador.
    Marianne

    Comment by Marianne — 22/11/2011 @ 8:46 AM

    • Marianne : vou roubar pra mim!

      Coloco nos próximos posts.
      Demais!
      de quem é ?

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 7:01 AM

    • Fy, não sei, não consta o autor.
      BEIJO
      Marianne

      Comment by Marianne — 25/11/2011 @ 8:10 AM

  5. Meu ídolo Steven Meisel é demais, não é ? fala a verdade *********?//************

    Nossa, todo mundo falou bonito aqui…

    Uma lei: minha lei:

    Trata-se de enfrentar as históricas estruturas de poder .

    Vencer este desafio exige enfrentar os preconceitos

    e o caráter elitista de nossa colonização de origem escravista que

    sempre desprezou e inferiorizou nossas práticas espetaculares .

    ÓILÁ: ( O SER O QUE AGENTE É – INDEPENDENTE DE SERMOS ACEITOS, É SEMPRE A MELHOR OPÇÃO, se é que pode ser *** “opção” >>>…)

    FILMAÇO! INESQUECÍVEL!

    beijões da Ju flashing /dancing

    Comment by Juliana — 22/11/2011 @ 8:59 AM

    • Ah, meu ídolo tb.
      O rei da desconstrução. Chega de manequins platonizados…. simulacros de simulacros: cabides existenciais. Chega de beleza estática > amorfa, urgh… platõ.
      O cara monta uma idéia, joga um argumento e plá : ” Não levanto da cama por menos q 10.000 dólares ” .

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 7:00 AM

  6. a leitura crítica de um texto literário não objetiva um sentido único mas a descoberta da sua pluralidade de sentidos.

    O mesmo com a dança Ju. E, claro, com a Vida.

    Flash dance é mesmo inesquecível!

    beijo do (tio) Renato

    Comment by Renato — 22/11/2011 @ 11:00 AM

    • Ah, se é.

      Alguem já viu o trailer do novo Footloose?

      …. Just Dancing!

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 6:51 AM

  7. Sessentista ou não, que eu bem me recorde, quando foi que o desconstrucionismo apareceu? A historia do mundo não é exatamente esta?

    André Golaiv

    Comment by André Golaiv — 22/11/2011 @ 11:19 AM

  8. Só posso bater palmas,Fy, mais um post incrível.Assumir a incerteza e as contradições é um baita caminho para um conhecimento iluminado, no sentido de real. Eu sempre confronto minhas conclusões com algo similar que eu possa encontrar na realidade. Isto serve como um teste na maioria das vezes, e muitas vezes minhas conclusões sofrem alterações e mudanças, porque no “real”, não funcionariam. E não funcionando, não só me atrazam como me machucam.Sei lá, é uma forma que encontrei e que me foi válida.E acho que tem um pouco de Derrida nesta minha fórmula.
    bj. Ariane

    Comment by Ariane — 22/11/2011 @ 10:50 PM

    • Sabe, Sofia, vc é mto querida!

      Mas, nestes 2 anos de Wind + um natal , hahahaha > todos nós mudamos. E vamos mudar sempre. È a melhor alquimia. E o mais legal : mudamos juntos. Todos nós, de uma certa maneira fazemos parte destas mudanças.

      bj
      e obrigado a VC.

      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 4:39 AM

    • Muito legal esta tua “fórmula” Ariane, me lembrou o Castañeda, ou os índios que observam a natureza, e tentam entender seus movimentos.
      Claro q sim, tem mto Derrida nesta fórmula. O André trouxe uma verdade, o mundo é só: desconstrucionismo. Tudo se desconstrói e se constrói… ininterruptamente. E, claro, nossos conceitos, nossas soluções, nossos problemas… também . O simples fato de tentarmos compreender tudo isto não nos restrigindo a nenhuma leitura única ou determinante , é Derrida .

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 6:40 AM

  9. Boa noite Windmills, Fy,
    Lá em cima o Marques Patrocínio falou em Alquimia. Imagine se ele visse as transformações que o Windmills causou em mim.Aqui aprendo dançando, ouvindo canções,(procurando a tradução, coisa que jamais me preocupei em fazer, entender, acompanhar as letras, as mensagens que deslizam na música) e experimentando uma nova maneira de viver. É alquimia ou não é? Não há como descrever a diferença que isto fez em mim. Sou, indiscutivelmente, outro material, ouro? Não me importa, sou muito melhor. Por isto, e porque esta alegria forte e poderosa me faz gostar tanto e agradecer estar participando disto tudo com voces.Com muito carinho e agradecimento, um beijo para todos.
    Sofia Mastrada

    Comment by Sofia — 22/11/2011 @ 11:00 PM

  10. “tentar girar, cair, tentar de novo,……, criar um giro novo…”

    os devires – em sua maioria – sao angustiantes justamente porque esquecemos desse fato simples e crucial descrito na frase acima…
    os “tentares” da vida sempre implicam um não saber e um conjunto ininterrupto de cair-levantar, errar-aprender-acertar-errar….etc…

    abrs e bj

    Comment by caio — 23/11/2011 @ 3:15 AM

    • Mr., eu viajei nestes movimentos girantes, em quedas e giros novos, em mergulhos e altos vôos > com o seu , pra mim inesquecível, Ezequiel!

      Pena que foi ontem
      Onde testei o passado
      pra ver se era branco
      Nem branco nem preto
      No seu fundo ainda não escrito
      sempre gritou um presente colorido
      Entre o sono e a vigília
      está o Santo Graal que te convida
      Hoje é meu melhor martírio
      Eclode em mim
      A seu bel prazer
      E sem rima
      A Vida.

      Mr. Writer : Caio Garrido
      Ah …

      bj
      Fy

      O próximo post é seu !

      Comment by Fy — 23/11/2011 @ 4:35 AM

  11. vc contou o final! rsrs

    Comment by caio — 23/11/2011 @ 1:00 PM

    • é nada !

      o livro inteiro é lindo assim.

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 24/11/2011 @ 4:44 AM

  12. Parabéns pelo Blog!

    Comment by Marcia — 24/11/2011 @ 5:22 AM

  13. Oi Márcia,

    Welcome,

    peraí q eu vou arrumar.

    vamos ver se sai por aqui

    bj
    Fy

    Comment by Fy — 24/11/2011 @ 5:30 AM

  14. Pessoas tentem colocar a url normal, acho q é o único jeito, de vez em qdo o wordpress fica temperamental….

    bj
    Fy

    Comment by Fy — 24/11/2011 @ 5:32 AM

  15. Bj, querida. Obrigado!

    Comment by MARCIA — 24/11/2011 @ 6:44 AM

    • Marcia, o Claudio Ulpiano é uma das melhores coisas que eu já lí. Ele e o Francisco Fuchs. Sou fã de carteirinha.

      bj
      Fy

      Comment by Fy — 25/11/2011 @ 4:33 AM

      • Fy, ele é Maravilhoso.

        Repara a capacidade incrível dele “falar” filosofia. Sem contar que é uma simpatia.

        Nossa, queria muito ter tido aula com ele

        Bj

        Comment by Marcia — 25/11/2011 @ 5:42 AM

  16. Fy,a desconstrução de Jacques Derrida foi e está sendo importantíssima nas reformulações pedagógicas,
    Seria muito legal um post. Amo isto aqui. beijo e abraços pro pessoal.

    Comment by Adriana — 24/11/2011 @ 10:02 AM

  17. esqueci, sou eu a Adriana!

    Comment by Adriana — 24/11/2011 @ 10:03 AM

  18. squeci do Scorpion

    bjinhos da Ju (sem lua)

    Comment by Juliana — 25/11/2011 @ 1:17 AM

    • só pra constar coloquei o url – depois um & e depois escrevi embebed.

      Comment by Juliana — 25/11/2011 @ 1:19 AM

  19. Ju eu mandei um email pro Anarco, vamos ver se ele responde.

    bj
    Fy

    Comment by Fy — 25/11/2011 @ 1:39 AM

  20. Excelente! Apresentação, assunto, um exemplo de aula que devereia ser adotado. Espero pelo próximo.
    Bel

    Comment by Isabel — 25/11/2011 @ 8:34 AM

  21. Pronto, vamos ver o diagnóstico do Anarco. A Ju vai inaugurar um site?

    HuahhauUUa,
    João Pedro

    Comment by João Pedro — 25/11/2011 @ 8:45 AM

  22. JP, eu andei dando uma olhada e pode acontecer sim. Me pareceu que, no caso voce pode ter uma influência híbrida sim.

    (tio) Renato

    Comment by Renato — 25/11/2011 @ 9:53 AM

    • HuahHuahHaua, Ju querida tambem vou te providenciar uma LUA, vamos deixar voce mais que enluarada.

      Mas que a resposta foi supimpa, foi. Como agente sabe pouco…

      boa noite por este mundo afora,
      (tio) Renato

      Comment by Renato — 25/11/2011 @ 10:38 AM

  23. Gaaaahhhhhhh… People, Y U NO keep the thread? Tô a três dias sem entender o que a Fy tava falando.

    Já que a gente tá falando de Astrologia… eu fico meio cabreiro quando o pessoal começa a inventar demais.. Lua em escorpião é “lua em queda”. Discordo. Pra mim é um nome pra uma coisa que as pessoas resolveram achar que não dá muito certo. Que nem marte em áries ou em libra (situações opostas).

    Lua, por tudo o que me consta, é a reação emocional. A cor e o formato da sua água salgada. Acho complicado falar que ela é passiva (passivo não atua, não reage). Acho complicado falar que ela “tem que ser ativada”. Keep it simple. Reação emocional funciona bem.

    “Como você se vê?” Não. Como você se sente. Ou, em geral, como você sente.

    O grande problema da astrologia é passar pelo mito do sábio chinês que aponta a (olha só) lua. O Sábio aponta a lua. O Tolo olha pro dedo.

    Uma galera fala um monte de coisa sobre a Lua (e sobre os oturos planetas). A questão é entender o pq. Dizem que a lua representa a mãe e o sol o pai. Eu estou testando isso… so far, bateu bastante. Mas não me sinto seguro pra falar com toda certeza. Assim como conheço gente que fala que a casa sei é a casa do gado pequen. WTF? Bro, atualize seus livros…

    A lua em escorpião é a reação emocional de escorpião. E qual o comportamento emocional de escorpião? Quer segurança. Isso significa que vc tende a ser um tiquinho inseguro emocionalmente. Sente necessidade de demonstrações de carinho, por exemplo. Me diga se bateu.

    O complicado de falar da lua em áries é que áries é pretty much straightforward. Lua em áries é a lua volátil. Que evapora rápido, queima forte, explode e depois esquece. Provavelmente é uma pessoa que não guarda rancor (não porque perdoa, mas porque esquece), tende a ser agitada. Ironicamente, sua lua está em oposição a vênus. O que isso significa? Que o que vc ama e como vc ama provavelmente entra em conflito. É de se imaginar que vc goste de pessoas de personalidade artística, harmoniosas, calmas, equilibradas… Mas vc mesma não é das pessoas mais ponderadas da face da terra.

    Ah, áries costuma gostar de praticar esportes tbm. Me avise se bate.

    Comment by Anarcoplayba — 26/11/2011 @ 11:11 AM

    • O complicado de falar da lua em áries é que áries é pretty much straightforward. Lua em áries é a lua volátil. Que evapora rápido, queima forte, explode e depois esquece. Provavelmente é uma pessoa que não guarda rancor (não porque perdoa, mas porque esquece), tende a ser agitada. Ironicamente, sua lua está em oposição a vênus. O que isso significa? Que o que vc ama e como vc ama provavelmente entra em conflito. É de se imaginar que vc goste de pessoas de personalidade artística, harmoniosas, calmas, equilibradas… Mas vc mesma não é das pessoas mais ponderadas da face da terra.

      Ah, áries costuma gostar de praticar esportes tbm. Me avise se bate.

      o que eu amo e como eu amo entra em conflito…

      Bom isso, hem ???///!!!

      Verdade Anarco, ###¨¨¨**** constantezinha irritante…., né? Vixe… que se faz?

      de resto, assumo minha multi/polaridade. hahahaha sou brava mas não guardo rancor.

      Lua em áries é Lua que não amadurece ou amadurece lentamente. Retardada pra ser bem straightforward.

      hahaha fiz um avatar by Anarcoplayba , (a manhã inteira) clica aê pra ver.

      milhões de beijos
      Ju

      ( mas a da Fy tá mais caprichada, viu?)

      Comment by Juliana — 01/12/2011 @ 2:55 AM

      • Hehehehe… Princesa Leia Feelings.

        Comment by Anarcoplayba — 01/12/2011 @ 7:27 AM

  24. E por falar em Lua….


    🙂

    Comment by billy shears — 26/11/2011 @ 1:46 PM

    • Billy ( eu adorei meu avatar, não paro mais de comentar, não é lindo?) hahahaha

      Eu adoro Menina Veneno!

      bjinhos
      Ju

      Comment by Juliana — 01/12/2011 @ 2:56 AM

      • hehehe

        O cara fez um dvd em estúdio, só tem musicaça. Canta muito….

        beijos

        Comment by billy shears — 06/12/2011 @ 2:35 PM

  25. Hello Webmaster, I noticed that https://windmillsbyfy.wordpress.com/2011/11/21/filosofia-2/ is ranking pretty low on Google and has a low Google PageRank. Now the Google PageRank is how Google is able to see how relevant your webpage is compared to all the other webpages online, if you cannot rank high at the top of Google, then you will NOT get the traffic you need. Now usually trying to get to the top of Google costs hundreds if not thousands of dollars and very highly optimized targeted marketing campaigns that takes a team of experts months to achieve. However, we can show you how to get to the top of Google with no out of pocket expenses (free traffic), no stupid ninja tricks, no silly mind control techniques, and this will be all white hat with no blackhat software or tactics that could possibly land you on bad terms with Google and put you in the dreaded “Google Sandbox”. We’ll show you how to easily capture all the targeted traffic you need, for free, multiple ways to land fast (not months) first-page rankings in Google and other major search engines (Bing, Yahoo, Ask, etc), even show you strategies on how to earn daily commissions just try Ranking Top of Google, please check out our 5 minute video.

    Comment by Lynwood Orso — 11/12/2011 @ 12:08 AM

  26. In search of seeking for a short time for any good quality view involving this one point . Researching in Search engines I eventually have discovered this page. Reading this So i’m thrilled to say that I have a really good sense I discovered just what I was looking for. For certain i will make sure to don’t forget this web-site and check it out constantly.
    my blog is on cheap family vacations.

    Comment by cheap family vacations — 14/12/2011 @ 11:20 AM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: